O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

15 DE DEZEMBRO DE 2017

21

A violência no namoro corresponde a uma ameaça ou à prática de um ato de violência, pontual ou contínua,

cometida por um ou por ambos os parceiros numa relação de namoro, com o objetivo de controlar, dominar e

ter mais poder do que a outra pessoa envolvida na relação. Pode ser físico, sexual, verbal, psicológico e social,

representando um fenómeno transversal a todos os grupos etários, económicos, sociais e raciais, com impactos

destrutivos sobre as vítimas.

Este fenómeno desemboca em impactos extremamente destrutivos sobre as vítimas, independentemente do

tipo de violência exercido. Deparamo-nos ainda amiúde, de forma perversa, com uma verdadeira banalização e

romantização de alguns atos violentos.

De acordo com o Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses, foram sinalizados 767 casos de

violência no namoro no ano passado, o que representa um crescimento de quase 10% em relação aos 699

casos de 2015 e um aumento na ordem dos 60% quando comparados com as 484 vítimas de 2014, enquanto a

PSP registou 1787 casos em 2016.

A alteração legislativa promovida em 2013 no Código Penal passou a incluir as relações de namoro no quadro

legal referente à violência doméstica, alargando-se o respetivo âmbito subjetivo como resposta ao crescente

número de casos de stalking em que um ex-namorado, não se conformando com o final da relação, assume

comportamentos agressivos e perturbadores da paz do ex-parceiro.

Não obstante o mérito da alteração legislativa abordada, consideramos que criou uma desconformidade ao

não ter introduzido, de igual forma, as relações de namoro no quadro legal relativo ao homicídio qualificado,

desvirtuando a uniformização do leque de vítimas implementada em 2007, onde o homicídio qualificado e

violência doméstica apresentavam catálogos coincidentes.

Face ao exposto, o PAN considera que se afigura como prioritário suprir esta lacuna, fazendo coincidir os

catálogos de vítimas relativos aos crimes de homicídio qualificado e de violência doméstica por via da inclusão

das relações de namoro no tipo legal de crime de homicídio qualificado.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra a Sr.ª Deputada Ana Rita Bessa, do Grupo Parlamentar do CDS-PP.

A Sr.ª Ana Rita Bessa (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Os projetos hoje aqui

apresentados pelo PSD, pelo PAN, pelo Bloco e, concretamente, pelo CDS reúnem, pelo menos entre estes

grupos, um consenso. E é assim por duas ordens de fatores: em primeiro lugar, porque os factos comprovam

que a violência no namoro é, infelizmente, uma realidade crescente e crescentemente preocupante em Portugal.

A violência física e verbal entre casais de namorados adolescentes está a aumentar, segundo uma equipa

de investigadores da Universidade de Coimbra. Estes investigadores ouviram relatos pessoais de violência

verbal, física, psicológica, relacional e sexual de jovens entre os 13 e os 19 anos, que estavam a viver ou tinham

terminado uma relação já marcada por violência.

Muitas vezes, alguns dos jovens estavam a viver a sua primeira relação amorosa e já eram vítimas ou

agressores, naquilo que são experiências precoces de violência, algumas já vivenciadas em casa dos pais, num

efeito geracional que é difícil de contrariar.

Também o número de vítimas sinalizadas pelo Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses

aumentou cerca de 60% entre 2014 e 2016, revelando esta preocupante tendência crescente. Algumas das

pessoas vistas pelos médicos deste Instituto acabavam por regressar em situações de reincidência. A maior

parte dos casos de violência física no namoro reportada refere-se a agressões, mas surgem casos em que as

pessoas foram ameaçadas com facas ou outras armas que põem em perigo a vida das vítimas, pelo que não é

de todo, deslocada a possibilidade de homicídio em relações de namoro pouco saudáveis.

Mas há uma segunda ordem de fatores que justificam hoje estas iniciativas: como já foi dito, existe no atual

ordenamento jurídico uma diferenciação que, a nosso ver, não faz sentido.

O reconhecimento da relevância social do fenómeno da violência no namoro justificou, através da Lei n.º

19/2013, de 21 de fevereiro, a equiparação, para efeitos da prática do crime de violência doméstica, das relações

de namoro às relações conjugais. No entanto, não existe, a mesma equiparação quando esteja em causa a

prática de um crime de homicídio.

No entendimento do CDS-PP, justifica-se a equiparação nesta situação, propondo-se, para tal, um

aditamento ao artigo 132.º do Código Penal no sentido da qualificação do homicídio no contexto de uma relação

de namoro, impondo uma pena agravada.

Páginas Relacionadas
Página 0027:
15 DE DEZEMBRO DE 2017 27 O Sr. Carlos Peixoto (PSD): — O Partido Social Dem
Pág.Página 27