O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 101

30

Protestos do BE.

A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — Foram vocês que reconduziram o Carlos Costa!

O Sr. Presidente (José de Matos Correia): — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado Miguel

Tiago, do PCP.

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Sr. Presidente, Srs. Membros do Governo, Srs. Deputados: Acabámos de ouvir

um Deputado do PSD dizer que é necessário responsabilizar o supervisor, caso tenha havido falhas.

Sr. Deputado, neste caso específico dos lesados, relembro que o supervisor determinou a constituição de

uma provisão de 700 e tal milhões de euros, que seria suficiente para pagar o papel comercial a todos os lesados.

Mas porque o seu Governo andou a mentir e andou a dizer que bastariam 4,9 mil milhões de euros para resolver

o BES — mas, afinal, era preciso muito mais —, o Banco de Portugal foi usar essa provisão para capitalizar o

Banco que não tinha capital necessário e consumiu a provisão que era destas pessoas, ou melhor, que deveria

ter sido para estas pessoas.

A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — Bem lembrado!

O Sr. João Oliveira (PCP): — Exatamente!

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Aí está um grande erro do supervisor, uma grande mentira do seu Governo.

Responsabilizem-se!

Aplausos do PCP.

Responsabilize-se o supervisor e responsabilize-se o Governo do PSD e do CDS, que andou a brincar e a

mentir, a esconder problemas e a permitir que, ao mesmo tempo que se penalizavam estas pessoas que foram

enganadas pelos banqueiros, os banqueiros levassem para fora do País toda a riqueza que tinham roubado às

pessoas.

Aplausos do PCP.

Sr. Deputado Duarte Pacheco, o PCP propôs desde o primeiro momento, relembro-o, que fossem congelados

os bens, o património do Espírito Santo e dos grandes acionistas do BES e do GES. Propôs que fosse

nacionalizada a Espírito Santo Saúde, que fossem identificados os beneficiários das transferências que lesaram

o BES e a ESI. Mas tudo isso mereceu o voto contra do PS, do PSD e do CDS.

A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Essa última falsa é completamente falsa!

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Este problema que temos agora não tem contrapartidas privadas por parte

daqueles que roubaram o dinheiro, precisamente porque esses partidos não quiseram pôr-lhes a mão e

permitiram que elas pudessem andar a ser pulverizadas e deixassem de poder ser nacionalizadas.

Há ainda riqueza, há ainda património, haverá, certamente, contas com muito dinheiro em offshore, porque

este dinheiro não desapareceu; e há o BES Art&Finança, há a Herdade da Comporta, há património imóvel, em

Portugal e no estrangeiro.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Exatamente!

O Sr. Miguel Tiago (PCP): — Nacionalize-se esse património e aí sim, ative-se a garantia necessária para

pagar as despesas que o BES e os seus banqueiros andaram a fazer à custa das pessoas que estão a assistir

ao debate nas galerias e de muitas outras, porque todos os portugueses acabaram por pagar. Os lesados do

Páginas Relacionadas
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 101 34 O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, va
Pág.Página 34
Página 0035:
24 DE JUNHO DE 2017 35 Os anos que precederam a II Guerra Mundial foram de intensa
Pág.Página 35