O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 68

18

Ministra, para quando o fim da distribuição de leite achocolatado nas escolas e a promoção de uma alimentação

adequada às crianças?

O Sr. Presidente: — Para terminar a primeira ronda de pedidos de esclarecimento, tem a palavra o Sr.

Deputado Luís Vales, do Grupo Parlamentar do PSD.

O Sr. Luís Vales (PSD): — Sr. Presidente, Srs. Secretários de Estado, Sr.as e Srs. Deputados, Sr.ª Ministra

da Saúde, a interpelação que hoje tem lugar é o balanço de quatro anos de promessas não cumpridas.

Um bom exemplo disso é a área do medicamento, em particular a dos medicamentos genéricos que,

sabemos bem, são um instrumento fundamental para os doentes poderem comprar os remédios de que tanto

necessitam.

Por isso, o anterior Governo do PSD subiu a quota de mercado dos medicamentos genéricos em unidades

de 31% para 47%, um aumento de 16 pontos percentuais que se traduziram numa poupança direta e significativa

para as famílias portuguesas.

Ora bem, em 2016, o atual Governo do Partido Socialista, com o apoio do Partido Comunista Português e do

Bloco de Esquerda, prometeu subir essa quota de mercado dos genéricos em unidades para 60%, no final da

Legislatura — 60%, Sr.ª Ministra!

Acontece que estamos já a 6 meses do final da Legislatura e a verdade é que a quota dos genéricos não só

nãosubiu, como o prometido, como estagnou, ao longo destes três anos e meio, nos 48%.

Pior: nos primeiros dois meses deste ano, esta quota dos medicamentos genéricos em unidades sofreu

mesmo uma quebra de 0,3 pontos percentuais, descendo de 48,5% para 48,2%, um facto grave e inimaginável

há três anos.

Sr.ª Ministra, perguntei-lhe aqui, há uns meses, que medidas iria tomar que permitissem aos portugueses ter

acesso a medicamentos genéricos mais baratos. Disse, na altura, que estava preocupada e que iria tomar

medidas. Infelizmente, nada foi feito e os resultados estão à vista.

É que no medicamento, como em tantas outras áreas da saúde, já só resta aos portugueses esperar pelas

eleições e dar lugar a um Governo competente que resolva os problemas que os senhores criaram ou não foram

capazes de resolver.

A Sr.ª Ministra diz que está preocupada, mas isso não chega. Pergunto-lhe: como explica este fracasso do

seu Governo na política do medicamento? Como deixou o Governo estagnar e agora mesmo deteriorar a quota

dos medicamentos genéricos no mercado de medicamentos, impedindo os cidadãos de terem acesso a

medicamentos mais baratos e de forma mais acessível?

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra, para responder, a Sr.ª Ministra da Saúde, Marta Temido.

A Sr.ª Ministra da Saúde: — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, perguntou-me a Sr.ª Deputada Cecília

Meireles que comentário se me oferecia a afirmação de que o Serviço Nacional de Saúde está hoje pior do que

estava há 20 anos.

Gostava de recordar que há 20 anos não existiam unidades de saúde familiares, que há 20 anos não tinha

existido experiências inovadoras de gestão nos hospitais e o caminho para a autonomia, que hoje voltamos a

trilhar, nem sequer tinha sido iniciado, que há 20 anos não havia cuidados continuados integrados, que há 20

anos não havia o conjunto de tecnologias que hoje existem ao dispor dos portugueses. Vale a pena dizer que

há 20 anos havia uma greve self-service na profissão médica.

Portanto, Sr.ª Deputada Cecília Meireles, penso que há 20 anos não estávamos pior do que estamos hoje.

De resto, esse discurso de que estávamos pior, não posso deixar de o dizer, vem também de uma associação

pública profissional que esteve contra a criação do Serviço Nacional de Saúde.

O que respondo aos pedidos de demissão? Respondo que terão sempre, da parte do Ministério da Saúde, a

maior atenção para as dificuldades que passam os dirigentes dos nossos serviços e toda a disponibilidade para

melhorar as dificuldades que relatam. Mas a melhor forma de o fazerem não é com manifestações públicas, mas

com conversa, com trabalho, com diálogo.

Páginas Relacionadas
Página 0002:
I SÉRIE — NÚMERO 68 2 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Sr.
Pág.Página 2
Página 0003:
29 DE MARÇO DE 2019 3 Este Governo começou a falhar na saúde quando, de forma preci
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 68 4 portugueses, uma agenda que pode servir cliente
Pág.Página 4
Página 0005:
29 DE MARÇO DE 2019 5 Este é um facto bem demonstrativo da preocupação que permanec
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 68 6 No nosso caso, elas envolvem, por exemplo, o al
Pág.Página 6
Página 0007:
29 DE MARÇO DE 2019 7 Aplausos do PS. O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs.
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 68 8 A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — Sr. Pres
Pág.Página 8
Página 0009:
29 DE MARÇO DE 2019 9 A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — Para terminar,
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 68 10 O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Muito
Pág.Página 10
Página 0011:
29 DE MARÇO DE 2019 11 Aliás, ficamos até com a impressão de que uma parte do guião
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 68 12 O Sr. João Oliveira (PCP): — Sr. Presid
Pág.Página 12
Página 0013:
29 DE MARÇO DE 2019 13 O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Votem PCP! O
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 68 14 Depois do esforço hercúleo durante os anos da
Pág.Página 14
Página 0015:
29 DE MARÇO DE 2019 15 Aplausos do PSD. Sr. Presidente, Sr.as e Srs. D
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 68 16 O Sr. Presidente: — Para pedir esclarec
Pág.Página 16
Página 0017:
29 DE MARÇO DE 2019 17 Para terminar, Sr.ª Ministra, os médicos e as suas organizaç
Pág.Página 17
Página 0019:
29 DE MARÇO DE 2019 19 Perguntam-nos pela dívida, dizem-nos que a dívida está pior
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 68 20 Mas fomos ainda mais longe: respondemos aos an
Pág.Página 20
Página 0021:
29 DE MARÇO DE 2019 21 Aplausos do PS. Protestos do Deputado do PSD R
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 68 22 que considere as demências e a doença de Alzhe
Pág.Página 22
Página 0023:
29 DE MARÇO DE 2019 23 aparentemente contestatários, artificialmente reivindicativo
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 68 24 Sr.ª Ministra, a ADSE é um subsistema de funci
Pág.Página 24
Página 0025:
29 DE MARÇO DE 2019 25 Neste sentido, pergunto: o Governo do Partido Socialista vai
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 68 26 Protestos do PSD. …que levou ao
Pág.Página 26
Página 0027:
29 DE MARÇO DE 2019 27 Protestos do PS. … mas há Governos, do PSD, qu
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 68 28 Ninguém de boa-fé acha que o Serviço Nacional
Pág.Página 28
Página 0029:
29 DE MARÇO DE 2019 29 ainda ontem chegou à Comissão de Saúde um estudo da Deloitte
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 68 30 Quanto à questão que nos é suscitada sobre as
Pág.Página 30
Página 0031:
29 DE MARÇO DE 2019 31 Aplausos do PS. Protestos do PSD e do CDS.
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 68 32 O Sr. Luís Graça (PS): — Ora, estamos, hoje, a
Pág.Página 32
Página 0033:
29 DE MARÇO DE 2019 33 E continuava o guião de reforma do Estado: «Redução das barr
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 68 34 Aplausos do PS. O CDS limita-se
Pág.Página 34
Página 0035:
29 DE MARÇO DE 2019 35 A Sr.ª Maria Antónia de Almeida Santos (PS): — Muito bem!
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 68 36 É que de anúncios esta Legislatura foi fértil.
Pág.Página 36
Página 0037:
29 DE MARÇO DE 2019 37 Protestos do CDS-PP. O Sr. Presidente (José Ma
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 68 38 O Sr. Ricardo Baptista Leite (PSD): — Mas há u
Pág.Página 38
Página 0039:
29 DE MARÇO DE 2019 39 A Sr.ª Ana Rita Bessa (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as e Sr
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 68 40 autonomia aos hospitais. Creio que saíram umas
Pág.Página 40
Página 0041:
29 DE MARÇO DE 2019 41 Protestos do PSD. … este Governo tem rec
Pág.Página 41