O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 26

8

Penso que estes cenários não são exatamente os pretendidos pelo legislador, mas gostava de deixar estas

questões para que pudéssemos, em sede de especialidade, aperfeiçoar a lei, pois queremos ultrapassar

rapidamente o impasse que, infelizmente, foi criado com este Acórdão.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: — Para responder, tem a palavra o Sr. Deputado Moisés Ferreira.

O Sr. MoisésFerreira (BE): — Sr. Presidente, Sr.as Deputadas Ângela Guerra e Maria Antónia Almeida

Santos, agradeço as questões colocadas e responderei em conjunto a algumas delas, até porque convergiam

do ponto de vista do conteúdo.

Sr.ª Deputada Ângela Guerra, sobre o anonimato dos dadores, estamos mais de acordo do que em

desacordo. Aliás, creio que a generalidade das iniciativas que são aqui discutidas hoje apontam exatamente no

mesmo sentido, ou seja, apontam para a alteração do regime de confidencialidade daqui para a frente, assim

como disse o Tribunal Constitucional, mas salvaguardando a confidencialidade de quem doou sob esse

pressuposto.

Creio que, na especialidade, conseguiremos chegar a uma redação comum para garantir que as técnicas de

PMA fiquem, novamente, acessíveis a todas as mulheres.

No que diz respeito à gestação de substituição, não consideramos que trazer dois projetos de lei sobre os

dois temas seja confundir os assuntos, porque eles, aliás, foram sempre discutidos em conjunto e a gestação

de substituição, tal como a propomos, é um prolongamento das técnicas de PMA, uma vez que é a aplicação

dessas técnicas a uma pessoa terceira, em situações muito concretas, como a das mulheres que não têm útero

ou que têm uma lesão ou uma doença irreversível e grave que impede a gravidez de forma definitiva.

Portanto, na gestação de substituição também se garante o acesso a técnicas de PMA nestes casos muito

concretos e, por isso, faz sentido que sejam discutidos em conjunto, mesmo com diplomas legais separados.

Não nos parece que isso confunda minimamente a discussão, pelo contrário, traz mais conteúdo à discussão.

Há questões que foram aqui colocadas que são da maior importância e que levantam várias dúvidas,

nomeadamente a da revogabilidade do consentimento da gestante.

Sr.as Deputadas e Srs. Deputados, a primeira proposta do Bloco de Esquerda, que, aliás, foi a que deu origem

à primeira Lei sobre gestação de substituição em Portugal, previa a revogação do consentimento até ao início

dos procedimentos de procriação medicamente assistida, e nós consideramos que esta era a melhor solução.

O problema é que há um Acórdão do Tribunal Constitucional que diz que não pode ser apenas até ao início dos

procedimentos de PMA, que deve ser, pelo menos, até ao momento do nascimento do filho.

Entre termos uma lei que permite efetivamente o acesso à gestação de substituição — apesar de ter alguns

pressupostos com os quais, por princípio, não concordamos — e termos uma letra-morta, ou seja, uma gestação

de substituição a que ninguém pode aceder, preferimos ter uma lei que dá respostas a casos concretos. Mas

não ignoramos que há problemas que se levantam e, por isso, estamos, obviamente, disponíveis para, em sede

de especialidade, dirimir todos esses problemas e chegar a consensos, às melhores práticas legislativas e às

melhores soluções.

O que não queremos é ter aberto uma janela de esperança para algumas mulheres, para alguns casais, que

agora tenha de ser fechada com estrondo, com o argumento de que o acesso à gestação de substituição até

está previsto na lei, mas, afinal, ninguém pode aceder.

Sobre a questão dos 20 dias, e para terminar, Sr. Presidente, queremos dizer que pode haver revogação do

consentimento até ao momento do registo da criança. Ora, segundo o Código do Registo Civil, e nas instituições

de saúde onde já se pode fazer o registo, tal pode ser feito até ao momento da alta clínica, que ocorre, portanto,

em dois ou três dias. Os 20 dias estão previstos para os casos em que não se pode fazer o registo. Esta é uma

variação do que tem sido referido, mas é o que está na nossa proposta.

Não ignoramos dificuldades, mas dificuldades maiores são aquelas por que passam atualmente as pessoas

que necessitam de recorrer à gestação de substituição e não podem, porque, apesar de haver uma lei que diz

que este regime jurídico é legal e constitucional, há determinadas normas que estão suspensas e que impedem

o acesso à gestação de substituição.

Páginas Relacionadas
Página 0003:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 3 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Sr.as e Srs. Fu
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 26 4 possibilidade de acesso à gestação de substitui
Pág.Página 4
Página 0005:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 5 Sabemos que o Tribunal Constitucional não deu razão ao CDS-
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 26 6 Estas alterações legislativas podem não ser as
Pág.Página 6
Página 0007:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 7 No debate que hoje tem lugar são discutidas diversas inicia
Pág.Página 7
Página 0009:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 9 Aplausos do BE. O Sr. Presidente: — Para uma
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 26 10 Assim, o Grupo Parlamentar do PSD vem propor a
Pág.Página 10
Página 0011:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 11 Naturalmente, repito, não pode ser ignorado o facto de que
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 26 12 A Sr.ª Isabel Alves Moreira (PS): — Sr. Presid
Pág.Página 12
Página 0013:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 13 O próprio Tribunal Constitucional alertou para a necessida
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 26 14 públicos de PMA, e das enormes e intermináveis
Pág.Página 14
Página 0015:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 15 Sr. Presidente, Srs. Deputados: O PCP está totalmente disp
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 26 16 A Sr.ª Vânia Dias da Silva (CDS-PP): —
Pág.Página 16
Página 0017:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 17 Mas mais incompreensível ainda, Sr.as e Srs. Deputados, é
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 26 18 O Sr. Presidente: — Tem, então, a palavra, em
Pág.Página 18
Página 0019:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 19 Portanto, neste momento, todos os processos estão interrom
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 26 20 Aplausos do BE. O Sr. Presidente:
Pág.Página 20
Página 0021:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 21 A Sr.ª Emília Cerqueira (PSD): — Portanto, tenho esse à-vo
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 26 22 explicou por que é que não concorda com eles —
Pág.Página 22
Página 0023:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 23 Repare, Sr.ª Deputada Vânia Dias da Silva, foi o próprio T
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 26 24 A Sr.ª Vânia Dias da Silva (CDS-PP): — E sabe
Pág.Página 24
Página 0025:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 25 Considerações políticas à parte, houve, sem dúvida, uma mu
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 26 26 Portanto, Sr.as e Srs. Deputados, muita gente
Pág.Página 26
Página 0027:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 27 das famílias, demonstra bem, aqui, aquelas que são a natur
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 26 28 Hoje, o debate visa sobretudo dar cobertura le
Pág.Página 28
Página 0029:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 29 complicada para todos? Quais seriam, no futuro, os casais
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 26 30 venham agora aqui fazer uma palhaçada sobre um
Pág.Página 30
Página 0031:
7 DE DEZEMBRO DE 2018 31 O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Foi ou não foi co
Pág.Página 31