O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 11

10

Mas vamos falar, então, do dia a dia e comecemos pelo setor dos transportes, um setor bandeira deste novo

Governo das esquerdas. No início tudo eram facilidades, reversões e regresso ao passado em visão acelerada.

No entanto, rapidamente, os cidadãos perceberam que aquilo que era o paraíso ideológico das esquerdas mais

radicais é, na realidade, o inferno que diariamente muitos cidadãos enfrentam, sobretudo no Porto e em Lisboa.

É o caso, por exemplo, das filas intermináveis em algumas paragens para apanhar autocarros e comboios

sempre atrasados e cheios. Isto, quando passam e não foram, por alguma razão, interrompidos ou não vão

passar naquele dia.

É também o caso da situação perfeitamente inacreditável dos bilhetes de metro, com milhares de pessoas

sem conseguirem adquirir um bilhete.

O Sr. Ministro da tutela diz — imagine-se —, com algum espanto, que foi um azar. Sr. Ministro, a isto eu

chamo escolha e incompetência. Azar parece-me a pior palavra para descrever este inferno diário por que

passam muitos lisboetas.

Aplausos do CDS-PP e do PSD.

Só no primeiro semestre deste ano houve 4500 queixas sobre os transportes públicos, 25 queixas por dia.

Quanto aos hospitais, temos o famoso despacho de centralização que torna impossível em qualquer hospital

fazer uma aquisição de investimento, que pode ser, por exemplo, reparar uma máquina de exames que se

avariou ou até adquirir medicamentos sem autorização do Ministro e da tutela, já para não falar dos pagamentos

em atraso de 262 milhões de euros.

Quando é que os Srs. Deputados, que tanto falam em reposição de rendimentos, perceberão que ter

pagamentos em atraso de 262 milhões de euros é fazer, a prazo, um corte de 262 milhões de euros nos

rendimentos dos trabalhadores destas empresas? Eles também têm direitos!

Aplausos do CDS-PP.

Mas não ficam por aqui os exemplos concretos da realidade dos cortes. Também esta política chegou às

escolas e, aparente e infelizmente, chegou para ficar. Foi preciso esperar sete meses, já com o ano escolar em

funcionamento, e haver escolas encerradas ou a ameaçar encerramento para que fossem desbloqueados os

concursos para funcionários não docentes. Aparentemente terão sido, mas em número muito insuficiente.

O problema está longe de estar resolvido e temos sido confrontados com anúncios de escolas que encerram,

como foi o caso da EB1 António Nobre, no Agrupamento de Escolas das Laranjeiras, e abrem em condições

precárias recorrendo a auxiliares, no caso, de um jardim de infância.

Também no ensino superior, várias vezes já ouvimos falar dos problemas que a cativação de 44 milhões de

euros para as universidades causou a várias instituições.

Lembro-me de, antigamente, ouvir protestos muito inflamados sobre o arranque do ano escolar e sobre a

insensibilidade social do Governo. Não sei como é que o PS, o PCP e o Bloco de Esquerda chamarão agora a

isto, se chamarão sensibilidade social ou cuidado com os serviços públicos. Se calhar, chamam-lhe aposta no

serviço público. Srs. Deputados, isto não são apostas, isto, em bom português, são cortes e são dificuldades de

funcionamento por falta, pura e simples, de dinheiro.

Aplausos do CDS-PP.

Também na segurança, a onda de cortes chegou: do concurso que estava aprovado para formação de 800

novos polícias, 500 ficaram de fora, o Governo só aprovou 300. Isto para não falar nos milhares de pré-

aposentações que continuam na gaveta à espera de autorização, dizendo a Sr.ª Ministra «isso não é comigo, é

com o Sr. Ministro das Finanças». Suponho que isto também é sensibilidade social e cuidado com as áreas de

soberania.

Sr. Presidente, Srs. Membros do Governo, Sr.as e Srs. Deputados: Certamente que nunca negamos os

sacrifícios que os portugueses tiveram de fazer nos últimos anos, sobretudo durante o período da troica.

É precisamente por isso que nós apostamos em políticas cautelosas, seguras, que não comprometam o

futuro e que não deixem Portugal voltar a passar por isso. Mas aquilo que certamente nunca, jamais, aceitaremos

Páginas Relacionadas
Página 0011:
13 DE OUTUBRO DE 2016 11 é aquilo que temos visto, que é a política de esconder a v
Pág.Página 11