O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 45

24

E este equilíbrio é conseguido. O PSD diz que não é, mas acho a proposta do PSD, que lamentavelmente

não quis chegar a consenso, uma proposta irresponsável, pelo seguinte: em primeiro lugar, não é exequível, na

medida em que não é possível, de hoje para amanhã, comprar os meios eletrónicos de vigilância.

Depois, é uma proposta demagógica. Porquê? Porque se, por um lado, recusa o perdão de pena, por outro,

propõe um regime quase ilimitado de indulto — e eu traduzo para os cidadãos: indulto quer dizer perdão. Mas

não é perdão da pena ou do resto da pena, daquela pena de alguém que está a cumpri-la não porque tenha

cometido um crime grave mas por não ter capacidade financeira para pagar a multa a que foi condenado, ou

então daquele que não cometeu nenhum crime grave mas só lhe resta um bocadinho de pena e que vai ser

libertado em breve.

Não, o PSD prefere, então, através de uma fórmula que se chama indulto, de forma muito generalizada,

perdoar a pena a todas as pessoas, independentemente do crime que cometeram. Mais: não respeitando a

vontade do Sr. Presidente da República — que foi expressa — de apenas utilizar o indulto de forma muito

limitada e muito restritiva.

Penso que esta proposta que está em cima da mesa, com as alterações e os contributos válidos tanto do

PCP como alguns do CDS-PP, poderá encontrar aqui uma solução…

O Sr. Presidente: — Muito obrigado, Sr.ª Deputada.

A Sr.ª Constança Urbano de Sousa (PS): — … equilibrada entre humanismo e o nosso direito à segurança.

Portanto, terminava com um apelo ao PSD para que se junte ao consenso.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: — Tem a palavra o Sr. Deputado André Ventura, do Chega.

O Sr. André Ventura (CH): — Sr. Presidente, Sr.ª Ministra: Esta lei é uma infâmia, uma infâmia!

A Sr.ª Ministra está aqui, hoje, e disse que também se recordava das vítimas e da segurança dos

portugueses, mas propõe-se libertar 10% da população prisional — repito, 10%, para que em casa nos oiçam

bem. Não faz uma análise sobre se são reincidentes ou não, se podem ou não voltar a cometer crimes, sobre

se há ou não um nível de perigosidade social.

E se temos um perdão com critério, não temos um indulto com critério: qualquer um que tenha mais de 65

anos e esteja em situação da tal vulnerabilidade, um abusador sexual, por exemplo, pode ser libertado.

A Sr.ª Ministra da Justiça: — Não pode!

O Sr. André Ventura (CH): — Pode, Sr.ª Ministra!

Vozes do PS: — Não pode!

O Sr. André Ventura (CH): — Pode, Sr.ª Ministra!

Vozes do PS: — É falso!

O Sr. André Ventura (CH): — Pode, Sr.ª Ministra!

Vozes do PS: — Não pode!

O Sr. André Ventura (CH): — Pode, Sr.ª Ministra!

Vozes do PS: — É mentira!

O Sr. André Ventura (CH): — Pode, Sr.ª Ministra!

Páginas Relacionadas
Página 0017:
9 DE ABRIL DE 2020 17 Mas não queria que ficasse a ideia — porque não é justa — de
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 45 18 Fizemos uma escolha que consideramos equilibra
Pág.Página 18
Página 0019:
9 DE ABRIL DE 2020 19 Também na figura dos indultos e das licenças de saída não se
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 45 20 A seu tempo, virá necessariamente um debate em
Pág.Página 20
Página 0021:
9 DE ABRIL DE 2020 21 estaríamos a falar da saída de cerca de 2000 reclusos. Ora, s
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 45 22 Portanto, há aqui alguns aspetos que, do nosso
Pág.Página 22
Página 0023:
9 DE ABRIL DE 2020 23 Aqui, Sr. Presidente, quero dizer o seguinte: a nossa propost
Pág.Página 23
Página 0025:
9 DE ABRIL DE 2020 25 Protestos do PS. O Sr. Presidente: — Peço
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 45 26 O Sr. José Manuel Pureza (BE): — Sr. President
Pág.Página 26
Página 0027:
9 DE ABRIL DE 2020 27 pessoas não vêm contaminadas —, eu diria que é mais fácil pen
Pág.Página 27