O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 41

32

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Estes peticionários não têm culpa de que tenha sido o Partido

Socialista a fechar a urgência do hospital de Espinho, e tenham, por isso, um tratamento de segunda, por parte

daqueles que apoiam hoje o Partido Socialista e que, envergonhadamente, defendem a sua causa.

Protestos da Deputada do PS Marisabel Moutela.

Do nosso ponto de vista, a posição é a mesma, tanto na altura, quando encerrou, quando tivemos

responsabilidade governativa, como agora.

Os utentes de Espinho têm uma resposta adequada, neste momento? Não têm. Não têm! É preciso dizê-lo:

não têm! E não têm porquê?

Protestos dos Deputados do PS António Sales e Marisabel Moutela.

Não têm, desde logo, porque, ao contrário do que dizem os Srs. Deputados do Partido Socialista, aquilo que

foi assumido na altura em que encerrou a urgência não foi cumprido. Não foi cumprido e foram os senhores…

O Sr. António Sales (PS): — E o que é que vocês fizeram?

O Sr. João Paulo Correia (PS): — Enquanto estiveram no Governo, não fizeram nada!

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Não digam que foi no Governo anterior, porque eu vou acabar

de falar, Srs. Deputados.

Foi já neste Governo que os senhores até a solução de emergência médica, assegurada pelo INEM, quiseram

pôr em causa.

Protestos do PS.

Os senhores não só fecharam a urgência como queriam destruir a solução de emergência, que é fraca mas

que existe e que, apesar de tudo, os senhores quiseram pôr em causa.

Protestos do PS.

O Sr. Presidente: — O Sr. Deputado já ultrapassou o seu tempo, tem de concluir.

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Vou terminar, Sr. Presidente.

Por isso, conscientemente, o que todos temos de fazer neste Parlamento é pensar: é possível uma solução

de urgência? Sim ou não? Não sendo possível a solução de urgência, é possível uma solução de SAP, que

resolva o problema, pelo menos parcialmente? É possível, em termos de mobilidade, fazer com que o recurso

temporário ao hospital de Gaia seja feito em melhores condições?

O Sr. João Paulo Correia (PS): — Você não conhece o terreno!

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — Ou estamos disponíveis para este debate conscientemente…

O Sr. Presidente: — Tem mesmo de concluir, Sr. Deputado.

O Sr. João Pinho de Almeida (CDS-PP): — … ou, então, prestamos um mau serviço a uma população que

merece o mesmo respeito que qualquer outra. O Partido Socialista, por omissão,…

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, faça favor de terminar.

Páginas Relacionadas
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 41 36 O Sr. Fernando Rocha Andrade (PS): — Peço a pa
Pág.Página 36