O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

27 DE MAIO DE 2021

23

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma intervenção, tem a palavra o Sr. Deputado João Cotrim de Figueiredo, da Iniciativa Liberal.

O Sr. João Cotrim de Figueiredo (IL): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: A agricultura tem sido o parente pobre da economia portuguesa. E, no entanto, a agricultura cresce, moderniza-se, fixa populações e faz

mais pelo interior do que as palavras ocas de um Governo centralista ou de uma esquerda de foco urbano e

desconhecedora da realidade do mundo rural.

Há aqui partidos que não conseguem, ou não querem, perceber que agricultura, crescimento,

desenvolvimento das pessoas, da sua vida e condições de trabalho dignas e até — pasme-se! — preservação

do ambiente não só não são inconciliáveis como podem caminhar lado a lado.

O dogmatismo e miopia desses partidos impede-os de admitir soluções de compromisso ou de consenso

alargado. Preferem continuar a estigmatizar os agricultores e os empresários agrícolas, preferem insistir em

falsas dicotomias entre agricultura e turismo ou entre desenvolvimento e ambiente.

É fundamental reforçar a fiscalização das condições de trabalho dos trabalhadores agrícolas? Sim.

É urgente tirar da legislação os incentivos à utilização de empresas que exploram e abusam dos

trabalhadores? Sim.

É necessário cuidar da preservação do meio ambiente e da utilização da água e outros recursos naturais?

Sim.

É importante que seja dada à agricultura o relevo que merece para continuar a contribuir para o nosso

crescimento? Sim.

É possível e é desejável conciliar todos estes interesses, mas tal só poderá fazer-se por consenso entre os

trabalhadores, os agricultores e as populações locais.

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Queira terminar, Sr. Deputado.

O Sr. João Cotrim de Figueiredo (IL): — Não será, Sr. Presidente, por um centralista qualquer sentado em Lisboa, que decidiu criar mais níveis de decisão, bem longe do terreno.

E as propostas que preveem isso terão o nosso voto contra.

Protestos da Deputada do BE Beatriz Gomes Dias.

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma intervenção, tem a palavra a Sr.ª Deputada Maria Manuel Rola, do Bloco de Esquerda.

A Sr.ª Maria Manuel Rola (BE): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Aquilo a que temos vindo a assistir nos últimos dois meses era previsível desde 2011 e também era visível desde 2016, e foi para isso mesmo que

o Bloco de Esquerda alertou, na altura.

Mas, Sr.as e Srs. Deputados, a migração massiva de trabalhadores para cidades com oferta de trabalho

ocorreu também em vários períodos da História. O mais documentado tem sido o da Revolução Industrial,

quando milhares de migrantes camponeses acorriam às cidades do Porto, de Lisboa, de Setúbal e da Covilhã,

no nosso País, para trabalhar. E ocorreu, nessa altura, aquilo que, agora, já deveríamos saber evitar: falta de

planeamento e de infraestruturas nas cidades, capazes de acolher os trabalhadores; trabalhadores albergados,

em condições miseráveis, por rendas altíssimas; trabalhadores albergados nos quintais dos patrões, numa

mimetização do regime feudal; exploração, insalubridade, sobrelotação, doenças. Qualquer semelhança com

Odemira, o Alentejo ou o Ribatejo é, de facto, a história a repetir-se. No século XIX, fizeram-se inventários e

promoveu-se a construção das vilas operárias. No século XXI, a resposta tem de estar à altura do que já

aprendemos no passado: nem o mercado, nem os proprietários vão resolver o problema. Mas não podemos

deixar de responsabilizar os patrões por salários de miséria, aos quais, muitas vezes, ainda subtraem rendas

especulativas em troca de tugúrios.

Já sabemos que as condições de habitabilidade desses e de outros trabalhadores são um problema de saúde

pública, para além de serem evidentes situações de exploração, escravatura e sonegação de direitos humanos.

Páginas Relacionadas
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 70 4 A Sr.ª Secretária (Maria da Luz Rosinha): — Sr.
Pág.Página 4
Página 0005:
27 DE MAIO DE 2021 5 Odemira e as várias «Odemiras» do País são o retrato de um mod
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 70 6 A estes bloqueios somam-se dificuldades processuais. A
Pág.Página 6
Página 0007:
27 DE MAIO DE 2021 7 Aprovámos e instituímos mecanismos judiciais e instrumentos ju
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 70 8 O Bloco de Esquerda apresenta este projeto de lei, em
Pág.Página 8
Página 0009:
27 DE MAIO DE 2021 9 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Havia um inspetor do tr
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 70 10 A realidade da precariedade, da arbitrariedade e da v
Pág.Página 10
Página 0011:
27 DE MAIO DE 2021 11 Se foram, assim, dados passos relevantes na seletividade e fo
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 70 12 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Eles é que exp
Pág.Página 12
Página 0013:
27 DE MAIO DE 2021 13 A Sr.ª Diana Ferreira (PCP): — Mais, Sr.ª Deputada, o PSD e o
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 70 14 substancialmente, nem contratos a prazo, nem contrato
Pág.Página 14
Página 0015:
27 DE MAIO DE 2021 15 Vicentina. E depois da destruição que ali está, o que é que l
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 70 16 permitiriam termos uma outra natureza e uma outra tem
Pág.Página 16
Página 0017:
27 DE MAIO DE 2021 17 Sr. Deputado, a única coisa que soube dizer, relativamente a
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 70 18 é isso mesmo que temos de fazer agora: voltar atrás,
Pág.Página 18
Página 0019:
27 DE MAIO DE 2021 19 Foi por isso que, também em 2017, pela mão do Partido Sociali
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 70 20 superou largamente a média de cerca de 300 pedidos se
Pág.Página 20
Página 0021:
27 DE MAIO DE 2021 21 A Sr.ª Fernanda Velez (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. D
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 70 22 A Sr.ª Constança Urbano de Sousa (PS): — Portanto, en
Pág.Página 22
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 70 24 Sabemos também que os proprietários não alteraram as
Pág.Página 24
Página 0025:
27 DE MAIO DE 2021 25 … em vez de se preocuparem com a falta de atuação do Governo,
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 70 26 O Sr. Jorge Costa (BE): — Nota-se! A S
Pág.Página 26
Página 0027:
27 DE MAIO DE 2021 27 Odemira, para perceber qual é a realidade daquelas estufas. D
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 70 28 A Sr.ª Emília Cerqueira (PSD): — Anda distraído!
Pág.Página 28
Página 0029:
27 DE MAIO DE 2021 29 Aplausos do PS. O Sr. Presidente (Fernando Negr
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 70 30 Como sabe, estamos ambos na Comissão de Agricu
Pág.Página 30
Página 0031:
27 DE MAIO DE 2021 31 O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma intervenção, t
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 70 32 entanto, estas operações revelam-se insuficientes par
Pág.Página 32
Página 0033:
27 DE MAIO DE 2021 33 Mais: combatemos o défice de qualificação dos portugueses com
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 70 34 a falar de matérias laborais, estamos a falar de expl
Pág.Página 34
Página 0035:
27 DE MAIO DE 2021 35 obrigatório, em junho de 2014, em conjunto com 50 Estados-Mem
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 70 36 aqui teve: o problema não é o fazendeiro, o problema
Pág.Página 36
Página 0037:
27 DE MAIO DE 2021 37 Para terminar, o Governo primou pela sua ausência no debate.
Pág.Página 37