O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 22

38

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Passamos ao voto n.º 437/XIII (3.ª) — De pesar pelo falecimento de Joaquim Manuel Cabrita Neto,

apresentado pelo PSD e subscrito por Deputados do PS.

Peço ao Sr. Secretário Duarte Pacheco o favor de proceder à respetiva leitura.

O Sr. Secretário (Duarte Pacheco): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, o voto é do seguinte teor:

«Faleceu Joaquim Manuel Cabrita Neto. Nascido a 22 de setembro de 1940, na Guia, concelho de Albufeira,

Cabrita Neto foi uma figura cimeira do Algarve no período pós-25 de Abril.

Desempenhou, com grande zelo, as mais altas funções do Estado e da região. Deputado pelo PSD, eleito

pelo círculo de Faro, em diversas legislaturas, entre 1982 e 1999, Governador Civil de Faro, entre 1985 e 1995,

Presidente da Comissão de Turismo do Algarve, Cabrita Neto era, sobretudo, conhecido pelo seu inabalável

compromisso e defesa competente da sua região.

Homem cívica e politicamente empenhado, fiel às suas convicções, deixou particular e duradoura marca na

sua passagem como Governador Civil, ocasião em que foi muitas vezes ‘simpaticamente denominado como o

Senhor Algarve’, pois imprimia a essa função a sua arreigada defesa da região. Um realizador por excelência,

que muito queria e muito fez.

A sua labuta foi reconhecida em 2010, ano em que recebeu o título de Comendador da Ordem de Mérito.

A Assembleia da República presta a sua homenagem a esta figura insigne e dirige as suas condolências aos

familiares de Joaquim Manuel Cabrita Neto.».

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, vamos votar o voto.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Segue-se o voto n.º 438/XIII (3.ª) — De pesar pelo falecimento de José António Silva, apresentado pelo PSD

e subscrito por Deputados do PS.

Peço, uma vez mais, ao Sr. Secretário Duarte Pacheco o favor de proceder à respetiva leitura.

O Sr. Secretário (Duarte Pacheco): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, o voto é do seguinte teor:

«No passado dia 22 de novembro, faleceu, aos 60 anos de idade, José António Silva.

Destacou-se como empresário do comércio e dirigente associativo e era por todos reconhecido pelas suas

excecionais qualidades humanas.

Foi presidente da CCP — Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, entre 2004 e 2010, e

desempenhou o cargo de presidente da Assembleia Geral da ACRAL — Associação do Comércio e Serviços da

Região do Algarve, entre 2002 e 2009.

Entre os anos de 2002 e 2012, ocupou a Presidência do Conselho Fiscal do NERA — Associação Empresarial

da Região do Algarve.

Presidiu ao Grupo Alicoop — Cooperativa de Retalhistas do Algarve e foi um firme defensor do comércio de

proximidade, pela sua importância na dinâmica económica e na vida das comunidades.

O seu envolvimento no associativismo levou-o também a exercer as funções de presidente da Assembleia

Geral do Silves Futebol Clube, entre os anos de 1998 e 2007.

Integrou a Comissão de Honra de Cavaco Silva, de quem foi mandatário pelo distrito de Faro nas eleições

presidenciais de 2006.

Um dos projetos que impulsionou foi o Museu da Cortiça, em Silves, no complexo da Fábrica do Inglês, hoje

encerrado, mas que foi distinguido em 2001, pelo Fórum Museológico Europeu, com o Prémio Micheletti, para

Melhor Museu Industrial da Europa, e que chegou a receber 100 000 visitantes por ano.

Reunida em sessão plenária, a Assembleia da República manifesta à família de José António Silva o seu

mais sentido pesar.».

O Sr. Presidente: — Srs. Deputados, vamos votar o voto.

Páginas Relacionadas
Página 0042:
I SÉRIE — NÚMERO 22 42 Srs. Deputados, na sequência dos votos de pesa
Pág.Página 42
Página 0043:
30 DE NOVEMBRO DE 2017 43 A demora neste processo reflete os protestos de organizaç
Pág.Página 43
Página 0052:
I SÉRIE — NÚMERO 22 52 Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos
Pág.Página 52
Página 0053:
30 DE NOVEMBRO DE 2017 53 Por essa razão, não se compreende a votação de Portugal n
Pág.Página 53