O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

9 DE DEZEMBRO DE 2016

5

As comunidades intermunicipais têm de ter um papel importante a desempenhar sempre que a escala de

intervenção local ultrapasse a escala do município, permitindo ganhos de eficácia e de eficiência.

Também as freguesias terão o seu papel reforçado com a consolidação como competências próprias de

matérias que já atualmente desempenham, com base em acordos de delegação de competências, e sempre

que, a nível local, se entenda a mais-valia da proximidade de decisão.

Uma escala e recursos financeiros adequados são condições indispensáveis para um novo papel das

freguesias no quadro da reavaliação do modelo territorial a efetuar em 2018.

Novas competências estarão associadas a um novo quadro para as finanças locais, que aumente a

autonomia fiscal local, tal como foi consagrado no Orçamento do Estado para 2017 relativamente à concessão

de benefícios fiscais, e também com novas fontes de receita, designadamente uma participação dos municípios

na receita do IVA cobrado nos seus territórios.

As autarquias locais, que se têm destacado como o único setor da Administração Pública com sucessivos

saldos orçamentais positivos, desde 2008, e uma clara tendência de redução de endividamento — menos 400

milhões de euros até setembro deste ano —, merecem este voto de confiança.

A legitimidade democrática das Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto, há muito previstas no artigo 236.º

da Constituição, que agregam quase metade da população e mais de metade do produto interno bruto (PIB),

deve ser igualmente reforçada, favorecendo a sua competitividade entre as metrópoles europeias, assim

contribuindo para o desenvolvimento do todo o território nacional.

A gestão integrada de redes — de transporte, de água ou de saneamento —, a promoção económica, a

gestão de programas comunitários e o ordenamento do território ganham eficiência na escala metropolitana.

Sei bem que há múltiplos modelos possíveis para concretizar esta vontade e também sei que é uma vontade

comum de consolidar verdadeiras áreas metropolitanas.

A benefício de um maior consenso, o Governo convidou os Presidentes dos Conselhos Metropolitanos de

Lisboa e Porto, Drs. Hermínio Loureiro e Basílio Horta, a trabalharem em conjunto, de modo a apresentarem

aos diferentes grupos parlamentares representados na Assembleia da República as suas propostas para que

possam ser debatidas sob a forma de projeto de lei, disponibilizando-se o Governo a assegurar todo o apoio

técnico que as Áreas Metropolitanas e a Assembleia da República lhe solicitem, para que não desperdicemos

esta ocasião para concluir a evolução que vimos fazendo em várias etapas desde 1989.

Aplausos do PS.

A democratização das comissões de coordenação e desenvolvimento regional (CCDR) vem exatamente

nesse sentido, passando a caber-lhes o papel de serem centros de planeamento e de definição de estratégias

de desenvolvimento regional no âmbito dos programas de apoio de fundos europeus, visando maximizar o

potencial de inovação e de crescimento do País de forma equilibrada e solidária.

Serão os autarcas eleitos no final de 2017 — e não o Governo — a escolher os próximos responsáveis das

CCDR e serão estes que participarão na definição das prioridades de desenvolvimento para o ciclo 2020-2028.

Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, quatro décadas depois das primeiras eleições autárquicas é chegado

o momento de dar plena concretização ao artigo 6.º da Constituição da República Portuguesa, que define

Portugal como um Estado unitário baseado no respeito pela autonomia do poder local, pelo princípio da

subsidiariedade e pela descentralização democrática da Administração Pública.

O Sr. Presidente: — Peço-lhe que conclua, Sr. Primeiro-Ministro.

O Sr. Primeiro-Ministro: — Estou no último parágrafo, Sr. Presidente.

A transferência de competências e meios do Estado para os órgãos mais próximos das pessoas reforçará

não só a participação democrática e a transparência como também o desenvolvimento económico e social, a

unidade social e os laços de solidariedade entre os portugueses.

Com mais descentralização, fica a ganhar o País e fica a ganhar a nossa democracia.

Aplausos do PS.

Páginas Relacionadas
Página 0003:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 3 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Sr. Primeiro-Mi
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 27 4 Reunimos, pois, as condições para concretizar a
Pág.Página 4
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 27 6 O Sr. Presidente: — Para formular perguntas, te
Pág.Página 6
Página 0007:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 7 ao processo de recapitalização; pelo contrário, só ouvimos
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 27 8 Agora, convém não confundir o que é acessório d
Pág.Página 8
Página 0009:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 9 O Sr. Primeiro-Ministro: — Creio que o Sr. Deputado sabe be
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 27 10 O Sr. Pedro Passos Coelho (PSD): — Sr.
Pág.Página 10
Página 0011:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 11 O Sr. Pedro Passos Coelho (PSD): — Sr. Presidente, Sr. Pri
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 27 12 O Sr. Presidente: — Tem de concluir, Sr
Pág.Página 12
Página 0013:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 13 A Sr.ª Catarina Martins (BE): — Sr. Presidente, Sr. Primei
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 27 14 A Sr.ª Catarina Martins (BE): — Há, neste País
Pág.Página 14
Página 0015:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 15 sobretudo, não se pode transformar no sacrifício de vidas
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 27 16 inaceitáveis, também estamos na Comissão de In
Pág.Página 16
Página 0017:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 17 É por isso que a Caixa manterá, no seu plano de reestrutur
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 27 18 O Sr. Primeiro-Ministro: — Sr. Presiden
Pág.Página 18
Página 0019:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 19 lhes disse algo que não era capaz de cumprir e não consegu
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 27 20 O Sr. Presidente: — Tem a palavra a Sr.
Pág.Página 20
Página 0021:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 21 A Sr.ª Assunção Cristas (CDS-PP): — Sr. Presidente,
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 27 22 O Sr. Presidente: — Tem a palavra, de novo, a
Pág.Página 22
Página 0023:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 23 O Sr. Primeiro-Ministro: — Se assegurarmos a estabi
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 27 24 O Sr. Presidente: — Para responder, tem
Pág.Página 24
Página 0025:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 25 lá tem 4,9 mil milhões de euros, e com a transferência do
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 27 26 recentes confirmam a opinião de que há muito t
Pág.Página 26
Página 0027:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 27 O Sr. Presidente: — Peço-lhe que conclua, Sr. Primeiro-Min
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 27 28 Na minha visita de trabalho ao novo Presidente
Pág.Página 28
Página 0029:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 29 O Sr. Primeiro-Ministro: — Portanto, se queremos ter um ba
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 27 30 Aplausos do PS. Em primei
Pág.Página 30
Página 0031:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 31 Depósitos? Que nunca colocou na agenda o comprometimento d
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 27 32 também foi ignorada durante os últimos quatro
Pág.Página 32
Página 0033:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 33 Como é que foi possível, ao longo de todos aqueles anos, t
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 27 34 sistema financeiro e entrar em 2017 com confia
Pág.Página 34
Página 0035:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 35 buscam na União Europeia a proteção internacional a que tê
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 27 36 que saúda o compromisso do Governo português p
Pág.Página 36
Página 0037:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 37 também à dívida italiana — e, portanto, é precisamente nes
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 27 38 Ministro italiano, Matteo Renzi, foi apresenta
Pág.Página 38
Página 0039:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 39 Neste Conselho, temos o tema das migrações, um tema muito,
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 27 40 Outra questão: à margem do Conselho vão reunir
Pág.Página 40
Página 0041:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 41 Por isso, em Portugal, temos o dever de dizer que renegoci
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 27 42 qualidade da iniciativa, da qualidade de vida
Pág.Página 42
Página 0043:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 43 Em segundo lugar, relativamente a duas questões colocadas
Pág.Página 43
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 27 44 com bom senso, o que, porventura, falta a outr
Pág.Página 44
Página 0045:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 45 O Sr. Presidente: — Obrigado, Sr. Primeiro-Ministro
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 27 46 bom andamento dos trabalhos, diligencie junto
Pág.Página 46
Página 0047:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 47 O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Presidente da 1.ª
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 27 48 O Sr. Presidente: — Os grupos parlamentares as
Pág.Página 48
Página 0049:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 49 O processo de fabrico do barro preto de Bisalhães havia já
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 27 50 e independente às pessoas com deficiência — um
Pág.Página 50
Página 0051:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 51 Srs. Deputados, o projeto de lei baixa à 1.ª Comissão.
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 27 52 Votamos, agora, o terceiro ponto do projeto de
Pág.Página 52
Página 0053:
9 DE DEZEMBRO DE 2016 53 Votamos o projeto de resolução n.º 348/XIII (1.ª) — Recome
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 27 54 (1.ª) — Apresentada pela Associação Projeto Ar
Pág.Página 54