O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 86

24

O Sr. João Galamba (PS): — … porque é um banco que quiseram privatizar no passado, que não quiseram

recapitalizar quando tiveram dinheiro para isso quando estavam no governo e que agora querem atacar e

destruir.

Aplausos do PS.

Portanto, repito, Sr. Deputado: se é verdadeiramente de transparência que falamos, o Partido Socialista

votará a favor dos projetos do CDS, do Bloco de Esquerda e do PCP, porque são os únicos projetos que se

preocupam verdadeiramente com a transparência e que pretendem dar um tratamento igualitário entre todos os

bancos, ao contrário do PSD, que, na norma transitória do seu projeto, exclui deliberadamente o BPI e o BCP.

Vozes do PS: — Pois é!

O Sr. Jorge Duarte Costa (BE): — É o frete! Isso é o frete!

O Sr. João Galamba (PS): — E não faz só isso! O Sr. Deputado encheu aqui o peito de BES. Mas sabe qual

é o banco que não está incluído no vosso projeto de lei e cujos créditos este Parlamento não poderia saber? É

exatamente o BES, Sr. Deputado, porque nunca foi intervencionado nem ajudado pelo Estado, o que, aliás, teve

o encobrimento do seu Governo.

A Sr.ª Inês Domingos (PSD): — E a Comissão de Inquérito?!

O Sr. João Galamba (PS): — Quem foi ajudado pelo Governo foi o Novo Banco e, portanto, se o projeto de

lei do PSD fosse aprovado, não só estaríamos a atacar a Caixa e a violar o princípio de igualdade entre todos

os bancos como também estaríamos a salvaguardar o BES, que não seria abrangido pelo projeto do PSD.

Nenhum crédito do BES poderia ser conhecido porque o BES não teve qualquer ajuda pública, quem teve foi o

Novo Banco.

O Sr. Fernando Rocha Andrade (PS): — Exatamente!

O Sr. João Galamba (PS): — Não sei se isso é uma lacuna, se é intencional, mas o que os Srs. Deputados

querem verdadeiramente, o vosso único objetivo, patente em todas as declarações que fazem sobre o banco

público desde 2011, quer na oposição, quer no governo, quer agora, outra vez na oposição, é só um: atacar e

degradar a Caixa e proteger os bancos privados, ao ponto de até terem salvaguardado todos os principais

bancos privados do País no vosso projeto de lei, que não os abrange.

Sr. Deputado, transparência sim, mas não contem com o Partido Socialista para atacar o banco público, o

ativo de todos nós.

A Sr.ª Inês Domingos (PSD): — Isso não é verdade!

O Sr. João Galamba (PS): — Isso não é feito nem pelo CDS nem pelo PCP nem pelo Bloco, cujos projetos

votaremos favoravelmente, é feito por um único partido, o PSD, e para isso não contará com o nosso voto

favorável.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: — Para responder, tem a palavra o Sr. Deputado Leitão Amaro.

O Sr. António Leitão Amaro (PSD): — Sr. Presidente, Sr. Deputado João Galamba, agradeço as suas

questões.

O Sr. Deputado começou por fazer uma série de referências a investigações judiciais, mas eu, na tribuna,

não falei de investigações judiciais, falei de responsabilização política. E é estranho ver como o Sr. Deputado

Páginas Relacionadas
Página 0017:
18 DE MAIO DE 2018 17 seja, efetivamente, daqueles incumprimentos que tenham sido m
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 86 18 Aplausos do PSD Srs. Deput
Pág.Página 18
Página 0019:
18 DE MAIO DE 2018 19 A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — E o Ricardo Salgado? <
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 86 20 O Sr. João Galamba (PS): — Não, isso não é ver
Pág.Página 20
Página 0021:
18 DE MAIO DE 2018 21 A Sr.ª Mariana Mortágua (BE): — Muito bem! O Sr
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 86 22 A Sr.ª Inês Domingos (PSD): — É isso me
Pág.Página 22
Página 0025:
18 DE MAIO DE 2018 25 insiste em reclamar, ou afirmar, orgulho por uma governação q
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 86 26 O Sr. João Galamba (PS): — O BES não ca
Pág.Página 26
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 86 30 Aplausos do PS. O Sr. Presidente:
Pág.Página 30