O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 47

44

Foi ainda diretor titular da Orquestra Sinfónica do Porto, conselheiro artístico de Lisboa, Cidade da Música,

criador da iniciativa Música em Diálogo e fundador da Orquestra Clássica do Porto.

Em 1998, com o apoio da Câmara Municipal de Fafe, fundou uma Academia de Música naquela cidade, à

qual foi dado o seu nome.

Ao longo da sua longa e rica intervenção de divulgação musical, Atalaya foi um empenhado defensor da

necessidade de ‘destruir a barreira entre o público e o artista’ e de ‘informalizar os concertos’, procurando alargar

a fruição a novos públicos e cativar as gerações mais novas.

Assim, a Assembleia da República reunida em sessão plenária, presta homenagem ao legado do Maestro

José Atalaya e ao seu papel na vida cultural e musical portuguesa das últimas décadas, e endereça aos seus

familiares e amigos as suas sentidas condolências.»

O Sr. Presidente (António Filipe): — Srs. Deputados, vamos votar a parte deliberativa do projeto de voto que

acaba de ser lido.

Submetida à votação, foi aprovada por unanimidade, registando-se a ausência do CH.

Passamos, agora, ao Projeto de Voto n.º 475/XIV/2.ª (apresentado pelo PAR e subscrito pelo PS, pelo PSD,

pelo BE, pelo PCP, pelo CDS-PP, pelo PAN, pelo CH, pelo IL e pelas Deputadas não inscritas Cristina Rodrigues

e Joacine Katar Moreira) — De pesar pelo falecimento de Carmen Dolores.

Peço à Sr.ª Secretária Maria de Luz Rosinha o favor de ler este projeto de voto.

A Sr.ª Secretária (Maria da Luz Rosinha): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, o projeto de voto é do

seguinte teor:

«Faleceu, no passado dia 15 de fevereiro, aos 96 anos, a atriz Carmen Dolores.

Carmen Dolores foi uma das grandes atrizes portuguesas, tendo-se notabilizado no teatro, no cinema, na

rádio e na televisão.

Na rádio, onde começou a sua carreira, distinguiu-se a declamar poesia e como atriz de teatro radiofónico.

Foi também por esta altura que, aos 21 anos, Carmen Dolores aderiu ao Conselho Nacional das Mulheres

Portuguesas, uma organização feminista de defesa dos direitos sociais e políticos das mulheres, que o regime

do Estado Novo viria a encerrar em 1947.

Na televisão, participou em várias telenovelas, como ABanqueira do Povo ou A Lenda da Garça.

No teatro, Carmen Dolores estreou-se em 1945, no Teatro da Trindade, com Electra, a mensageira dos

deuses, de Jean Giraudoux. Em 1951, passou a trabalhar no Teatro Nacional D. Maria II, sob a direção de

Amélia Rey Colaço, onde participou em peças como Frei Luís de Sousa, de Almeida Garrett. Ao longo das

décadas, esteve ainda ligada, entre outros, ao Teatro Nacional Popular, assim como ao Teatro Moderno de

Lisboa, que ajudou a fundar, em 1961.

Foi também protagonista em vários filmes de cinema, como Amor de Perdição, de Leitão de Barros, ou A

Balada da Praia dos Cães, de José Fonseca e Costa.

Carmen Dolores teve uma profícua carreira de mais de 60 anos. Retirar-se-ia dos palcos aos 81 anos, com

a peça Copenhaga, no Teatro Aberto, encenada por João Lourenço.

O percurso desta notável atriz foi reconhecido pelo público, assim como por várias entidades, tendo-lhe sido

atribuída a Medalha de Ouro da Câmara Municipal de Lisboa, o Prémio Sophia de Carreira da Academia

Portuguesa de Cinema ou o Prémio António Quadros, de Teatro.

Carmen Dolores foi ainda distinguida como Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique, pelo Presidente

da República Jorge Sampaio e, em 2018, como Grande-Oficial da Ordem do Mérito, pelo Presidente da

República Marcelo Rebelo de Sousa, distinção conferida no Teatro da Trindade, cuja sala principal tem hoje,

merecidamente, o seu nome.

As reações à sua morte comprovam a admiração e o prestígio de que gozava, nomeadamente entre os seus

pares de profissão, que lhe destacam as qualidades humanas, assim como o empenho na defesa dos

profissionais das artes, tendo sido uma das fundadoras da Casa do Artista.

Páginas Relacionadas
Página 0045:
26 DE FEVEREIRO DE 2021 45 A Assembleia da República, reunida em sessão plenária, m
Pág.Página 45