O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 7

34

Protestos da Deputada do BE Joana Mortágua.

Não! A violação de direitos humanos é sempre inaceitável.

Aplausos do CDS-PP, do PSD e do IL.

Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, em segundo lugar, queria dizer que este voto é muito importante

porque é a memória.

Como dizia Todorov, nos totalitarismos, a vida perde contra a morte, mas a memória vai ganhando o seu

combate contra o nada.

A Sr.ª Cecília Meireles (CDS-PP): — Muito bem!

O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — Isso é muito importante, até porque não há regimes totalitários bons ou

menos maus e regimes totalitários piores ou mais horríveis. Todo o totalitarismo é inaceitável, e é por isso que

estes regimes correspondem a milhões de mortos — milhões de mortos! —, milhões de mortos do nazismo e do

fascismo, mais de 100 milhões de mortos determinados pelo comunismo de inspiração soviética e, depois, de

inspiração chinesa.

Não há aqui bons e maus. Para nós, é-nos indiferente ser Hitler, Mussolini, Stalin, Mao Tsé-Tung, Pol Pot,

Kim Jong-il, um conjunto sério e numeroso de assassinos que merecem a condenação em nome da memória.

Essa é a realidade.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, já ultrapassou o seu tempo.

O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — Termino, mesmo, Sr. Presidente.

Votaremos, pois, favoravelmente todos os votos que vão nesse sentido, registando que, no final, há uns que

preferem condenar mais o reaparecimento do neofascismo,…

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, tem de concluir.

O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — … e outros que preferem condenar mais o reaparecimento do

neocomunismo, como faz o Sr. Deputado André Ventura.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, peço-lhe para concluir. Dispunha de 2 minutos e já ultrapassou esse

tempo.

O Sr. Telmo Correia (CDS-PP): — Votaremos todos favoravelmente, menos aqueles que demonstram que

a História pode sempre converter-se em comédia, como acontece com o voto do PCP.

Terminei, Sr. Presidente.

Aplausos do CDS-PP e do CH.

O Sr. Presidente: — Pelo Grupo Parlamentar do PSD, tem a palavra o Sr. Deputado António Maló de Abreu.

O Sr. António Maló de Abreu (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: A aprovação pelo Parlamento

Europeu, no passado dia 19 de setembro, da Resolução sobre a importância da memória europeia para o futuro

da Europa é, acima de tudo, um contributo para que a História não seja esquecida e para relembrar todos os

que sofreram as atrocidades cometidas pelos totalitarismos europeus.

Torna-se óbvio que devemos, tal como faz a Resolução, condenar todos os atos de agressão, condenar a

prática de crimes contra a humanidade e as violações dos direitos humanos levados a cabo por regimes

totalitários ao longo do século XX e procurar criar um futuro melhor para todos os europeus, não esquecendo

Páginas Relacionadas
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 7 30 O Sr. Presidente: — Como a Sr.ª Deputada
Pág.Página 30