O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 64

4

Esta lei é a condição para que, de imediato, se possa iniciar esta segunda fase dos trabalhos, mais intensa

ainda, em que é necessário o envolvimento de todos, de autarcas, de representantes de todos os setores

envolvidos, com uma participação fundamental de todas as bancadas representadas na Assembleia da

República.

Não podemos dizer aqui que é necessário adiar mais, que é necessário ponderar sobre a preparação para o

exercício deste quadro de poderes. Ao fim de 40 anos, o tempo da descentralização é agora, é hoje mesmo.

E é por isso que, com um faseamento adequado, com gradualismo, com a participação de todos, com um

compromisso de avaliação das políticas, com a participação dos autarcas, com a intervenção de todos os setores

relevantes para o seu desenvolvimento, com a avaliação pela Assembleia da República, através da comissão

parlamentar competente, através das formas que se entenderem mais adequadas de acompanhamento deste

processo, aquilo que hoje estamos aqui a fazer é dar voz aos anseios de um Estado mais descentralizado, de

uma democracia local aprofundada para uma melhor qualidade de governação pública, para maior transparência

na decisão, para maior escrutínio, mas, sobretudo, para servir melhor os cidadãos e para garantir um melhor

Portugal.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Srs. Deputados, chamo a atenção para que os tempos que estão

distribuídos podem ser orientados pelos Srs. Deputados nos termos que considerarem adequados enquanto

puderem dispor do tempo globalmente atribuído. A mesma coisa vale, naturalmente, para o Governo.

Para fazer perguntas ao Sr. Ministro, estão inscritos cinco Srs. Deputados.

Entretanto, a Mesa foi informada de que o Sr. Ministro irá responder ao primeiro bloco de três perguntas e,

de seguida, às duas últimas perguntas.

Sendo assim, para formular perguntas, tem a palavra o Sr. Deputado Pedro Soares.

O Sr. PedroSoares (BE): — Sr. Presidente, Sr. Ministro Adjunto, a primeira questão que gostaríamos de

colocar é aquilo que nos seus termos entendemos como uma contradição. Somos absolutos defensores do

processo de descentralização e consideramos que, neste desígnio essencial de aproximar os cidadãos da

capacidade de decisão e de fiscalização das várias instâncias do Estado, teria sido importante que o Governo

tivesse dado seguimento à possibilidade de reversão da agregação de freguesias. O argumento que o Governo

utilizou para não o fazer foi o de que estaríamos muito próximos das eleições autárquicas e que seria necessário

muito trabalho até lá.

Bem, mas nós estamos aqui hoje a tratar precisamente uma alteração estrutural do modo de funcionamento

das autarquias e das suas competências à beira de eleições e com muito trabalho pela frente.

Sr. Ministro, era muito importante que tivesse havido, de facto, a possibilidade de dar voz às freguesias e

que as freguesias que não se sentissem confortáveis com o processo de agregação pudessem ter decidido uma

nova reformulação dos seus limites territoriais, o que teria sido muito importante e assim seria dado um sinal

fundamental para o aprofundamento da democracia, e isso não foi feito. É preciso que o Governo explique por

que é que não o fez efetivamente.

Este País está claramente atrasado no que diz respeito ao cumprimento da Constituição quanto às questões

da descentralização. Para cumprir a Constituição a este nível é preciso dizer que o processo de descentralização

deve ter como objeto e como destinatário as autarquias locais, que, nos termos constitucionais, são as

freguesias, são os municípios e são também as regiões administrativas.

O que é facto é que não vemos em nenhum diploma do Governo uma única vez a palavra «descentralização»

para as regiões administrativas. Não se vê uma única vez como objetivo, como horizonte a possibilidade de

criação das regiões administrativas. Pelo contrário: o Governo andou enredado numa situação complexa de criar

uma espécie de entidades atípicas, híbridas, que eram as CCDR (Comissões de Coordenação e

Desenvolvimento Regional), que, apesar de serem órgãos desconcentrados do Estado, teriam eleição por parte

das autarquias. De facto, essas comissões não eram nem uma coisa, nem outra, e não cumpriam o desígnio da

Constituição.

Páginas Relacionadas
Página 0002:
I SÉRIE — NÚMERO 64 2 O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Sr.as e Srs.
Pág.Página 2
Página 0003:
17 DE MARÇO DE 2017 3 no respeito pela autonomia local, na afirmação do princípio d
Pág.Página 3
Página 0005:
17 DE MARÇO DE 2017 5 Para nós, esta questão é fundamental. Descentralizar é aprofu
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 64 6 O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Para formular
Pág.Página 6
Página 0007:
17 DE MARÇO DE 2017 7 Não entendemos, igualmente, o que se pretende descentralizar
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 64 8 Também na área da saúde, temos de ir mais além,
Pág.Página 8
Página 0009:
17 DE MARÇO DE 2017 9 Uma terceira questão muito breve: num processo de transferênc
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 64 10 O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Muito bem!
Pág.Página 10
Página 0011:
17 DE MARÇO DE 2017 11 Aplausos do PS. O Sr. Presidente (Jorge Lacão)
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 64 12 permanecendo na esfera das políticas nacionais
Pág.Página 12
Página 0013:
17 DE MARÇO DE 2017 13 Tem a palavra, Sr. Deputado. O Sr. Pedro Soare
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 64 14 O debate sobre a organização administrativa do
Pág.Página 14
Página 0015:
17 DE MARÇO DE 2017 15 Estamos, também, em profundo desacordo com a perspetiva de t
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 64 16 Vota contra, porque, diz, ela conduz à privati
Pág.Página 16
Página 0017:
17 DE MARÇO DE 2017 17 O Sr. João Oliveira (PCP): — Muito bem! A Sr.ª
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 64 18 A Sr.ª Paula Santos (PCP): — … mas temos de ol
Pág.Página 18
Página 0019:
17 DE MARÇO DE 2017 19 Sr.as e Srs. Deputados, conforme já referimos anteriormente,
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 64 20 forma calamitosa; foi ensaiada uma falsa desce
Pág.Página 20
Página 0021:
17 DE MARÇO DE 2017 21 O Sr. André Silva (PAN): — Sr. Presidente, Sr. Ministro, Srs
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 64 22 Por isso, temos de confiar, de forma prudente
Pág.Página 22
Página 0023:
17 DE MARÇO DE 2017 23 Para além disso, há decisões políticas em certos setores, qu
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 64 24 República e que, depois do debate na generalid
Pág.Página 24
Página 0025:
17 DE MARÇO DE 2017 25 Por último, o equilíbrio, pela inabalável e imprescindível s
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 64 26 O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Também para
Pág.Página 26
Página 0027:
17 DE MARÇO DE 2017 27 Aplausos do PS. Sr. Presidente, Sr.as e Srs. D
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 64 28 Vozes do PSD: — É verdade! O Sr.
Pág.Página 28
Página 0029:
17 DE MARÇO DE 2017 29 O Sr. Luís Montenegro (PSD): — É o desafio que daqui lanço,
Pág.Página 29