O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

23 DE FEVEREIRO DE 2018

61

A próxima reunião plenária realiza-se amanhã, às 10 horas, tendo como ordem do dia um debate com o

Ministro da Saúde, ao abrigo do artigo 225.º do Regimento.

Está encerrada a sessão.

Eram 18 horas e 55 minutos.

———

Declarações de voto entregues à Mesa para publicação

Relativa ao voto n.º 487/XIII (3.ª):

O PCP é solidário com os homens, as mulheres e as crianças vítimas da guerra de agressão contra a

República Árabe Síria, exigindo o fim da hedionda agressão que está na origem da morte, destruição e

sofrimento que têm sido impostos desde há sete anos àquele país.

Por isso rejeitamos a propaganda que visa branquear a agressão e os seus responsáveis, assim como os

reais objetivos de quem a faz, defende ou promove.

A questão que verdadeiramente está colocada é a de saber quem está do lado da paz, da defesa da

soberania dos Estados e da solução política e pacífica dos conflitos, da defesa dos direitos; e quem,

reproduzindo a propaganda de guerra, se coloca do lado das agressões, do desrespeito da Carta das Nações

Unidas e da legalidade internacional, da destruição de Estados soberanos, da ingerência, da morte e da

destruição.

Depois de terem criado, financiado e armado o Daesh, dividido o Iraque e promovido a guerra na Síria, os

Estados Unidos da América e os seus aliados — em especial, Israel, Turquia e França — procuram superar a

derrota infligida aos seus grupos terroristas e retomar, agora pelas suas próprias mãos, o objetivo da divisão da

Síria — tal como fizeram no Iraque e na Líbia.

Apoiam-se, uma vez mais, numa gigantesca operação mediática que reproduz a propaganda de guerra para

dar suporte aos seus objetivos.

Títulos e textos de notícias exatamente iguais em todo o mundo. Reportagens e imagens chocantes

interpretadas com as mesmas legendas e comentários. Um dito «observatório» sediado em Londres a ser

utilizado como «fonte inquestionável» sobre a situação na Síria.

Tudo a acontecer hoje como aconteceu com as inventadas armas de destruição massiva do Iraque ou na

preparação para a agressão à Líbia.

O BE opta por cavalgar a onda mediática e reproduz toda a propaganda de guerra dos Estados Unidos e dos

seus aliados, apresentando um voto que poderia ter sido subscrito pelo próprio Donald Trump.

Não estranha que o façam depois de terem branqueado e apoiado objetivamente a agressão à Líbia, com

todo o seu rol de morte, sofrimento e destruição.

O voto do BE esconde por completo o facto de grupos terroristas, como o Jabhat al-Nusra, terem recusado

terminantemente a possibilidade da sua saída pacífica da região de Ghouta e continuarem a bombardear zonas

residenciais de Damasco.

O voto do BE esconde que os sucessivos apelos à deposição das armas e as tentativas de iniciar

negociações de paz nos subúrbios de Damasco têm esbarrado na recusa por parte dos grupos terroristas, que

insistem em prosseguir a sua ação de morte e destruição, mantendo como refém a população.

O voto do BE esconde que os contínuos esforços de prestar ajuda humanitária e de socorrer as populações

têm vindo a ser constante e premeditadamente boicotados pela ação dos grupos terroristas.

O voto do BE esconde por completo a ação que os Estados Unidos e os seus aliados têm vindo a desenvolver

no sentido de dar cobertura a grupos terroristas como o Daesh e o Jabhat al-Nusra, nomeadamente permitindo

que continuem a sua ação terrorista a coberto de um regime de cessar-fogo imposto apenas às forças militares

que os combatem.

O voto do BE esconde por completo a tentativa dos Estados Unidos e seus aliados de condicionar e impedir

— por diversas formas, incluindo através de uma nova escalada militar — o desenvolvimento do processo de

negociações, tentando assim entravar a solução pacífica para o conflito que promovem há já sete anos e que

pretendem manter.

Páginas Relacionadas
Página 0062:
I SÉRIE — NÚMERO 51 62 A opção que o PCP faz é exatamente a oposta. <
Pág.Página 62
Página 0063:
23 DE FEVEREIRO DE 2018 63 Revemo-nos em muitos dos considerandos do projeto
Pág.Página 63