O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 37

24

Protestos da Deputada do PCP Rita Rato.

… emiti uma opinião no sentido de discordar da propugnada eliminação destes vistos, mas, simultaneamente,

concluí que o processo deveria prosseguir e não deveria ficar sustido. Como todos concordarão, não condicionei

nenhum Deputado nem nenhum grupo parlamentar, que são, obviamente, livres de fazer um juízo diferente do

meu.

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Era o que faltava!

O Sr. Carlos Peixoto (PSD): — Acontece que sou consultor de uma sociedade de advogados que, para além

de muitas outras coisas, trata e dá assessoria jurídica a requerentes destes vistos, mas, como nunca tive

qualquer intervenção em nenhum processo deste género nem sobre esta matéria, não patrocinei ninguém sobre

ela, nunca tive dúvidas nenhumas de que não havia um conflito de interesses que tivesse de ser manifestado.

Ainda assim, pela controvérsia que esta minha opinião gerou, fiz questão de, eu próprio, pedir um parecer à

Subcomissão de Ética sobre o assunto. E a Subcomissão de Ética deu esse parecer, pronunciando-se

decididamente e categoricamente pela inexistência desse conflito.

O Sr. João Oliveira (PCP): — Deu-lhe um «visto gold» para a discussão!

O Sr. Carlos Peixoto (PSD): — Dito isto, vamos ao projeto do Bloco de Esquerda.

Srs. Deputados, em termos práticos, aquilo que o Bloco de Esquerda quer é que Portugal se dê ao luxo de

prescindir de 4,2 mil milhões de euros, que foi aquilo que já rendeu o projeto dos vistos gold,…

O Sr. João Oliveira (PCP): — A quem?!

O Sr. Carlos Peixoto (PSD): — … durante estes últimos seis anos, ou seja, 60 milhões de euros por mês,

ou que o Governo renuncie, que atire pela porta fora 58 milhões de euros de IMT (Imposto Municipal sobre as

Transmissões Onerosas de Imóveis), de imposto de selo e de emolumentos que vai cobrando todos os anos,

valores que, aliás, constam do Orçamento do Estado para 2019, aprovado pelo Bloco de Esquerda, para serem

cobrados.

Portanto, era bom que o Bloco de Esquerda explicasse como é que, por um lado, votam um Orçamento que

inclui estas receitas e, por outro lado, vêm dizer que não querem que estas receitas sejam cobradas.

O Sr. José Manuel Pureza (BE): — Já vai saber!

O Sr. Carlos Peixoto (PSD): — Depois, há postos de trabalho,…

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Quantos?

O Sr. Carlos Peixoto (PSD): — … imensos,…

O Sr. José Luís Ferreira (Os Verdes): — Quantos?

O Sr. Carlos Peixoto (PSD): — … milhares de postos de trabalho…

O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Onde?!

O Sr. Carlos Peixoto (PSD): — … que foram criados, direta e indiretamente, com este programa.

A Sr.ª Joana Mortágua (BE): — Tenha vergonha!

Páginas Relacionadas
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 37 34 Assim, entendemos que este projeto, que o CDS
Pág.Página 34
Página 0035:
11 DE JANEIRO DE 2019 35 O Sr. AntónioFilipe (PCP): — Sr. Presidente, Srs. Deputado
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 37 36 Hoje, vai-se tornando um hábito, Sr. Deputado.
Pág.Página 36
Página 0037:
11 DE JANEIRO DE 2019 37 Por isso, ao fazê-lo, seja no Governo, como foi no passado
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 37 38 Nesse debate, ouvimos falar em más intenções,
Pág.Página 38
Página 0039:
11 DE JANEIRO DE 2019 39 O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — O Sr. Deputado António Fil
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 37 40 O Sr. António Filipe (PCP): — Chamo a atenção
Pág.Página 40