O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 70

22

A Sr.ª Constança Urbano de Sousa (PS): — Portanto, enganam-se, esta legislação não foi causa de precarização. Muito pelo contrário, permitiu a um número muito significativo de pessoas, que são necessárias

no nosso País, legalizar a sua situação.

Quanto à questão posta pela Sr.ª Deputada Fernanda Velez, é claro que o Partido Socialista, como partido

que considera indigno o trabalho forçado, não se fica apenas pelas palavras e vai valorizar as propostas que

estão em cima da mesa, vai discuti-las e está aberto a discuti-las com seriedade.

Aplausos do PS.

A Sr.ª Clara Marques Mendes (PSD): — Mais uma vez, fingem que fazem!

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma intervenção, tem a palavra a Sr.ª Deputada Beatriz Gomes Dias, do Bloco de Esquerda.

A Sr.ª Beatriz Gomes Dias (BE): — Sr. Presidente, quero começar por fornecer dados que muitas das pessoas que querem criminalizar a imigração procuram esconder. Os imigrantes que não têm a sua situação

regularizada, que vivem há anos — há mais de seis anos, em alguns casos — em Portugal, contribuíram com

88 milhões de euros para a segurança social, tendo recebido apenas 111 milhões de euros. Quer dizer, este é

o saldo líquido do contributo das pessoas migrantes para a riqueza do País. E isto é muito importante para se

saber o que recebem em troca. Em troca, recebem a sua situação no País em suspenso, as suas vidas em

suspenso, porque não há mecanismos que permitam a sua regularização.

Este é o primeiro ponto que queria trazer à colação para poder recentrar o debate. O debate deve estar nas

pessoas que estão a ser vítimas de exploração e também naqueles que exploram estas pessoas, que não lhes

pagam salários dignos e que subcontratam para não serem responsabilizados por esta situação de exploração,

que se mantém há anos. Esta situação não é nova, já foi falada várias vezes, e não se trata exclusivamente de

um atentado aos direitos humanos. É, evidentemente, um atentado aos direitos humanos, porque estas pessoas

vivem em condições insalubres, com os seus salários retidos em muitos casos, sem lhes ser pago alojamento

em casas sobrelotadas e sem lhes serem pagos transportes, mas é também uma questão de dignificação do

trabalho e da garantia dos direitos do trabalho destes trabalhadores e destas trabalhadoras. Estes trabalhadores

e estas trabalhadoras contribuem, todos os dias, com a força do seu trabalho para o desenvolvimento

tecnológico, cultural e económico do nosso País,…

O Sr. Jorge Costa (BE): — Muito bem!

A Sr.ª Beatriz Gomes Dias (BE): — … e recebem em troca um conjunto de ideias pré-concebidas, de estigmatização e de divisões preconceituosas, que, no nosso País, os identifica como sendo pessoas criminosas

ou vítimas de crime. São vítimas de crime em muitos casos e precisamos de fiscalizar isso, mas, por outro lado,

estas pessoas vêm a Portugal à procura de melhores condições de vida. É a isso que devemos responder, é a

isso que devemos olhar e é isso que elas esperam de nós, porque a sua vida merece ser tratada com dignidade,

o trabalho que elas exercem merece ser respeitado e o salário que elas recebem merece ser digno. É isso que

estamos aqui a discutir: formas e medidas para acabar com a exploração destas pessoas e com a precariedade

a que elas estão sujeitas.

Todos os anos são publicados dados segundo os quais as pessoas estrangeiras, em Portugal, recebem, em

média, menos 100 € do que as pessoas portuguesas, quando desempenham as mesmas funções. Portanto, é

preciso corrigir isso. Precisamos acabar com este gap salarial que existe entre aqueles que vêm a Portugal, que

trabalham em Portugal e que contribuem para a riqueza do País e aqueles que exercem as mesmas funções e

que têm nacionalidade portuguesa.

Portanto, vamos acabar com os equívocos neste debate, vamos acabar com a desinformação e vamos dar

direitos dignos às pessoas que vivem connosco, na nossa comunidade nacional, e que contribuem para a

riqueza e desenvolvimento deste País.

Aplausos do BE.

Páginas Relacionadas
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 70 4 A Sr.ª Secretária (Maria da Luz Rosinha): — Sr.
Pág.Página 4
Página 0005:
27 DE MAIO DE 2021 5 Odemira e as várias «Odemiras» do País são o retrato de um mod
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 70 6 A estes bloqueios somam-se dificuldades processuais. A
Pág.Página 6
Página 0007:
27 DE MAIO DE 2021 7 Aprovámos e instituímos mecanismos judiciais e instrumentos ju
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 70 8 O Bloco de Esquerda apresenta este projeto de lei, em
Pág.Página 8
Página 0009:
27 DE MAIO DE 2021 9 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Havia um inspetor do tr
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 70 10 A realidade da precariedade, da arbitrariedade e da v
Pág.Página 10
Página 0011:
27 DE MAIO DE 2021 11 Se foram, assim, dados passos relevantes na seletividade e fo
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 70 12 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Eles é que exp
Pág.Página 12
Página 0013:
27 DE MAIO DE 2021 13 A Sr.ª Diana Ferreira (PCP): — Mais, Sr.ª Deputada, o PSD e o
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 70 14 substancialmente, nem contratos a prazo, nem contrato
Pág.Página 14
Página 0015:
27 DE MAIO DE 2021 15 Vicentina. E depois da destruição que ali está, o que é que l
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 70 16 permitiriam termos uma outra natureza e uma outra tem
Pág.Página 16
Página 0017:
27 DE MAIO DE 2021 17 Sr. Deputado, a única coisa que soube dizer, relativamente a
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 70 18 é isso mesmo que temos de fazer agora: voltar atrás,
Pág.Página 18
Página 0019:
27 DE MAIO DE 2021 19 Foi por isso que, também em 2017, pela mão do Partido Sociali
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 70 20 superou largamente a média de cerca de 300 pedidos se
Pág.Página 20
Página 0021:
27 DE MAIO DE 2021 21 A Sr.ª Fernanda Velez (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. D
Pág.Página 21
Página 0023:
27 DE MAIO DE 2021 23 O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma interve
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 70 24 Sabemos também que os proprietários não alteraram as
Pág.Página 24
Página 0025:
27 DE MAIO DE 2021 25 … em vez de se preocuparem com a falta de atuação do Governo,
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 70 26 O Sr. Jorge Costa (BE): — Nota-se! A S
Pág.Página 26
Página 0027:
27 DE MAIO DE 2021 27 Odemira, para perceber qual é a realidade daquelas estufas. D
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 70 28 A Sr.ª Emília Cerqueira (PSD): — Anda distraído!
Pág.Página 28
Página 0029:
27 DE MAIO DE 2021 29 Aplausos do PS. O Sr. Presidente (Fernando Negr
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 70 30 Como sabe, estamos ambos na Comissão de Agricu
Pág.Página 30
Página 0031:
27 DE MAIO DE 2021 31 O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma intervenção, t
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 70 32 entanto, estas operações revelam-se insuficientes par
Pág.Página 32
Página 0033:
27 DE MAIO DE 2021 33 Mais: combatemos o défice de qualificação dos portugueses com
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 70 34 a falar de matérias laborais, estamos a falar de expl
Pág.Página 34
Página 0035:
27 DE MAIO DE 2021 35 obrigatório, em junho de 2014, em conjunto com 50 Estados-Mem
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 70 36 aqui teve: o problema não é o fazendeiro, o problema
Pág.Página 36
Página 0037:
27 DE MAIO DE 2021 37 Para terminar, o Governo primou pela sua ausência no debate.
Pág.Página 37