O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

1 DE ABRIL DE 2021

69

Ir por este caminho é criar um sistema financeiro sob forte pressão, elevando os níveis de crédito em

incumprimento, obrigando à criação de imparidades e gerando grandes problemas para os bancos.

Ir por este caminho é criar falsas expetativas, é não ser sério e é não dizer a verdade aos portugueses.

Qualquer alteração ao regime das moratórias, a ser feita, só pode ser feita no quadro europeu, como ocorreu

até aqui, tanto nas moratórias privadas como nas moratórias públicas — aliás, as moratórias privadas que

cessam hoje correspondem a 10% do global das moratórias.

O momento convoca-nos para o trabalho com o Governo, com o sistema financeiro, com as famílias e com

as empresas, não nos convoca para a demagogia, não nos convoca para enganar os portugueses.

Protestos do Deputado do PCP Bruno Dias.

Tudo o que não passe por este caminho, Srs. Deputados, é minar a confiança nas instituições, e não contem

com o Partido Socialista para essa tarefa.

A democracia precisa de uma oposição responsável e séria, mas o que o PSD está a oferecer aos

portugueses, perdoem-me, é uma oposição desqualificada e não séria.

Aplausos do PS.

O Sr. Afonso Oliveira (PSD): — Ouviu mal, Sr. Deputado!

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Tem a palavra o Sr. Deputado Duarte Alves, do PCP.

O Sr. Duarte Alves (PCP): — Sr. Presidente, antes de mais, queria precisamente perguntar se não há mais

intervenções, porque…

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Não há mais inscrições, Sr. Deputado.

O Sr. Duarte Pacheco (PSD): — Sr. Presidente, peço desculpa, se me permite, gostaria, ainda, de fazer

uma intervenção.

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Afinal, Sr. Deputado Duarte Alves, parece que surgiu agora uma.

Tem a palavra, Sr. Deputado Duarte Pacheco.

O Sr. Duarte Pacheco (PSD): — Sr. Presidente, mais uma vez, peço desculpa, mas, como havia partidos

que ainda dispunham de tempo, poderia não ser já a intervenção de encerramento.

Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Vamos ser muito claros. Às vezes, as pessoas só ouvem aquilo que

querem ouvir e esquecem-se de estar atentas a toda a intervenção pública. Acontece a qualquer mortal, e

também aconteceu ao Sr. Deputado Fernando Anastácio.

Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: O que é paradoxal é que Portugal vive ainda em estado de

emergência, com restrições gravíssimas para a atividade económica e para as famílias, a crise económica dá

sinais de agravamento, as pessoas não podem circular entre concelhos, não podem ir a um restaurante comer,

mas, para os senhores, podem começar, desde já, a pagar.

O Sr. Carlos Silva (PSD): — Muito bem!

O Sr. Duarte Pacheco (PSD): — Aqui é que está a diferença.

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Sr. Deputado, queira terminar.

O Sr. Duarte Pacheco (PSD): — Para terminar, Sr. Presidente, nós dizemos o seguinte: precisamente

enquanto vigorarem todas estas restrições, também as moratórias devem ser prolongadas, exclusivamente

Páginas Relacionadas
Página 0074:
I SÉRIE — NÚMERO 53 74 para serem alvejadas com projéteis de chumbo.
Pág.Página 74
Página 0075:
1 DE ABRIL DE 2021 75 Apesar dos avanços legislativos verificados nos últimos anos
Pág.Página 75