O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

9 DE DEZEMBRO DE 2016

25

lá tem 4,9 mil milhões de euros, e com a transferência do seu capital, mais uma vez, para as mãos dos

estrangeiros.

Por que não integrar o Novo Banco na esfera pública, Sr. Primeiro-Ministro, salvaguardando o dinheiro

público e garantindo um novo instrumento de dinamização da economia, de acordo com os interesses nacionais?

Aplausos do PCP.

O Sr. Presidente: — Para responder, tem a palavra o Sr. Primeiro-Ministro.

O Sr. Primeiro-Ministro — Sr. Presidente, Sr. Deputado Jerónimo de Sousa, quanto à primeira questão

sobre a estabilidade da Caixa, quero dizer-lhe que a Caixa mantém a sua atividade normal, a administração

demissionária mantém-se em exercício de funções e a trabalhar com a nova equipa na transição.

Neste momento, está a ser concluída a constituição da nova equipa, que vai ser submetida à avaliação por

parte das entidades de supervisão que têm de aprovar a sua nomeação. Penso que ninguém quer repetir o que

aconteceu no início da nomeação da administração anterior, que é submeter nomes que, depois, não têm

condições para o exercício do mandato.

A informação que disponho é que em breve teremos a situação na Caixa Geral de Depósitos estabilizada e

em plena execução os planos que têm que ser executados.

Quanto ao Novo Banco, lamento não dizer nada de novo relativamente à última vez que o Sr. Deputado me

colocou a questão, mas, como sabe, é um processo que está a ser conduzido pelo Banco de Portugal e o

Governo aguarda a conclusão dessa negociação por parte do Banco de Portugal.

Penso que tudo o que dissermos agora ou condiciona o Banco de Portugal ou perturba o processo negocial.

Quando recebermos a proposta do Banco de Portugal, avaliaremos e, em função disso, tomaremos uma decisão

de acordo com aquilo que considerarmos ser a melhor solução do ponto de vista político, económico e financeiro

para o futuro do nosso País.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: — Continua no uso da palavra o Sr. Deputado Jerónimo de Sousa.

O Sr. Jerónimo de Sousa (PCP): — Sr. Presidente, Sr. Primeiro-Ministro, estamos a chegar ao fim de mais

um ano, um ano marcado por importantes avanços na reposição de rendimentos e direitos dos portugueses, e

outros se perspetivam para o ano que aí vem com a aprovação recente do Orçamento do Estado.

Um tempo que colide com os penosos anos de retrocesso económico e de regressão social, impostos pelo

Governo anterior, e avanços que contaram com a nossa proposta, com o nosso contributo, a nossa ação, no

que diz respeito a salários, a reformas e pensões, ao abono de família, à gratuitidade dos manuais escolares,

às medidas de apoio aos pequenos e médios empresários, no apoio às artes e à cultura, entre vários outros.

Mas se reconhecemos e valorizamos os avanços, não iludimos limitações, insuficiências e problemas sérios

que continuam a existir no plano social. Desde logo, a necessária resposta e superação aos graves problemas

sociais que tornaram Portugal num país crescentemente desigual e injusto, em resultado do desemprego, da

precaridade, da situação dos salários baixos e, por isso mesmo, propomos que o ordenado mínimo seja

aumentado para 600 € a partir do início do próximo ano, novos passos na resposta à superação de muitas

situações de injustiça que permanecem, como, por exemplo, as fortíssimas penalizações de que são alvo as

longas carreiras contributivas que impõem cortes nas reformas de forma inaceitável.

Temos defendido e mantemos que aqueles que têm 40 anos de trabalho e de contribuições não deviam ter

cortes nas suas reformas. O País precisa de valorizar quem trabalha uma vida inteira. O que pensa o Governo

sobre estes problemas, Sr. Primeiro-Ministro?

São precisos novos passos para resolver problemas que não são de hoje e há muito carecem de uma

solução, como é o caso da necessidade de meios humanos nas urgências hospitalares.

Estamos a aproximarmo-nos de uma época crítica para as urgências do Serviço Nacional de Saúde e são

conhecidas as dificuldades em formar equipas para prestar serviços nas urgências hospitalares. Estudos

Páginas Relacionadas
Página 0003:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 3 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Sr. Primeiro-Mi
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 27 4 Reunimos, pois, as condições para concretizar a
Pág.Página 4
Página 0005:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 5 As comunidades intermunicipais têm de ter um papel importan
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 27 6 O Sr. Presidente: — Para formular perguntas, te
Pág.Página 6
Página 0007:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 7 ao processo de recapitalização; pelo contrário, só ouvimos
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 27 8 Agora, convém não confundir o que é acessório d
Pág.Página 8
Página 0009:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 9 O Sr. Primeiro-Ministro: — Creio que o Sr. Deputado sabe be
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 27 10 O Sr. Pedro Passos Coelho (PSD): — Sr.
Pág.Página 10
Página 0011:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 11 O Sr. Pedro Passos Coelho (PSD): — Sr. Presidente, Sr. Pri
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 27 12 O Sr. Presidente: — Tem de concluir, Sr
Pág.Página 12
Página 0013:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 13 A Sr.ª Catarina Martins (BE): — Sr. Presidente, Sr. Primei
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 27 14 A Sr.ª Catarina Martins (BE): — Há, neste País
Pág.Página 14
Página 0015:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 15 sobretudo, não se pode transformar no sacrifício de vidas
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 27 16 inaceitáveis, também estamos na Comissão de In
Pág.Página 16
Página 0017:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 17 É por isso que a Caixa manterá, no seu plano de reestrutur
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 27 18 O Sr. Primeiro-Ministro: — Sr. Presiden
Pág.Página 18
Página 0019:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 19 lhes disse algo que não era capaz de cumprir e não consegu
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 27 20 O Sr. Presidente: — Tem a palavra a Sr.
Pág.Página 20
Página 0021:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 21 A Sr.ª Assunção Cristas (CDS-PP): — Sr. Presidente,
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 27 22 O Sr. Presidente: — Tem a palavra, de novo, a
Pág.Página 22
Página 0023:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 23 O Sr. Primeiro-Ministro: — Se assegurarmos a estabi
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 27 24 O Sr. Presidente: — Para responder, tem
Pág.Página 24
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 27 26 recentes confirmam a opinião de que há muito t
Pág.Página 26
Página 0027:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 27 O Sr. Presidente: — Peço-lhe que conclua, Sr. Primeiro-Min
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 27 28 Na minha visita de trabalho ao novo Presidente
Pág.Página 28
Página 0029:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 29 O Sr. Primeiro-Ministro: — Portanto, se queremos ter um ba
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 27 30 Aplausos do PS. Em primei
Pág.Página 30
Página 0031:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 31 Depósitos? Que nunca colocou na agenda o comprometimento d
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 27 32 também foi ignorada durante os últimos quatro
Pág.Página 32
Página 0033:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 33 Como é que foi possível, ao longo de todos aqueles anos, t
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 27 34 sistema financeiro e entrar em 2017 com confia
Pág.Página 34
Página 0035:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 35 buscam na União Europeia a proteção internacional a que tê
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 27 36 que saúda o compromisso do Governo português p
Pág.Página 36
Página 0037:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 37 também à dívida italiana — e, portanto, é precisamente nes
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 27 38 Ministro italiano, Matteo Renzi, foi apresenta
Pág.Página 38
Página 0039:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 39 Neste Conselho, temos o tema das migrações, um tema muito,
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 27 40 Outra questão: à margem do Conselho vão reunir
Pág.Página 40
Página 0041:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 41 Por isso, em Portugal, temos o dever de dizer que renegoci
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 27 42 qualidade da iniciativa, da qualidade de vida
Pág.Página 42
Página 0043:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 43 Em segundo lugar, relativamente a duas questões colocadas
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 27 44 com bom senso, o que, porventura, falta a outr
Pág.Página 44
Página 0045:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 45 O Sr. Presidente: — Obrigado, Sr. Primeiro-Ministro
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 27 46 bom andamento dos trabalhos, diligencie junto
Pág.Página 46
Página 0047:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 47 O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Presidente da 1.ª
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 27 48 O Sr. Presidente: — Os grupos parlamentares as
Pág.Página 48
Página 0049:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 49 O processo de fabrico do barro preto de Bisalhães havia já
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 27 50 e independente às pessoas com deficiência — um
Pág.Página 50
Página 0051:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 51 Srs. Deputados, o projeto de lei baixa à 1.ª Comissão.
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 27 52 Votamos, agora, o terceiro ponto do projeto de
Pág.Página 52
Página 0053:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 53 Votamos o projeto de resolução n.º 348/XIII (1.ª) — Recome
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 27 54 (1.ª) — Apresentada pela Associação Projeto Ar
Pág.Página 54