O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

7 DE JULHO DE 2018

17

A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Sr. Presidente, Srs. Membros do Governo, Sr.as e Srs. Deputados: As

propostas que hoje o CDS apresenta começaram a ser estudadas há um ano. Há um ano que persistimos em

propostas para valorizar o interior.

Neste debate e nesta manhã, assistimos a várias cenas de ciúmes entre a geringonça e o bloco central, mas

essas escuso-me de comentar.

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Muito bem!

Protestos do Deputado do BE Jorge Costa e da Deputada de Os Verdes Heloísa Apolónia.

A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — O CDS está mais preocupado em discutir as suas propostas do que

em discutir, exatamente, com quem é que o PS se une.

Nesse sentido, e em relação às nossas propostas, gostava de dizer que registo a atitude de abertura do

Governo e aproveito, até, para responder, porque me questionou, acerca das diferenças face ao passado. É que

agora não falamos apenas de incentivos para as empresas, falamos de um conjunto de incentivos que são para

as empresas, que são para o investimento, mas são também para as pessoas e, se me tivessem ouvido quando

falei da tribuna, ficou claro e foi explícito que estamos a falar numa baixa de IRS. Aquilo que propomos é para

metade e, sim, esta medida tem um impacto financeiro que é grande e, portanto, estamos abertos à sua

aplicação gradual, e, também, à dedução em IRS dos custos com portagens e com combustíveis.

A estas propostas, que são concretas e que são também, eu diria, extraordinariamente necessárias e

urgentes, tivemos aqui várias respostas. Desde um discurso responsável de abertura, tivemos o costume, que

é um discurso sobre o passado, sempre com muito cuidado para não se falar do passado distante, só se falando

do passado dos últimos anos. E não deixa de ser extraordinário o esforço que não só o que o PS faz mas

também o Bloco, o PCP e o Os Verdes para fingir que o Governo de Sócrates nunca existiu, que o País nunca

esteve em pré-bancarrota e que nada disto, algum dia, aconteceu.

Vozes do CDS-PP: — Muito bem!

Protestos do BE, do PCP e de Os Verdes.

O Sr. Bruno Dias (PCP): — Não ouviu?! A Sr. Deputada estava ao telefone quando nós falámos!

A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — É extraordinário este esforço que fazem, como é também extraordinário

que, no discurso do presente, ninguém pareça responsável! Aparentemente, para muitos dos Srs. Deputados,

todos são responsáveis pelo passado, ninguém é responsável pelo presente.

O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Isso!

O Sr. Pedro do Carmo (PS): — É mau demais! Que hipocrisia!

A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Pelo presente, não responde nem o Governo, nem os partidos que o

apoiam e, portanto, fico deveras surpreendida quando oiço falar em hipocrisia política. Acho que hipocrisia

política é os partidos que apoiam o Governo virem acusar a oposição de ser responsável pelo atual estado de

coisas depois de andarem a apoiar o Governo há três anos. Isso é que é, realmente, extraordinário!

Aplausos do CDS-PP.

Isso é que é um verdadeiro exercício de hipocrisia política.

Srs. Deputados, assumam responsabilidades! Quando os senhores negoceiam apoios aos orçamentos,

negoceiam também as escolhas políticas que lá se fazem,…

Protestos da Deputada de Os Verdes Heloísa Apolónia.

Páginas Relacionadas
Página 0023:
7 DE JULHO DE 2018 23 O Sr. António Carlos Monteiro (CDS-PP): — Sim! É aquela legis
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 104 24 O Sr. Adão Silva (PSD): — Veja: encontrões na
Pág.Página 24