O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 101

8

Protestos da Deputada do PS Eurídice Pereira.

Pergunto se é uma efetiva prioridade ter dívidas de mais de 1 milhão e 100 000 € às unidades, o que dificulta

contratações e compromete a qualidade assistencial, e se é uma efetiva prioridade não fazer atualizações, como,

aliás, se comprometeram a fazer desde 2017-2018, com montantes de dívida que vão acima dos 5 milhões de

euros.

Entendamo-nos, Sr.as e Srs. Deputados: a saúde não é uma efetiva prioridade para este Governo. O que

pergunto ao PSD é se não vai já longe demais a incompetência, a inépcia e a falta de visão deste Governo.

Aplausos do CDS-PP.

O Sr. Presidente (José de Matos Correia): — Tem agora a palavra, para responder, o Sr. Deputado Ricardo

Baptista Leite.

O Sr. Ricardo Baptista Leite (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, agradeço aos Srs. Deputados

Luís Soares, Moisés Ferreira e Isabel Galriça Neto pelas questões que me colocam.

De facto, o Partido Socialista vem fazer uma intervenção sobre o investimento na saúde e, depois, ao tentar

consubstanciar a sua própria intervenção, diz «é um investimento, vai acontecer», mas ainda não aconteceu.

«Está em curso», mas ainda não apareceu!

O Sr. Adão Silva (PSD): — Está quase!

O Sr. Ricardo Baptista Leite (PSD): — É um investimento que está quase, quase, quase, mas ainda não

chegamos lá! Mas para o ano é que é, dizem, na próxima Legislatura é que é!

Aplausos do PSD.

Protestos do PS.

Isto já não vai lá assim, Sr. Deputado!

Oiça os portugueses sabem bem, os doentes sabem bem qual é o resultado da gestão socialista na saúde.

Portanto, o Sr. Deputado respondeu àquilo que eu disse: investiram menos do que aquilo que prometeram.

Os senhores orçamentavam, de facto, com o apoio do Bloco de Esquerda e do PCP, mas, quando chegou a

hora de executar, os portugueses não viram nada.

Depois, vem o Sr. Deputado, desesperado para encontrar argumentos, falar de taxas moderadoras. É preciso

lembrar o seguinte: quem é que isentou 1,4 milhões de portugueses da taxa moderadora durante uma crise

financeira que os senhores trouxeram para Portugal?

Aplausos do PSD.

Protestos do PS.

Foi o PSD!

É agora, no final do mandato, que os senhores estão a tentar resolver a questão das taxas moderadoras!

O Sr. Luís Soares (PS): — O quê?!

O Sr. Ricardo Baptista Leite (PSD): — Aliás, ninguém se esquece que, quando vocês eram Governo,

Correia de Campos queria até que os doentes que ficavam internados nos hospitais pagassem taxas

moderadoras,…

Páginas Relacionadas
Página 0002:
I SÉRIE — NÚMERO 101 2 O Sr. Presidente (Jorge Lacão): — Sr.as e Srs.
Pág.Página 2
Página 0003:
28 DE JUNHO DE 2019 3 Orçamentos do Estado, um após o outro, aprovados sempre com o
Pág.Página 3
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 101 4 Falhou o Governo na essência da sua missão, po
Pág.Página 4
Página 0005:
28 DE JUNHO DE 2019 5 Precisamos de um Governo que garanta que todas as consultas,
Pág.Página 5
Página 0009:
28 DE JUNHO DE 2019 9 Vozes do PSD: — É verdade! O Sr. Ricardo Baptis
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 101 10 A Sr.ª Carla Cruz (PCP): — O PSD e o C
Pág.Página 10
Página 0013:
28 DE JUNHO DE 2019 13 Se não o entende, se ainda não percebeu a importância destes
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 101 14 O Sr. Ricardo Baptista Leite (PSD): — Diziam
Pág.Página 14
Página 0017:
28 DE JUNHO DE 2019 17 O Sr. Presidente (José de Matos Correia): — Sr. Deput
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 101 18 Termino, dirigindo-me ao Deputado Luís Graça,
Pág.Página 18