O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 102

24

valor que, por sua vez, será geradora de emprego. Inverter esta precedência põe em perigo a sustentabilidade

das empresas, das instituições e, no final, dos próprios postos de trabalho. O foco tem de estar na criação de

valor e, para isso, um dos instrumentos mais importantes de que o Governo dispõe é o Portugal 2020.

Segundo a Agência Nacional para a Inovação (ANI), até ao final de 2018, foram recebidas 2058 candidaturas,

50% das quais foram de empresas e 30% de instituições de ensino superior, tendo sido aprovados 674 projetos.

Dos quase 3000 milhões de euros de investimento proposto, foram aprovados 700 milhões, mas apenas foram

pagos 105 milhões. Repito: apenas foram pagos 105 milhões de euros, numa taxa de execução de 15%.

Com estas baixíssimas taxas de execução, será difícil alcançar quaisquer metas e, sobretudo, contar que o

setor privado contribua com dois terços do esforço, quando é o próprio Governo a dificultar a realização dos

projetos de investimento e inovação.

Por outro lado, é assente que a investigação científica desenvolvida no sistema científico e tecnológico, seja

fundamental, seja aplicada, é também, ela própria, criadora de valor, de inovação e captadora de investimento

internacional.

Apesar deste consenso, em 2018, mais de 5000 cientistas assinaram um manifesto, elencando falhas na

política pública e pedindo ao Governo e à Assembleia da República para traçarem um rumo para a ciência,

instituindo práticas básicas de regularidade, de estabilidade, de previsibilidade e de transparência no sistema.

A reação do Governo foi, no mínimo, sui generis. O Sr. Ministro decidiu, também ele, subscrever o manifesto.

Por isso, passado um ano, não espanta que a situação permaneça inalterada e que os mesmos cientistas

reiterem a sua posição, afirmando, cito: «Sem a cabal resolução destes problemas, Portugal não será capaz de

capitalizar do investimento feito nas últimas décadas em recursos humanos e em infraestruturas científicas de

forma eficaz e continuará a assistir à inevitável perda de competitividade à escala internacional».

Sr.as e Srs. Deputados, o Painel Europeu da Inovação 2019 mostra que Portugal está ainda no grupo dos 14

países abaixo da média europeia. Claro que tem havido progressos. Assinala-se que Portugal tem um bom

desempenho quanto à penetração de banda larga e quanto à inovação feita pelas pequenas e médias empresas,

mas está muito aquém em matéria de patentes, de ligação entre os setores privado e científico e de exportação

de serviços baseados no conhecimento.

É aqui que reside a chave da política pública para os próximos anos: previsibilidade e regularidade nos

financiamentos; definição de incentivos nas carreiras, na avaliação e no financiamento, orientados, também,

para a ligação entre o sistema científico e tecnológico e o setor empresarial; condições atrativas para o

desenvolvimento e registo da propriedade intelectual, bem como para a criação e fixação de empresas

exportadoras de conhecimento intensivas.

São compromissos necessários para a ciência e para a inovação a que o CDS não faltará.

Aplausos do CDS-PP.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Não há pedidos de esclarecimento para a Sr.ª Deputada, pelo

que passamos à próxima intervenção, que cabe à Sr.ª Deputada Lara Martinho, do Partido Socialista.

A Sr.ª LaraMartinho (PS): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Srs. Membros do Governo: O nosso

saudoso açoriano socialista, o Prof. José Medeiros Ferreira, em 2011, escrevia que «Os Açores, no futuro,

poderão constituir um centro de pesquisa científica e tecnológica de grande importância mundial, sobretudo nos

domínios da interação entre o oceano e a atmosfera». Esta foi a visão lançada por José Medeiros Ferreira. Este

é, hoje, um desígnio e um desafio do Partido Socialista e os portugueses sabem que o PS é um partido de

convicções e, acima de tudo, sabem que as concretiza.

Esta perceção internacional do valor estratégico dos Açores como plataforma científica e tecnológica em

múltiplos domínios é, hoje, inegável. Aliás, tem estado no centro da valorização da cooperação internacional em

ciência e tecnologia desenvolvida por este Governo. A realidade é que o posicionamento atlântico dos Açores

abre oportunidades únicas ao País no contexto internacional, não replicáveis em nenhum outro local do mundo,

o que representa uma efetiva vantagem comparativa que nem sempre foi aproveitada. Em 2011, todos a

reconhecíamos, mas foi apenas em 2015, com este Governo, que foi efetivamente promovida uma nova

estratégia de valorização da posição atlântica de Portugal centrada nos Açores, com resultados evidentes.

Páginas Relacionadas
Página 0023:
29 DE JUNHO DE 2019 23 O Sr. Carlos Pereira (PS): — Sr. Presidente, Srs. Deputados,
Pág.Página 23