O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

1 DE JUNHO DE 2019

11

É assim em 2019; era assim no final de 2018, em que só havia duas embarcações a funcionar na travessia de

Cacilhas e uma embarcação na do Seixal e do Montijo; e, no final de 2017, a Soflusa tinha metade das

embarcações a funcionar. Sabemos que este cenário complica muito a vida das pessoas que têm de atravessar

o Tejo todos os dias para irem trabalhar.

Sabemos o que este Governo herdou e ninguém desvaloriza o estado em que o PSD e o CDS deixaram a

Transtejo e Soflusa. E também sabemos o que este Governo fez: contratou dois marinheiros, promoveu quatro

mestres e diz que vai investir 50 milhões de euros em 10 barcos.

A decisão de lançar um concurso para 10 barcos foi tomada em 1 de janeiro de 2019 e a decisão de promover

quatro mestres foi tomada em maio de 2019. Sucede que estamos em junho e o terminal do Barreiro está, agora,

no caos! Neste preciso momento, está instalado o caos no terminal do Barreiro, porque as pessoas não

conseguem embarcar nas horas de ponta, em virtude da supressão de barcos.

O Sr. Ministro do Ambiente e da Transição Energética: — Há greve!

A Sr.ª Joana Mortágua (BE): — O relatório de contas de 2014 da Transtejo/Soflusa dava conta de uma

diminuição, desde 2010 até 2014, que rondava os 60 trabalhadores; dava conta de que, em média, os cacilheiros

têm 33 anos e os ferries têm 56 anos; e também dava conta, como deu conta o relatório que foi feito pela

Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), de que o contrato de serviço público acabou em 2014 e não

foi renovado.

A minha pergunta é a seguinte: o Governo não leu o relatório de contas quando entrou em funções?! É que,

desde 2014, sabia que a situação estava muito complicada. Desde 2014 que não há contrato de serviço público

e, de cada vez que é preciso reparar um navio, é preciso pedir autorização a Mário Centeno.

Portanto, Srs. Membros do Governo, as perguntas que deixo são estas: porquê o atraso? Por que razão é

que só em 2019 vieram resolver os problemas que sabiam que existiam desde que entraram no Governo? Por

que razão é que não contratam todos os trabalhadores que são necessários para resolver o problema da

Soflusa?

Aplausos do BE.

O Sr. Presidente: — Tem, agora, a palavra o Sr. Deputado Hélder Amaral, do Grupo Parlamentar do CDS-

PP.

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Srs. Ministros, Srs. Secretários

de Estado, para ser sério, este debate tem uma ponta de verdade.

É um facto que o problema no setor dos transportes é de há muito tempo. O que o Governo anterior herdou

foram empresas do setor empresarial do Estado, nomeadamente dos transportes, fortemente endividadas,…

O Sr. Emídio Guerreiro (PSD): — Falidas!

O Sr. Hélder Amaral (CDS-PP): — … completamente presas a swaps, com greves permanentes e

alimentadas a indemnizações compensatórias. Os senhores do Partido Socialista deixaram isso mesmo no

memorando da troica, como soluções para os problemas.

A verdade é que, se olharmos para o que a administração da CP deixou, quando saímos do Governo, foi

uma CP mais forte, com passe social e a ganhar quota de mercado.

E é verdade — não escondo, porque não quero ser hipócrita — que gostamos do modelo privado. Não

privatizamos, mas queremos concessionar, pedir mais investimento, mais gestão e trazer privados para dar mais

e melhor serviço.

Os senhores disseram: «esse modelo não queremos! Temos um modelo melhor, mais eficaz». Por isso, este

debate devia ser sobre a vossa incompetência, sobre a hipocrisia do Bloco, do PCP e de Os Verdes, porque

esse modelo falhou.

Sr. Deputado Heitor de Sousa, o problema não é de há 15 dias, o problema vem desde 2016. Desde 2016

que o serviço se está a degradar permanentemente. Esta é que é a realidade!

Páginas Relacionadas
Página 0073:
1 DE JUNHO DE 2019 73 Aplausos do PS. O Sr. Presidente: — Tem a palav
Pág.Página 73
Página 0074:
I SÉRIE — NÚMERO 91 74 Os Parlamentos são, pela sua natureza, uma das
Pág.Página 74
Página 0075:
1 DE JUNHO DE 2019 75 de Lisboa vão achar que ainda ganham menos do que ganhavam e
Pág.Página 75
Página 0076:
I SÉRIE — NÚMERO 91 76 Outro exemplo profundamente lamentável é a aus
Pág.Página 76
Página 0077:
1 DE JUNHO DE 2019 77 a) As propostas de orçamento das «entidades dependente
Pág.Página 77
Página 0078:
I SÉRIE — NÚMERO 91 78 Não partilhamos da inicial visão dicotómica. H
Pág.Página 78
Página 0079:
1 DE JUNHO DE 2019 79 República, aos líderes partidários que sejam Deputados e aos
Pág.Página 79
Página 0080:
I SÉRIE — NÚMERO 91 80 O trabalho que é feito no Parlamento pelos seu
Pág.Página 80
Página 0081:
1 DE JUNHO DE 2019 81 Nas primeiras três sessões legislativas questionámos a
Pág.Página 81
Página 0082:
I SÉRIE — NÚMERO 91 82 Há uma questão que sobra — com exceção das des
Pág.Página 82