O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

7 DE FEVEREIRO DE 2020

75

Assembleia da República, 16 de janeiro de 2020.

As Deputadas e os Deputados do Bloco de Esquerda.

[Recebida na Divisão de Redação em 16 de janeiro de 2020].

———

Relativa ao Voto n.º 153/XIV/1.ª (CDS-PP) [votado na reunião plenária de 10 de janeiro de 2020 — DAR I

Série n.º 22 (2020-01-11)]:

O voto apresentado pelo CDS distorce completamente os factos ocorridos na escalada de tensão entre os

EUA e o Irão, omitindo deliberadamente as responsabilidades dos EUA na desestabilização de toda aquela

região e na escalada da violência e da tensão. Essa postura é inaceitável.

A escolha do CDS em não fazer uma análise séria sobre o que está a ocorrer no Médio Oriente motivou o

voto contra do Bloco de Esquerda.

Assembleia da República, 16 de janeiro de 2020.

As Deputadas e os Deputados do Bloco de Esquerda.

[Recebida na Divisão de Redação em 16 de janeiro de 2020].

———

Relativa aos Votos n.os 136/XIV/1.ª (CH), 140/XIV/1.ª (L), 146/XIV/1.ª (CDS-PP), 148/XIV/1.ª (PAN),

149/XIV/1.ª (BE), 151/XIV/1.ª (BE) e 156/XIV/1.ª (L) [votados na reunião plenária de 10 de janeiro de 2020 —

DAR I Série n.º 22 (2020-01-11)]:

O Grupo Parlamentar do Partido Socialista votou favoravelmente os Votos de Pesar n.ºs 136, 140, 146, 148,

149, 151 e 156, manifestando o seu pesar pelo falecimento de dois jovens, Pedro Fonseca e Giovani dos Santos

Rodrigues, vítimas de violência em Lisboa e Bragança, e endereçando aos seus familiares e amigos as suas

sentidas condolências.

Ainda que a maioria dos votos de pesar apresentados conservassem a objetividade e a sobriedade que a

circunstância a todos deveria exigir, não pode o Grupo Parlamentar do PS deixar de sublinhar que a

manifestação de pesar em circunstâncias trágicas como as que terminaram precocemente com a vida das

vítimas não deve ser instrumentalizada para fins políticos, com referências alarmistas e inexatas, por vezes

relativas a factos ainda sob investigação pelas autoridades competentes.

A Assembleia da República deve, pois, conduzir uma reflexão sobre as condições de apresentação de votos,

de forma a dignificar a forma como se pronuncia sobre temas de relevo para a sociedade e perante os cidadãos

que representa, bem como o respeito pelas pessoas visadas pelos mesmos e por aqueles que lhes são

próximos.

Lisboa, 10 de janeiro de 2020.

O Grupo Parlamentar do Partido Socialista.

[Recebida na Divisão de Redação em 16 de janeiro de 2020].

——

Páginas Relacionadas
Página 0064:
I SÉRIE — NÚMERO 26 64 Segue-se o Voto n.º 165/XIV/1.ª (apresentado p
Pág.Página 64