O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 65

52

realidades imperativas e exemplos reais dos impactos sociais, económicos e ambientais catastróficos do nuclear

e dos custos associados à sua mitigação que ascendem a largos milhares de milhões de euros.

Sabemos que o Governo português não se pode sobrepor à soberania espanhola, mas também sabemos

que a melhor maneira de prever o futuro é criá-lo.

Por isso, o PAN traz aqui, hoje, uma iniciativa que visa a elaboração e a apresentação, pelo Governo, com a

máxima brevidade, de um plano de emergência radiológico capaz de responder, de forma eficaz, a acidentes

nucleares transfronteiriços.

Contamos com o apoio de todas as bancadas e julgamos que aqui se adequa bem a expressão: «É melhor

prevenir do que remediar»!

Aplausos de Deputados do BE.

O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado Álvaro Castello-

Branco.

O Sr. ÁlvaroCastello-Branco (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Estamos aqui, uma vez

mais, a tratar de um importante assunto e que a todos muito preocupa.

A atividade deste Parlamento, em particular a da 11.ª Comissão, tem sido permanente e exaustiva nestas

matérias.

A questão de Almaraz tem estado no centro do discurso político, mas também no das organizações

ambientais portuguesas, espanholas e europeias, no dos autarcas e no da população em geral, nomeadamente

a que se encontra em locais mais próximos da central e não pelos melhores motivos.

Reafirmamos, nesta matéria, que o que pretendemos é que a central de Almaraz não prolongue o seu período

de funcionamento para lá do ano de 2020; vamos continuar a reafirmar este princípio e a exigi-lo aos Governos

português e espanhol.

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

O Sr. Álvaro Castello-Branco (CDS-PP): — Relativamente à questão em concreto que estamos aqui a

debater, o Governo afirmou que o País está preparado para reagir em caso de acidente em Almaraz e que o rio

Tejo não corre perigo, uma vez que, aquando da passagem do rio para território português, as partículas que

existem já não trazem qualquer efeito. Ou seja, o Governo diz que é seguro. Mas, a contrario, já várias entidades

se pronunciaram no sentido inverso, ou seja, afirmando que Portugal não está preparado para a eventualidade

de um acidente nuclear.

Queremos acreditar no que diz o Governo nesta matéria, mas, de facto, acompanhamos as preocupações

que são vertidas nas iniciativas legislativas que hoje aqui debatemos.

Há alguns meses, o Sr. Ministro do Ambiente disse-nos que não havia razões para preocupações com

Almaraz ou com a construção do armazém de resíduos nucleares e que Espanha iria, primeiro, dialogar com

Portugal, mas, passado algum tempo, o Sr. Ministro do Ambiente foi surpreendido com uma decisão unilateral

do Governo espanhol.

A Sr.ª PatríciaFonseca (CDS-PP): — Muito bem!

O Sr. ÁlvaroCastello-Branco (CDS-PP): — Depois, o Sr. Ministro afirmou, perentoriamente, que, caso

Espanha não cumprisse com as normas europeias nessa matéria, se Espanha não procedesse a uma avaliação

transfronteiriça, iria apresentar queixa na instância judicial da União Europeia, o que realmente veio a fazer.

Apresentou a referida queixa, mas rapidamente a retirou, apesar de Espanha afirmar e reafirmar que não tem

qualquer obrigação legal de proceder àquela avaliação transfronteiriça.

Sr.as e Srs. Deputados, o CDS tem muitas dúvidas e muitas preocupações relativamente a esta matéria.

Queremos que esteja devidamente salvaguardada a segurança das populações, pelo que a elaboração de um

plano, que também contemple os vários municípios diretamente envolvidos e as diversas entidades, afigura-se-

nos pertinente e previdente nesta matéria.

Páginas Relacionadas
Página 0043:
18 DE MARÇO DE 2017 43 O Sr. Paulo Trigo Pereira (PS): — Peço a palavra, Sr. Presid
Pág.Página 43