O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

27 DE JUNHO DE 2020

87

universitários terão ainda para enfrentar, muitos serão os que aguentaram mesmo em condições adversas,

porque não foi só no ensino básico e secundário que se encontraram fragilidades de acesso a ferramentas

tecnológicas e até à internet.

Sim, com a pandemia ficou ainda mais claro que os estudantes do ensino superior e as suas famílias fazem

um grande esforço para pagar o preço exorbitante de propinas e foram ainda obrigados a pagar também quartos

que não usaram durante o confinamento obrigatório.

Mais uma vez, debaixo do chapéu da autonomia das universidades, foi possível acontecer um pouco de tudo:

os que tinham ferramentas tecnológicas e os que não tinham; os que tinham aulas e os que não tinham; os que

conseguiram acompanhar o plano da universidade e os que foram deixados à sua sorte.

«Não deixar ninguém para trás» foi o slogan tantas vezes dito e outras tantas ignorado, porque perderam

rendimentos ou porque não conseguiram acompanhar o ritmo de trabalho e de aulas.

Se, por um lado, se adivinham restrições a nível da oferta de alojamento para os estudantes deslocados a

frequentar as universidades e os politécnicos, por outro lado, a maior incerteza incide sobre a capacidade de

fazer face às inúmeras despesas, incluindo as propinas, o que condicionará o acesso e a continuidade da

frequência dos cursos universitários perante a acentuada perda de rendimentos das famílias e as inúmeras

situações de desemprego que afetam, sobretudo, os mais jovens. Afetam, concretamente, os trabalhadores-

estudantes, muitos deles com atividade profissional na área do turismo, no comércio de grandes superfícies e

na restauração, setores económicos fortemente comprometidos com as consequências da pandemia.

Os Verdes consideram que vivemos tempos de acentuação de desigualdades sociais, pelo que se exigem

medidas capazes de atenuar os constrangimentos económicos e sociais associados ao arranque do novo ano

letivo no ensino superior com vista a prevenir o abandono escolar no ensino académico.

Este é o momento de se assumirem medidas que nos permitam que não fique ninguém para trás e que isso

não se limite apenas a um slogan.

Aplausos da Deputada do PCP Alma Rivera.

O Sr. Presidente (António Filipe): — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado João Cotrim de

Figueiredo.

O Sr. João Cotrim de Figueiredo (IL): — Sr. Presidente, Srs. Deputados: Antes de se chegar ao ensino

superior, há um longo caminho a fazer e, nesse caminho, há a lamentar que, este ano, os alunos que queriam

fazer melhoria de nota em exame nacional não o tenham podido fazer. Perante a óbvia injustiça da decisão do

Governo, estes alunos fizeram o que podiam, enviando mensagens e e-mails aos Deputados e criando petições.

Alguns partidos, entre eles a Iniciativa Liberal, fizeram propostas no sentido de lhes ser dada essa oportunidade,

mas foram todas rejeitadas pelo Governo e pela maioria deste Parlamento. Porquê? A única explicação é a de

que os interesses dos professores valem mais do que os interesses dos alunos. É, assim, hipotecado o futuro

de milhares de jovens para agradar a quem tem poder e sabe pressionar.

O Sr. Jorge Costa (BE): — Podem sempre ir para a universidade de verão.

O Sr. João Cotrim de Figueiredo (IL): — A verdade é que os sindicalistas votam e estes jovens ainda não

votam. A maioria dos partidos prefere estar de bem com os sindicatos, nós preferimos estar ao lado dos jovens,

mesmo que isso não dê votos.

Quanto ao próximo ano letivo, o Sr. Ministro responsável pelo Ensino Superior afirmou que o ensino superior

«vai, certamente, ser presencial» e que cabe às instituições adaptarem-se às regras sanitárias. É o que faz

sentido, não só no ensino superior como em todos os ciclos de ensino, mas o seu colega da Educação não tem

mostrado a mesma vontade nem está preparado para planear seja o que for no próximo ano letivo.

Já não bastava termos um País e dois sistemas, agora temos um Governo e duas visões. O que é comum?

Em ambos os casos, os jovens são os prejudicados. Uma geração inteira vítima dos interesses eleitoralistas de

uns e da incompetência de outros, mas uma geração inteira que a Iniciativa Liberal continuará sempre a

defender.

Páginas Relacionadas
Página 0095:
27 DE JUNHO DE 2020 95 Srs. Deputados, segue-se a votação de dois req
Pág.Página 95