O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 62

44

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, a questão que o Sr. Deputado Telmo Correia levantou já tinha sido

discutida na Mesa. Realmente, teremos de ver em Conferência de Líderes quais são as regras para que isto

faça algum sentido, porque estarmos uns a falar de uns assuntos e outros a falar de outros assuntos…

Aproveito para dizer que foi apresentado um voto de congratulação pelos resultados obtidos não só pela

nossa atleta Patrícia Mamona, mas também por outro grande português, Nelson Évora.

Para intervir, tem a palavra o Sr. Deputado João Oliveira, do Grupo Parlamentar do PCP.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Com muita seriedade, queria dizer que

devemos aproveitar a mea culpa que o CDS aqui fez relativamente aos votos e à respetiva discussão,…

O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — Não apresentámos nenhum!

O Sr. João Oliveira (PCP): — … porque julgo que o tempo que o Sr. Deputado Telmo Correia despendeu,

na sua intervenção, a fazer considerações relativamente a esta questão justificam a seriedade e o empenho que

o CDS coloca nesta questão e que não devemos desperdiçar a oportunidade para discutir as condições em que

os votos são apreciados e apresentados.

Relativamente aos votos apresentados hoje, queria dar conta dos dois votos apresentados pelo PCP.

Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, apresentámos um primeiro voto de comemoração pelos 10 anos sobre

a aprovação da despenalização da interrupção voluntária da gravidez.

No passado dia 8 de março, passaram 10 anos sobre a aprovação pela Assembleia da República da lei que

despenalizou a interrupção voluntária da gravidez, pondo fim a uma prolongada situação de injustiça e de

dramática penalização da saúde sexual e reprodutiva que atingiu sucessivas gerações de mulheres, que foram

forçadas a recorrer ao flagelo do aborto clandestino.

Passaram 10 anos sem que se tenha repetido a humilhação dos julgamentos e das condenações das

mulheres que eram, então, obrigadas a recorrer ao aborto clandestino. Aquilo que verificámos nestes 10 anos

foi a diminuição sucessiva do número de interrupções voluntárias da gravidez e de complicações derivadas dos

abortos clandestinos com a possibilidade de as mulheres decidirem em consciência e de recorrerem ao Serviço

Nacional de Saúde em condições de segurança.

São 10 anos que confirmam que foi justa e acertada a decisão de reforçar os direitos sexuais e reprodutivos,

o acesso ao planeamento familiar, a garantia da educação sexual em todas as escolas, o acompanhamento

adequado da gravidez e pós-parto, devendo o Serviço Nacional de Saúde e a escola pública assumirem as

responsabilidades acrescidas nesta matéria.

Considerando a importância desta efeméride, apresentámos este voto com a esperança de que a Assembleia

da República reconheça a importância desta decisão de despenalizar a interrupção voluntária da gravidez, ainda

que já saibamos que não contaremos com os votos favoráveis, pelo menos, da bancada do CDS.

Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, apresentámos um segundo voto relativamente à situação que vivem

24 presos políticos saharauís detidos em Marrocos.

Estes ativistas saharauís foram sujeitos a um julgamento perante um tribunal militar em 2013, tendo sido

sentenciados com penas de 20 anos de prisão a prisão perpétua. Diversas entidades denunciaram a situação

de ilegalidade deste julgamento apelando mesmo à declaração da sua nulidade, apontando a realização num

ambiente de coação, de violação de procedimentos, da ausência de apresentação de provas e o facto de se

tratar de uma condenação de civis ditada por um tribunal militar, tendo vindo o julgamento a ser declarado nulo.

Ora, a verdade é que foi um novo julgamento retomado em dezembro de 2016 e foi suspenso no dia 25 de

janeiro deste ano com a perspetiva de ser retomado no próximo dia 13 de março.

Por isso, apresentámos um voto salientando a luta que o povo saharauí, desde há quatro décadas, vem

desenvolvendo pelo reconhecimento do seu direito à autodeterminação, tal como ele foi reconhecido já pelas

Nações Unidas.

Assim, propomos que a Assembleia da República apele às autoridades marroquinas para que assegurem as

liberdades políticas aos ativistas saharauís, manifestando o seu apoio aos esforços para alcançar uma solução

justa para o Sahara Ocidental, que passará necessariamente pela efetivação do direito à autodeterminação do

povo saharauí, de acordo e no respeito das deliberações pertinentes da ONU, dos princípios da sua Carta e do

direito internacional.

Páginas Relacionadas
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 62 38 O Dia Internacional das Mulheres de 2017 fica
Pág.Página 38
Página 0039:
11 DE MARÇO DE 2017 39 nos envolve e que nos responsabiliza enquanto cidadãos livre
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 62 40 E o que aconteceu na Faculdade de Ciências Soc
Pág.Página 40
Página 0041:
11 DE MARÇO DE 2017 41 Orgulho-me de pertencer ao partido cujo Governo despenalizou
Pág.Página 41
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 62 42 De resto, aproveito para, em relação aos votos
Pág.Página 42
Página 0043:
11 DE MARÇO DE 2017 43 Dito isto, Sr. Presidente, nós escolhemos falar, quase que a
Pág.Página 43
Página 0045:
11 DE MARÇO DE 2017 45 Para terminar, Sr. Presidente, queria apenas deixar um regis
Pág.Página 45
Página 0046:
I SÉRIE — NÚMERO 62 46 Lamentável! Lamentável, Srs. Deputados!
Pág.Página 46
Página 0047:
11 DE MARÇO DE 2017 47 Protestos do PSD e do CDS-PP. O Sr. Telmo Corr
Pág.Página 47
Página 0048:
I SÉRIE — NÚMERO 62 48 O Sr. TelmoCorreia (CDS-PP): — Nessa altura, o
Pág.Página 48
Página 0049:
11 DE MARÇO DE 2017 49 Protestos do PSD e do CDS-PP. Srs. Depu
Pág.Página 49
Página 0050:
I SÉRIE — NÚMERO 62 50 O Sr. CarlosAbreuAmorim (PSD): — É lame
Pág.Página 50
Página 0051:
11 DE MARÇO DE 2017 51 O Sr. Carlos Abreu Amorim (PSD): — Mas… O Sr.
Pág.Página 51
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 62 52 Leitão Amaro, Bruno Coimbra, Fátima Ramos, Joa
Pág.Página 52
Página 0053:
11 DE MARÇO DE 2017 53 arriscando a sua saúde e a sua vida. Para outras mulheres, a
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 62 54 A Sr.ª Joana Barata Lopes (PSD): — Sr. Preside
Pág.Página 54
Página 0055:
11 DE MARÇO DE 2017 55 Submetido à votação, foi aprovado, com votos a favor
Pág.Página 55
Página 0056:
I SÉRIE — NÚMERO 62 56 Passados 106 anos, o saber e a qualificação da
Pág.Página 56
Página 0057:
11 DE MARÇO DE 2017 57 O Sr. Presidente: — Para que efeito, Sr.ª Deputada? <
Pág.Página 57
Página 0058:
I SÉRIE — NÚMERO 62 58 O Sr. Presidente: — Sim, Sr.ª Deputada, mas eu
Pág.Página 58
Página 0059:
11 DE MARÇO DE 2017 59 dentro das regras do jogo democrático — se e quando abdicarm
Pág.Página 59
Página 0060:
I SÉRIE — NÚMERO 62 60 Uma conferência pública deve ser um ato não-vi
Pág.Página 60
Página 0061:
11 DE MARÇO DE 2017 61 ideias, como é a universidade, condenando, assim, os acontec
Pág.Página 61
Página 0062:
I SÉRIE — NÚMERO 62 62 Recordando que, nos termos da Constituição da
Pág.Página 62
Página 0073:
11 DE MARÇO DE 2017 73 ——— Declarações de voto enviadas
Pág.Página 73
Página 0074:
I SÉRIE — NÚMERO 62 74 242/XIII (2.ª), apresentado pelo BE, de saudaç
Pág.Página 74
Página 0075:
11 DE MARÇO DE 2017 75 As Deputadas do PSD, Margarida Balseiro Lopes — Ângel
Pág.Página 75
Página 0076:
I SÉRIE — NÚMERO 62 76 No entanto, a denúncia feita pela Associação d
Pág.Página 76