O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

4 DE MAIO DE 2019

21

Portanto, o enigma está exatamente na vossa desorientação estratégica, mas não nos surpreendemos, na

medida em que os senhores são useiros e vezeiros em tentar enganar os portugueses. Num dia, desmarcam-

se do Governo, defendendo mais investimento público em ferrovia, no dia seguinte, apoiam o Governo e votam

os principais documentos estratégicos,…

Protestos da Deputada do PS Joana Lima.

… que retiram a possibilidade de se investir na ferrovia, apoiando cativações como nunca antes vistas.

O Sr. Paulo Neves (PSD): — Muito bem!

O Sr. Carlos Silva (PSD): — Num dia, apoiam os utentes, que veem transportes públicos serem

constantemente suprimidos, no dia seguinte, votam disciplinadamente a favor do Orçamento do Estado, que

estabelece recordes máximos de cortes no investimento público.

Aplausos do PSD.

Mas vamos ao que interessa.

O que interessa aos portugueses é perceber quais foram as verdadeiras razões pelas quais chegámos a esta

situação de caos na ferrovia. Sim, caos! Prova disto é o facto de as empresas públicas de transporte garantirem,

em 2015 — vejam, em 2015! — melhor serviço público do que hoje em dia. Os indicadores de qualidade de

serviços estão aí e não enganam!

O atual Governo, com o apoio do Bloco de Esquerda e do PCP, que encontrou em 2016 um quadro de

finanças públicas sustentáveis, é responsável por uma atuação desastrosa que levou à paralisia da mobilidade

ferroviária.

É chegada, pois, a hora de os portugueses pedirem contas ao Governo e aos partidos que o apoiaram quanto

à sua inação. Senão, vejamos a linha do tempo deste Governo, apoiado pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP.

Voltemos a 2016, quando acusavam, em coro, o anterior Governo de não ter deixado projetos na gaveta.

Afinal, estava lá o programa PETI 3+. Rapidamente, o Governo fez pequenos ajustamentos, apoderou-se dele,

como se fosse seu pai, e apelidou-o pomposamente de Ferrovia 2020.

Protestos da Deputada do PS Joana Lima.

Desse programa, quantas obras estão concluídas, Srs. Deputados?! Zero! Quantas foram iniciadas? Poucas!

Qual é a taxa de execução? É de 9%! O Governo está obrigado a explicar este programa, e isto é demasiado

mau para ser verdade.

O Ministro Pedro Marques chegou a anunciar — diria, a mentir! — no Parlamento que tinha, em obra, 300

km de vias. Estamos em 2019, praticamente no final do programa, e o que temos são 10 km de via eletrificada

na Linha do Minho.

Protestos dos Deputados do BE Heitor de Sousa e Jorge Costa.

Não têm obra, mas publicidade têm muita!

Em 2017, a anterior administração da CP apresentou ao Ministro Pedro Marques um plano para aquisição e

modernização dos comboios. O que fez o Ministro Pedro Marques relativamente a este plano de 2017?! Nada.

Meteu-o na gaveta.

Em 2018, ano máximo das cativações e recordes históricos de desinvestimento público, chegaram ao cúmulo

de o investimento, em dois anos consecutivos, ser inferior ao investimento público de 2015, último ano do

Governo de Passos Coelho.

Protestos dos Deputados do BE Heitor de Sousa e Jorge Costa.

Páginas Relacionadas
Página 0037:
4 DE MAIO DE 2019 37 O Sr. Secretário (Duarte Pacheco): — Sr. Presidente e S
Pág.Página 37