O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 68

90

O Sr. Ascenso Simões (PS): — Sr. Presidente, é para interpelar a Mesa, nos termos do Regimento, sobre

a condução dos trabalhos.

O Sr. Presidente (António Filipe): — Faça favor, Sr. Deputado.

O Sr. Ascenso Simões (PS): — Sr. Presidente, é para sensibilizar V. Ex.ª e, através de V. Ex.ª, o Sr.

Presidente da Assembleia da República para a circunstância de, nesta semana, termos tido duas sessões, na

quarta-feira e na quinta-feira, que terminaram entre as 17 horas e as 17 horas e 30 minutos, e de hoje, sexta-

feira — quando há um vasto conjunto de Deputados que têm as suas famílias, têm as suas vidas e até têm

atividade parlamentar à tarde —, às 15 horas ainda estarmos aqui.

Gostaria de sensibilizar a Mesa no sentido de não fazermos esta desconsideração para com os Deputados

que não vivem em Lisboa. É normal que os Deputados que vivem em Lisboa e que até têm outras atividades

ainda possam, à quarta-feira e à quinta-feira, ir aos seus escritórios para trabalhar, mas quem não é de Lisboa

tem a penalização de estar aqui até esta hora.

Aplausos da Deputada do CDS-PP Cecília Meireles.

A Sr.ª Ana Rita Bessa (CDS-PP): — Tem toda a razão!

O Sr. Presidente (António Filipe): — Sr. Deputado, registamos a sua opinião e ficaremos todos

sensibilizados, mas, como compreenderá, neste momento a Mesa não tem nenhuma resposta para lhe dar.

Peço agora à Sr.ª Secretária Maria de Luz Rosinha para ler o Projeto de Voto n.º 266/XIV/1.ª (apresentado

pelo PAN) — De pesar pela morte de Dame Vera Lynn, para que depois possamos passar à respetiva votação.

A Sr.ª Secretária (Maria da Luz Rosinha): — Sr. Presidente, Srs. Deputados, é do seguinte teor:

«Dame Vera Margaret Lynn faleceu no passado dia 18 de junho, aos 103 anos. Nascida a 20 de março de

1917, Dame Vera Lynn tornou-se numa das mais famosas cantoras e compositoras britânicas.

Conhecida como a ‘querida das Forças Armadas’ — ‘Forces Sweetheart’ —, a cantora era a voz da esperança

na Segunda Guerra Mundial. As suas músicas We’ll meet again e The white cliffs of Dover foram, na época, um

símbolo de alento para os britânicos, motivando os soldados que se encontravam nas diversas frentes de

batalha, bem como as famílias que os aguardavam na Grã-Bretanha. Dame Vera Lynn cantava as suas músicas

aos britânicos que se refugiavam dos bombardeamentos alemães nas estações de metro londrinas, chegando

a visitar as tropas britânicas no Egito, na Índia e na Birmânia.

Mais recentemente, durante a pandemia da COVID-19, a Rainha Isabel II inspirou-se numa destas músicas

para passar uma mensagem de alento aos britânicos: ‘Voltaremos a encontrar-nos’, disse a monarca à nação.

Após este discurso, os britânicos juntaram-se num canto coletivo deste hino.

O seu lugar no coração de todos os britânicos foi reconhecido oficialmente, quando recebeu a Excelentíssima

Ordem do Império Britânico em 1969, o título de ‘Dame’ em 1975 e a Ordem de Companheira de Honra em

2016.

Dame Vera Lynn dedicou grande parte da sua vida ao trabalho de voluntariado e solidariedade com crianças

portadoras de deficiência cujos pais tinham sido soldados, bem como à causa do cancro da mama. Era muito

admirada pelos veteranos da Segunda Guerra Mundial e, no ano de 2000, foi nomeada como a britânica que

melhor representava o espírito do século XXI.

A Assembleia da República, reunida em sessão plenária, manifesta o seu pesar pelo falecimento de Dame

Vera Lynn e apresenta sentidas condolências à sua família.»

O Sr. Presidente (António Filipe): — Vamos votar.

Submetido à votação, foi aprovado por unanimidade.

Srs. Deputados, vamos guardar 1 minuto de silêncio.

Páginas Relacionadas
Página 0095:
27 DE JUNHO DE 2020 95 Srs. Deputados, segue-se a votação de dois req
Pág.Página 95