O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

5 DE JUNHO DE 2020

43

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Para uma intervenção supersónica, tem a palavra o Sr. Deputado

Luís Testa.

O Sr. Luís Moreira Testa (PS): — Sr. Presidente, Srs. Deputados: Pode ter parecido ou pode, até, ter sido

interpretado por alguns que a necessidade de criar esta comissão foi para subsumir outras comissões. Não é

nada disso. Pelo menos na matéria reservada à proposta do Partido Socialista, aquilo que está em causa é tão-

somente a constatação sistemática e abundante de temáticas, propostas e necessidades que são transversais,

muitas vezes, a mais do que duas, três ou quatro comissões.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Tem de terminar, Sr. Deputado.

O Sr. Luís Moreira Testa (PS): — Não querer compreender isto também é diminuir a resposta do Parlamento

relativamente à necessidade de constituir uma comissão, para que ela própria possa discutir estas matérias,

porque, se não for ela a fazê-lo, ninguém mais as discutirá.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Tem a palavra, para uma intervenção, o Sr. Deputado André

Ventura.

O Sr. André Ventura (CH): — Sr. Presidente, Srs. Deputados: O que discutimos é, de facto, como e de que

forma vamos acompanhar os negócios que foram feitos, nomeadamente na área da saúde, quando o Governo

pediu a esta Câmara…

O Sr. Jorge Costa (BE): — Outra vez?! E os feirantes?!

O Sr. André Ventura (CH): — … o poder de ajuste direto, nesta matéria.

Podemos olhar para o lado, mas a verdade é que é dinheiro dos contribuintes que estamos a utilizar e

fiscalizá-lo é a nossa principal tarefa. Isso implica que não devemos deixar para trás nenhum ajuste direto que

tenha sido feito, nenhum que não tenha sido publicado, nenhum que não tenha sido publicado a tempo, porque

não é o meu dinheiro nem o vosso, é o dinheiro de todos os contribuintes portugueses.

Sr. Deputado Moisés Ferreira, não há nenhum problema em analisar também os hospitais privados. O que

custa muito é a cegueira de um partido, ou de vários, que insistem em humilhar o setor privado em cada

intervenção que fazem.

O Sr. Jorge Costa (BE): — Coitadinhos!

O Sr. André Ventura (CH): — Vejam que, a 4 de abril, era noticiado o seguinte: «Hospitais privados já

atenderam mais de 2200 doentes suspeitos de COVID-19, numa só semana». Que palavra têm para eles? Que

palavra têm para essas centenas de trabalhadores, que pagam impostos e que sustentam, também, esta Casa?

A palavra é «não servem para nada, vamos fiscalizar-vos». Sr. Deputado, nada contra! Vamos é fazer assim:

vamos fiscalizar o público da mesma forma que vamos fiscalizar o privado!

Protestos do Deputado do BE Moisés Ferreira.

Vamos fiscalizar os vossos amigos da mesma forma que vamos fiscalizar o setor privado.

Protestos do BE e do PCP.

Páginas Relacionadas
Página 0044:
I SÉRIE — NÚMERO 59 44 O Sr. Presidente (José Manuel Pureza): — Sr. D
Pág.Página 44