O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

29 DE MARÇO DE 2019

3

Este Governo começou a falhar na saúde quando, de forma precipitada e impreparada, fez a aplicação das

35 horas. O CDS alertou, em devido tempo, para o impacto que isso teria na organização do trabalho e na

exaustão dos profissionais.

O Sr. João Dias (PCP): — É explorá-los ao máximo!…

A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — Continuou a falhar quando foi prometendo tudo a todos, quando foi

incapaz de gerir eficazmente processos negociais com vários grupos profissionais, processos que se arrastam

há mais de três anos sem final feliz à vista e com prejuízo para todos.

O vosso Governo falhou quando não investiu nos hospitais, ao mantê-los cativos das cativações de Centeno,

a funcionar com contratos-programa ainda por aprovar no final do 1.º trimestre de 2019.

Falhou ao atrasar a reforma dos cuidados de saúde primários, impedindo a passagem de USF (unidades de

saúde familiar) para o modelo B, ao não cumprir a tão propagada promessa de dar um médico de família a todos

os portugueses, como ainda ontem a Sr.ª Ministra admitiu na Comissão de Saúde.

Falhou ao não acautelar soluções rápidas e eficazes para ultrapassar o aumento das listas e dos tempos de

espera ou ao desvalorizar as demissões por denúncia de falta de segurança clínica.

Falhou ao engrossar as listas de espera nos cuidados continuados e ao acumular dívidas por pagar no setor.

Aplausos do CDS-PP.

O Governo falha, branqueia os problemas e desvaloriza-os sistematicamente. Anda num «passa culpas»

para os gestores hospitalares, a quem acusa de incompetência, e vai, de promessa em promessa, até ao

incumprimento final.

Este Governo promete mas não resolve. Este Governo não governa.

Aplausos do CDS-PP.

E não, Sr.as e Srs. Deputados, não temos nenhum regozijo patológico em apontar este estado de coisas nem

queremos denegrir o SNS.

O Sr. João Oliveira (PCP): — «Com a verdade me enganas!»

A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — Fazemo-lo precisamente porque entendemos que se tem de

fortalecer o SNS e mudar esta realidade. Fazemo-lo porque são bem mais do que casos isolados o que aqui

apontamos, são centenas de problemas graves que se acumulam e que o Governo não resolve.

O que está bem à vista não é mais do que um padrão: um Governo que anda em modo de «apagar fogos»,

de crise em crise, que promete mas não cumpre; um Governo que «empurra com a barriga», sem uma política

estruturada e eficaz para o setor; um Governo que pretende esconder a gravidade dos factos e que revela

penosa insensibilidade social.

Demonstrativo disto mesmo que acabei de dizer são as notícias de hoje sobre a urgência pediátrica do

Hospital Garcia de Orta, em risco de rutura, depois de o Governo ter ignorado os alertas de há dois meses e

não ter tomado medidas para contratar médicos suficientes.

Este é um Governo que é mais um desgoverno, um Governo de promessas e de «inconseguimentos», como

ainda ontem dizíamos em Comissão.

Sr.ª Ministra, Sr.as e Srs. Deputados, o Governo das «esquerdas unidas» falha e começou a falhar há mais

de três anos. Não estamos no início da Legislatura, não chegámos aqui agora e estranhamos muito o «agora é

que é» sistemático na boca dos governantes socialistas.

Também por isso não pactuamos com cortinas de fumo lançadas sobre quem é o verdadeiro responsável

por este estado de coisas, como não pactuamos com a insistência de lançar ideologia para cima dos problemas,

criando uma agenda artificial e alternativa à penosa realidade, uma agenda que pretende iludir-nos com a ideia

de que será uma nova lei de bases da saúde, qual varinha mágica fantástica, a resolver as questões graves do

imediato. É uma agenda que exclui o setor social e o privado do desígnio nacional de melhorar a saúde dos

Páginas Relacionadas
Página 0002:
I SÉRIE — NÚMERO 68 2 O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs. Deputados, Sr.
Pág.Página 2
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 68 4 portugueses, uma agenda que pode servir cliente
Pág.Página 4
Página 0005:
29 DE MARÇO DE 2019 5 Este é um facto bem demonstrativo da preocupação que permanec
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 68 6 No nosso caso, elas envolvem, por exemplo, o al
Pág.Página 6
Página 0007:
29 DE MARÇO DE 2019 7 Aplausos do PS. O Sr. Presidente: — Sr.as e Srs.
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 68 8 A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — Sr. Pres
Pág.Página 8
Página 0009:
29 DE MARÇO DE 2019 9 A Sr.ª Isabel Galriça Neto (CDS-PP): — Para terminar,
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 68 10 O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Muito
Pág.Página 10
Página 0011:
29 DE MARÇO DE 2019 11 Aliás, ficamos até com a impressão de que uma parte do guião
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 68 12 O Sr. João Oliveira (PCP): — Sr. Presid
Pág.Página 12
Página 0013:
29 DE MARÇO DE 2019 13 O Sr. Nuno Magalhães (CDS-PP): — Votem PCP! O
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 68 14 Depois do esforço hercúleo durante os anos da
Pág.Página 14
Página 0015:
29 DE MARÇO DE 2019 15 Aplausos do PSD. Sr. Presidente, Sr.as e Srs. D
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 68 16 O Sr. Presidente: — Para pedir esclarec
Pág.Página 16
Página 0017:
29 DE MARÇO DE 2019 17 Para terminar, Sr.ª Ministra, os médicos e as suas organizaç
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 68 18 Ministra, para quando o fim da distribuição de
Pág.Página 18
Página 0019:
29 DE MARÇO DE 2019 19 Perguntam-nos pela dívida, dizem-nos que a dívida está pior
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 68 20 Mas fomos ainda mais longe: respondemos aos an
Pág.Página 20
Página 0021:
29 DE MARÇO DE 2019 21 Aplausos do PS. Protestos do Deputado do PSD R
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 68 22 que considere as demências e a doença de Alzhe
Pág.Página 22
Página 0023:
29 DE MARÇO DE 2019 23 aparentemente contestatários, artificialmente reivindicativo
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 68 24 Sr.ª Ministra, a ADSE é um subsistema de funci
Pág.Página 24
Página 0025:
29 DE MARÇO DE 2019 25 Neste sentido, pergunto: o Governo do Partido Socialista vai
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 68 26 Protestos do PSD. …que levou ao
Pág.Página 26
Página 0027:
29 DE MARÇO DE 2019 27 Protestos do PS. … mas há Governos, do PSD, qu
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 68 28 Ninguém de boa-fé acha que o Serviço Nacional
Pág.Página 28
Página 0029:
29 DE MARÇO DE 2019 29 ainda ontem chegou à Comissão de Saúde um estudo da Deloitte
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 68 30 Quanto à questão que nos é suscitada sobre as
Pág.Página 30
Página 0031:
29 DE MARÇO DE 2019 31 Aplausos do PS. Protestos do PSD e do CDS.
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 68 32 O Sr. Luís Graça (PS): — Ora, estamos, hoje, a
Pág.Página 32
Página 0033:
29 DE MARÇO DE 2019 33 E continuava o guião de reforma do Estado: «Redução das barr
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 68 34 Aplausos do PS. O CDS limita-se
Pág.Página 34
Página 0035:
29 DE MARÇO DE 2019 35 A Sr.ª Maria Antónia de Almeida Santos (PS): — Muito bem!
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 68 36 É que de anúncios esta Legislatura foi fértil.
Pág.Página 36
Página 0037:
29 DE MARÇO DE 2019 37 Protestos do CDS-PP. O Sr. Presidente (José Ma
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 68 38 O Sr. Ricardo Baptista Leite (PSD): — Mas há u
Pág.Página 38
Página 0039:
29 DE MARÇO DE 2019 39 A Sr.ª Ana Rita Bessa (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as e Sr
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 68 40 autonomia aos hospitais. Creio que saíram umas
Pág.Página 40
Página 0041:
29 DE MARÇO DE 2019 41 Protestos do PSD. … este Governo tem rec
Pág.Página 41