O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 94

74

instituições (políticas, militares, judiciais, media), degradação dos valores morais e dos costumes (corrupção,

novas agendas disruptivas), degradação do cimento social e comunitário (com acentuamento dos fenómenos

de solidão).

É urgente denunciar um círculo vicioso cada vez mais profundo: (i) a política e os políticos são focos de

desconfiança; (ii) os incentivos, materiais e morais para exercer funções políticas são cada vez mais escassos;

(iii) por isso, a área de recrutamento é cada vez mais reduzida e em circuito fechado, gerando situações de

fechamento; (iv) a qualidade média dos políticos desce, bem como da decisão política; (v) a participação política,

particularmente em eleições, decresce, afetando a legitimidade dos eleitos; (vi) a desconfiança na política e nos

políticos cresce, cada vez mais acusados de não atenderem adequadamente aos sentimentos dos eleitores.

O futuro

Alarmamo-nos com o alheamento dos jovens em relação à política. As últimas eleições europeias — onde

os primeiros jovens do milénio poderiam votar — confirmaram padrões que se têm acentuado. Mas àqueles que

encontram motivação e têm coragem para quebrar o cerco à política oferecemos de (final de) legislatura em

(final de) legislatura condições cada vez mais dissuasórias (para si e até para familiares não necessariamente

próximos): crescente devassa da vida privada, obstáculos a uma carreira profissional depois da política,

escrutínio permanente dos seus atos de uma forma que nunca seria tolerada para o comum dos cidadãos,

sujeição a impropérios permanentes nas redes sociais. E tudo isto sob a permanente suspeita de ilusórios

salários e benefícios milionários.

Conclusão

Compreendo e registo todo o esforço realizado pelo Grupo Parlamentar do PS para manter as soluções

normativas dentro do limite do razoável, mas isso não impede que se fique com a sensação de um indelével

deslizamento no sentido da desgraduação da política e daqueles que escolhem fazer dela a sua missão.

Lisboa, 7 de junho de 2019.

O Deputado do PS, Vitalino Canas.

——

Votei favoravelmente a legislação que visa mudar diversos aspetos da vida parlamentar, com destaque para

o Estatuto dos Deputados, o respetivo regime remuneratório, as regras de transparência e as incompatibilidades.

Em 2017, no livrinho POLÍTICOS.PT - Guia Prático das Remunerações de Altos Cargos da República, expus

de forma pormenorizada as razões pelas quais era (e continuará a ser até à próxima legislatura) perversa e

insustentável a situação que se veio arrastando desde há vários anos em matéria de regras de conduta, estatuto

e remuneração de altos cargos.

Infelizmente:

1 - A reforma foi feita no final da Legislatura e não no princípio. Não se aplica, pois, aos Deputados que a

aprovaram, prolongando aquilo mesmo que se reconhece ser nefasto. Isso diminui o impacto positivo da reforma,

que se devidamente feita teria sido importante para contrariar a desconfiança em relação aos titulares de cargos

políticos.

2 - O processo de produção das normas do chamado «pacote da transparência» arrastou-se durante

excessivo tempo. Pior ainda: os trabalhos só incidiram sobre questões remuneratórias depois de polémica

pública sobre disfunções que agora se corrigem. Reconhece-se, pois, a sua existência, em tempo útil, mas com

danos reputacionais já inapagáveis.

3 - A reforma deixa de fora o estatuto de muitos outros altos cargos da República criados avulsamente com

assimetrias injustificadas e prejudiciais, desde as autoridades administrativas independentes a entidades

fiscalizadoras de diversos tipos. Também elas precisam de códigos de conduta e correção remuneratória.

Abundam os aspetos positivos:

1 - As alterações respeitantes aos Deputados e à vida parlamentar são justificadas. Justificadas pelas

mudanças ocorridas desde a fundação da democracia parlamentar portuguesa e sufragadas pelo Direito

Comparado, onde chegaram mais depressa do que a Portugal. O passar dos anos e a falta de impulso

reformador deixaram pairar incertezas sobre tópicos em a lei deve ser clara e aplicada sem vacilações (morada

Páginas Relacionadas
Página 0053:
8 DE JUNHO DE 2019 53 Já o dissemos — no nosso grupo parlamentar é assim e acredita
Pág.Página 53
Página 0054:
I SÉRIE — NÚMERO 94 54 Vamos, agora, votar, na especialidade, a propo
Pág.Página 54
Página 0055:
8 DE JUNHO DE 2019 55 O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, há um momento para esses pe
Pág.Página 55
Página 0056:
I SÉRIE — NÚMERO 94 56 O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, no fim é que
Pág.Página 56
Página 0057:
8 DE JUNHO DE 2019 57 Vamos agora, relativamente a este texto, votar a assun
Pág.Página 57