O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

7 DE DEZEMBRO DE 2018

25

Considerações políticas à parte, houve, sem dúvida, uma mudança drástica, um revés com grandes lapsos

temporais. Agora, há vidas em suspenso. E a verdade é que, desde a publicação deste acórdão, já passaram

225 dias.

Cabe-nos a nós, nesta Assembleia da República, procurar clarificar todos os pontos que estão em dúvida

depois desta decisão. Há embriões em risco de destruição, há processos interrompidos. As pessoas estão

perdidas. Há famílias à espera e direitos humanos alienados.

O Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida (CNPMA) manifestou enorme preocupação no

que se refere à problemática do anonimato, questionando: qual o destino a dar aos gâmetas e aos embriões

criopreservados produzidos com recurso a dadores em regime de anonimato? Como se fará a compatibilização

do direito das pessoas nascidas com recurso a gâmetas ou embriões doados, em regime de anonimato, com o

direito dos dadores à manutenção do sigilo quanto à sua identidade civil legalmente consagrado à data da

doação?

Face a este plano de elevada incerteza jurídica, o PAN considera fundamental estabelecer um regime

conforme à interpretação do Tribunal Constitucional conjugado com um regime transitório que mantém as

premissas no que toca à confidencialidade dos dadores de gâmetas e embriões cuja doação seja anterior ao dia

24 de abril de 2018, data da decisão do Tribunal, e seja utilizada até cinco anos após a regulamentação da lei,

exceto nos casos em que expressamente o permitam, bem como, nos mesmo termos, dos dadores cujas dádivas

já tiverem sido utilizadas até à data de 24 de abril.

A proposta do PAN vai ainda no sentido de as pessoas nascidas em consequência de processos de PMA,

com recurso a dádiva de gâmetas ou embriões, poderem conhecer informações de natureza genética que lhes

digam respeito, mas no que toca à identidade do dador apenas poderem conhecer a sua identificação civil e não

a poderem partilhar com terceiros, exceto no caso de consentimento expresso do mesmo.

Quanto à proposta do Bloco de Esquerda sobre a gestação de substituição, sabemos que é complicado

constar na lei que a pessoa gestante possa revogar o seu consentimento até ao momento de registo da criança

nascida, quando está em causa um ato que sabemos que é altruísta e uma técnica de PMA que existe para

mulheres que não podem engravidar porque não têm útero ou têm lesões muito graves e incapacitantes.

Mas o Tribunal Constitucional não deixou outra hipótese. O Bloco de Esquerda, que saudamos, procurou

harmonizar a lei e garantir a sua constitucionalidade. Acompanharemos, evidentemente, o princípio desta

proposta, tal como acompanhámos a original em 2016.

Sr.as e Srs. Deputados, estamos de mãos atadas, mas temos de agir. A decisão do Tribunal de Constitucional

leva-nos a um caminho que implica soluções de compromisso. Corramos, então, no sentido legislativo que mais

e melhor represente as necessidades e vontades de todas as pessoas envolvidas.

Aplausos de Deputados do PS e do BE.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra, para uma intervenção, a Sr.ª Deputada Heloísa Apolónia.

A Sr.ª Heloísa Apolónia (Os Verdes): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Nós, Os Verdes, que

defendemos a aposta na ciência e que o seu avanço esteja inegavelmente ao serviço dos cidadãos, da

sustentabilidade e da Humanidade, valorizamos naturalmente as técnicas de procriação medicamente assistida

através das quais se disponibilizam tratamentos que permitem uma gravidez desejada e, consequentemente, a

felicidade de muitas famílias.

É por isso, Sr.as e Srs. Deputados, que consideramos que a lei da PMA, de 2006, constituiu um progresso

muito assinalável. Esta lei sofreu algumas alterações, a última das quais produzida em 2016, designadamente

no sentido de alargar o seu âmbito, abrangendo mais mulheres, para além dos casos de infertilidade.

Ocorre, como já foi sobejamente referido neste debate, que o acórdão do Tribunal Constitucional de 2018

declarou inconstitucional a questão do anonimato de dadores de gâmetas, considerando que esse anonimato

punha em causa o direito à identidade pessoal.

Ora, que efeitos práticos resultaram concretamente da decisão do Tribunal Constitucional? Desde logo — e

isso foi denunciado pelo Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida —, em termos práticos,

puseram em causa tratamentos que já tinham sido iniciados. Uma vez que os dadores eram anónimos, esses

tratamentos ficaram suspensos.

Páginas Relacionadas
Página 0003:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 3 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Sr.as e Srs. Fu
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 26 4 possibilidade de acesso à gestação de substitui
Pág.Página 4
Página 0005:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 5 Sabemos que o Tribunal Constitucional não deu razão ao CDS-
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 26 6 Estas alterações legislativas podem não ser as
Pág.Página 6
Página 0007:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 7 No debate que hoje tem lugar são discutidas diversas inicia
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 26 8 Penso que estes cenários não são exatamente os
Pág.Página 8
Página 0009:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 9 Aplausos do BE. O Sr. Presidente: — Para uma
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 26 10 Assim, o Grupo Parlamentar do PSD vem propor a
Pág.Página 10
Página 0011:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 11 Naturalmente, repito, não pode ser ignorado o facto de que
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 26 12 A Sr.ª Isabel Alves Moreira (PS): — Sr. Presid
Pág.Página 12
Página 0013:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 13 O próprio Tribunal Constitucional alertou para a necessida
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 26 14 públicos de PMA, e das enormes e intermináveis
Pág.Página 14
Página 0015:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 15 Sr. Presidente, Srs. Deputados: O PCP está totalmente disp
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 26 16 A Sr.ª Vânia Dias da Silva (CDS-PP): —
Pág.Página 16
Página 0017:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 17 Mas mais incompreensível ainda, Sr.as e Srs. Deputados, é
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 26 18 O Sr. Presidente: — Tem, então, a palavra, em
Pág.Página 18
Página 0019:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 19 Portanto, neste momento, todos os processos estão interrom
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 26 20 Aplausos do BE. O Sr. Presidente:
Pág.Página 20
Página 0021:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 21 A Sr.ª Emília Cerqueira (PSD): — Portanto, tenho esse à-vo
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 26 22 explicou por que é que não concorda com eles —
Pág.Página 22
Página 0023:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 23 Repare, Sr.ª Deputada Vânia Dias da Silva, foi o próprio T
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 26 24 A Sr.ª Vânia Dias da Silva (CDS-PP): — E sabe
Pág.Página 24
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 26 26 Portanto, Sr.as e Srs. Deputados, muita gente
Pág.Página 26
Página 0027:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 27 das famílias, demonstra bem, aqui, aquelas que são a natur
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 26 28 Hoje, o debate visa sobretudo dar cobertura le
Pág.Página 28
Página 0029:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 29 complicada para todos? Quais seriam, no futuro, os casais
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 26 30 venham agora aqui fazer uma palhaçada sobre um
Pág.Página 30
Página 0031:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 31 O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Foi ou não foi co
Pág.Página 31