O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

8 DE JULHO DE 2017

59

Protestos do PCP.

Não há outro discurso possível, Sr. Deputado, senão apelar a ambas as partes para que entrem no caminho

da paz e da democracia.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, eram dois minutos e já ultrapassou 25% do tempo.

O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — Ao colocarem-se dessa forma, ao lado de uma ditadura, os senhores vão

ficar sozinhos.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, tem de terminar.

O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — Olhem para a posição da Organização dos Estados Americanos, olhem

para os estados americanos.

Aplausos do CDS-PP.

Termino Sr. Presidente.

Olhem para o que diz o Secretário-Geral: «quando a voz do povo é calada com armas e violência é porque

já não resta nada da democracia.»

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado Telmo Correia, tem mesmo de terminar. Foi decidido que eram dois

minutos, não podem ser três, senão tinham decidido que eram três.

O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — Quem o diz é o Secretário-Geral da Organização dos Estados

Americanos, que foi Ministro dos Negócios Estrangeiros do Governo de Mujica, não foi de nenhum governo

americano!

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado Telmo Correia, peço-lhe para terminar, porque já ultrapassou largamente

o seu tempo em 50%.

O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — Com a ajuda do PCP, é verdade que ultrapassei.

Peço desculpa, Sr. Presidente. Terminei.

Aplausos do CDS-PP.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Deputado João Oliveira, do Grupo Parlamentar do PCP.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: O PCP sempre expressou a sua

solidariedade para com a comunidade portuguesa residente na Venezuela que tem sido vítima da ação destes

grupos terroristas e sempre denunciou, na Assembleia da República, aquilo que têm sido as gravíssimas

consequências, para a Venezuela e o seu povo, da ação desses grupos terroristas.

Sr.as e Srs. Deputados, o que este Parlamento não merece e tem de rejeitar é a expressão de solidariedade

com o terrorismo que resulta de intervenções como a que acabou de fazer o Sr. Deputado Telmo Correia.

Aplausos do PCP.

De facto, a Venezuela e o seu povo têm vindo a ser vítimas da ação de grupos terroristas e golpistas que

são responsáveis pela agressão e o assassinato de cidadãos, pelo ataque a órgãos de soberania — como

aqueles que aconteceram nas últimas semanas —, a instituições e serviços públicos, pela destruição e pilhagem

de património público e privado, tal como têm sido responsáveis por ações de provocação, como aquela que

aconteceu com a ocupação do Parlamento,…

Páginas Relacionadas
Página 0066:
I SÉRIE — NÚMERO 107 66 O Sr. Presidente: — Vamos agora passar
Pág.Página 66