O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

27 DE MAIO DE 2021

13

A Sr.ª Diana Ferreira (PCP): — Mais, Sr.ª Deputada, o PSD e o CDS, em 2013, contribuíram com alterações legislativas para facilitar a prática de abusos e ilegalidades nas agências que colocavam trabalhadores, Sr.ª

Deputada.

Vozes do PCP e do PEV: — Muito bem!

A Sr.ª Diana Ferreira (PCP): — É o vosso legado: a precariedade e a exploração dos trabalhadores. Para esse caminho, não está cá o PCP. O nosso caminho é o da defesa dos direitos de todos os

trabalhadores, do direito ao pleno emprego, do direito à estabilidade na vida de todos os dias.

Aplausos do PCP.

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para apresentar o Projeto de Resolução n.º 1273/XIV/2.ª, do PEV, tem a palavra o Sr. Deputado José Luís Ferreira.

O Sr. José Luís Ferreira (PEV): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Começo por cumprimentar o Bloco por ter agendado a necessidade de reforçar os mecanismos de combate ao trabalho forçado e outras

formas de exploração laboral, propostas que, globalmente, acompanhamos, assim como acompanhamos a

proposta do PCP.

Acompanhamos porque, já há muito, mas sobretudo agora, quando falamos, por exemplo, do Parque Natural

do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, não falamos apenas do problema da agricultura intensiva e da

proliferação de plástico que invade este Parque Natural, falamos também dos milhares de trabalhadores

agrícolas que são vítimas de redes de auxílio à imigração ilegal, de tráfico de pessoas e até de fortes suspeitas

de escravatura.

Infelizmente, Odemira não é caso único. Basta olhar para o que se continua a passar no Estuário do Tejo,

com a apanha ilegal da ameijoa, um negócio controlado por redes criminosas organizadas que envolvem

milhares de imigrantes que, além de serem profundamente explorados, são sistematicamente coagidos. Não há

recibos nem de compra nem de venda, logo não há impostos, nem licenças, o que, em muitos casos, aliás, nem

deveria ser possível, uma vez que a ameijoa, nalguns desses locais, está contaminada com metais pesados e,

portanto, a apanha, aí, é proibida.

Muitos destes mariscadores vivem em locais sem o mínimo de dignidade e sem quaisquer condições

sanitárias, tal como em Odemira, e nalguns casos até piores, e são igualmente vítimas de redes de auxílio à

imigração ilegal e de tráfico de pessoas. Ou seja, em Odemira, no Estuário do Tejo, no Ribatejo e em tantas

outras regiões do País, a exploração laboral tem por trás cadeias de contratação, subcontratação e prestação

de serviços que, procurando desvirtuar a normal relação de trabalho, permitem ainda dispersar o rasto da

responsabilização pelas mais variadas violações da legislação.

Exige-se, assim, um combate sério a este grave problema de ampla precariedade, que muitas vezes tem

ainda associadas redes de tráfico de mão de obra, aproveitando a fragilidade de trabalhadores migrantes

chegados ao nosso País.

Estes trabalhadores precários auferem salários mais baixos do que os demais, desconhecem os seus direitos

e encontram-se sujeitos a uma completa desproteção. Falamos de situações que refletem a precariedade que

tem vindo a representar uma prática recorrente e que se alastra pelas mais variadas zonas do País, nos campos

mas também nas fábricas e noutros setores.

Com elevados níveis no sector primário, é certo, mas com expressão em muitos outros, a precariedade

encontra-se hoje demasiado presente e está quase institucionalizada como forma de desresponsabilizar a

entidade patronal e de acentuar a degradação das condições de vida de quem se vê forçado a trabalhar sem

direitos.

Desta forma, o trabalhador perde em toda a linha, perde direitos, ou não chega sequer a adquiri-los, perde

segurança no emprego e perde em termos salariais.

Na verdade, os falsos recibos verdes, por serem falsos, constituem uma verdadeira mentira e os contratos a

prazo, bem como os contratos de trabalho temporário, os contratos de emprego e de inserção, os estágios

profissionais, as ocupações de tempos livres que visam satisfazer necessidades permanentes não são,

Páginas Relacionadas
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 70 4 A Sr.ª Secretária (Maria da Luz Rosinha): — Sr.
Pág.Página 4
Página 0005:
27 DE MAIO DE 2021 5 Odemira e as várias «Odemiras» do País são o retrato de um mod
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 70 6 A estes bloqueios somam-se dificuldades processuais. A
Pág.Página 6
Página 0007:
27 DE MAIO DE 2021 7 Aprovámos e instituímos mecanismos judiciais e instrumentos ju
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 70 8 O Bloco de Esquerda apresenta este projeto de lei, em
Pág.Página 8
Página 0009:
27 DE MAIO DE 2021 9 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Havia um inspetor do tr
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 70 10 A realidade da precariedade, da arbitrariedade e da v
Pág.Página 10
Página 0011:
27 DE MAIO DE 2021 11 Se foram, assim, dados passos relevantes na seletividade e fo
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 70 12 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Eles é que exp
Pág.Página 12
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 70 14 substancialmente, nem contratos a prazo, nem contrato
Pág.Página 14
Página 0015:
27 DE MAIO DE 2021 15 Vicentina. E depois da destruição que ali está, o que é que l
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 70 16 permitiriam termos uma outra natureza e uma outra tem
Pág.Página 16
Página 0017:
27 DE MAIO DE 2021 17 Sr. Deputado, a única coisa que soube dizer, relativamente a
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 70 18 é isso mesmo que temos de fazer agora: voltar atrás,
Pág.Página 18
Página 0019:
27 DE MAIO DE 2021 19 Foi por isso que, também em 2017, pela mão do Partido Sociali
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 70 20 superou largamente a média de cerca de 300 pedidos se
Pág.Página 20
Página 0021:
27 DE MAIO DE 2021 21 A Sr.ª Fernanda Velez (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. D
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 70 22 A Sr.ª Constança Urbano de Sousa (PS): — Portanto, en
Pág.Página 22
Página 0023:
27 DE MAIO DE 2021 23 O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma interve
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 70 24 Sabemos também que os proprietários não alteraram as
Pág.Página 24
Página 0025:
27 DE MAIO DE 2021 25 … em vez de se preocuparem com a falta de atuação do Governo,
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 70 26 O Sr. Jorge Costa (BE): — Nota-se! A S
Pág.Página 26
Página 0027:
27 DE MAIO DE 2021 27 Odemira, para perceber qual é a realidade daquelas estufas. D
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 70 28 A Sr.ª Emília Cerqueira (PSD): — Anda distraído!
Pág.Página 28
Página 0029:
27 DE MAIO DE 2021 29 Aplausos do PS. O Sr. Presidente (Fernando Negr
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 70 30 Como sabe, estamos ambos na Comissão de Agricu
Pág.Página 30
Página 0031:
27 DE MAIO DE 2021 31 O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma intervenção, t
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 70 32 entanto, estas operações revelam-se insuficientes par
Pág.Página 32
Página 0033:
27 DE MAIO DE 2021 33 Mais: combatemos o défice de qualificação dos portugueses com
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 70 34 a falar de matérias laborais, estamos a falar de expl
Pág.Página 34
Página 0035:
27 DE MAIO DE 2021 35 obrigatório, em junho de 2014, em conjunto com 50 Estados-Mem
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 70 36 aqui teve: o problema não é o fazendeiro, o problema
Pág.Página 36
Página 0037:
27 DE MAIO DE 2021 37 Para terminar, o Governo primou pela sua ausência no debate.
Pág.Página 37