O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 70

24

Sabemos também que os proprietários não alteraram as condições, mesmo com as rendas exorbitantes que

praticam. As rendas que se sacam a estes trabalhadores já permitiriam ter garantido condições de habitabilidade,

pelo que devem ser penalizados por albergarem pessoas de forma desumana nas suas propriedades, contra a

lei, contra a Constituição e contra os direitos humanos.

Existe, por isso, claramente, uma necessidade e até legitimidade para que o Estado proceda à requisição,

reabilitação e disponibilização nos programas de rendas controladas do Estado. Podem ainda ser construídas

habitações temporárias em terrenos da própria cidade, garantindo o acesso a serviços públicos, a transportes,

a infraestruturas de saneamento, inclusão territorial e, ainda, à estabilidade que qualquer pessoa merece.

Estes trabalhadores poderão trabalhar em várias zonas do País ou até da Península, mas, como qualquer

pessoa, precisam de um espaço com estabilidade e um espaço de pertença, de habitabilidade e de salubridade.

Os temporários num local também precisam de estabilização e raízes. Num Alentejo despovoado, não se

pode dizer que não exista espaço para tal. E, sim, deve e pode haver. Há escolas vazias, habitações

desocupadas, serviços de apoio social também desocupados, terreno abundante e, agora, há também espaços

turísticos subutilizados.

Se houver coragem política, podemos, de facto, mudar a forma de entender o trabalho e a habitação,

deixando de vez os modelos feudais e escravocratas onde eles deviam estar, que é no passado. E, digo, Sr.as

e Srs. Deputados, já está mais do que na hora.

Aplausos do BE.

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma intervenção, tem a palavra a Sr.ª Deputada Emília Cerqueira, do PSD.

A Sr.ª Emília Cerqueira (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Começo por deixar um cumprimento para o ausente Governo, pela importância que dá a este debate.

O PSD, como partido personalista e humanista que é, tem, como sempre teve, o homem e os direitos

humanos na centralidade das suas preocupações e das suas políticas.

O trabalho forçado, as novas formas de escravatura, bem como o trabalho sem direitos, que vão das

situações de exploração sexual até ao trabalho agrícola, estão no centro das nossas preocupações.

Fruto, aliás, dessas preocupações, o Governo PSD/CDS subscreveu o Protocolo de 2014 à Convenção sobre

o Trabalho Forçado, agora ratificado, onde se reconhece que «a proibição do trabalho forçado ou obrigatório é

um dos direitos fundamentais, e que o trabalho forçado ou obrigatório constitui uma violação dos direitos

humanos e um ataque à dignidade de milhões de mulheres e homens, de raparigas e de rapazes, contribui para

a perpetuação da pobreza e dificulta a realização de um trabalho digno para todos».

Esse desiderato deve ser garantido através de medidas concretas de combate à escravidão moderna sob

todas as suas formas, quer ao nível da prevenção, proteção e reabilitação, quer através da fiscalização do

trabalho e de outros serviços que protejam os trabalhadores da exploração, bem como sancionando as práticas

abusivas e fraudulentas dos recrutadores e das agências de emprego.

O Bloco de Esquerda agendou este debate sobre trabalho forçado, o que, à primeira vista, aliás, parece um

debate bem-intencionado, revelador de uma genuína preocupação com os direitos humanos e, portanto,

merecedor do maior apoio do PSD. Infelizmente, essa bondade é apenas aparente, porque, se atentarmos nas

iniciativas hoje em discussão, rapidamente podemos verificar que este debate se refere a tudo menos a uma

genuína preocupação com os direitos humanos, mas tão-só a um ataque à produção agrícola.

Protestos do BE.

Aliás, num timbre a que já nos vem habituando, o Bloco e Esquerda, o PCP e também o PEV, nomeadamente

no caso de Odemira — que, aliás, o PSD há anos acompanha, chama a atenção e apresenta iniciativas —,…

Protestos do BE.

Páginas Relacionadas
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 70 4 A Sr.ª Secretária (Maria da Luz Rosinha): — Sr.
Pág.Página 4
Página 0005:
27 DE MAIO DE 2021 5 Odemira e as várias «Odemiras» do País são o retrato de um mod
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 70 6 A estes bloqueios somam-se dificuldades processuais. A
Pág.Página 6
Página 0007:
27 DE MAIO DE 2021 7 Aprovámos e instituímos mecanismos judiciais e instrumentos ju
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 70 8 O Bloco de Esquerda apresenta este projeto de lei, em
Pág.Página 8
Página 0009:
27 DE MAIO DE 2021 9 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Havia um inspetor do tr
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 70 10 A realidade da precariedade, da arbitrariedade e da v
Pág.Página 10
Página 0011:
27 DE MAIO DE 2021 11 Se foram, assim, dados passos relevantes na seletividade e fo
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 70 12 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Eles é que exp
Pág.Página 12
Página 0013:
27 DE MAIO DE 2021 13 A Sr.ª Diana Ferreira (PCP): — Mais, Sr.ª Deputada, o PSD e o
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 70 14 substancialmente, nem contratos a prazo, nem contrato
Pág.Página 14
Página 0015:
27 DE MAIO DE 2021 15 Vicentina. E depois da destruição que ali está, o que é que l
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 70 16 permitiriam termos uma outra natureza e uma outra tem
Pág.Página 16
Página 0017:
27 DE MAIO DE 2021 17 Sr. Deputado, a única coisa que soube dizer, relativamente a
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 70 18 é isso mesmo que temos de fazer agora: voltar atrás,
Pág.Página 18
Página 0019:
27 DE MAIO DE 2021 19 Foi por isso que, também em 2017, pela mão do Partido Sociali
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 70 20 superou largamente a média de cerca de 300 pedidos se
Pág.Página 20
Página 0021:
27 DE MAIO DE 2021 21 A Sr.ª Fernanda Velez (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. D
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 70 22 A Sr.ª Constança Urbano de Sousa (PS): — Portanto, en
Pág.Página 22
Página 0023:
27 DE MAIO DE 2021 23 O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma interve
Pág.Página 23
Página 0025:
27 DE MAIO DE 2021 25 … em vez de se preocuparem com a falta de atuação do Governo,
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 70 26 O Sr. Jorge Costa (BE): — Nota-se! A S
Pág.Página 26
Página 0027:
27 DE MAIO DE 2021 27 Odemira, para perceber qual é a realidade daquelas estufas. D
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 70 28 A Sr.ª Emília Cerqueira (PSD): — Anda distraído!
Pág.Página 28
Página 0029:
27 DE MAIO DE 2021 29 Aplausos do PS. O Sr. Presidente (Fernando Negr
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 70 30 Como sabe, estamos ambos na Comissão de Agricu
Pág.Página 30
Página 0031:
27 DE MAIO DE 2021 31 O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma intervenção, t
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 70 32 entanto, estas operações revelam-se insuficientes par
Pág.Página 32
Página 0033:
27 DE MAIO DE 2021 33 Mais: combatemos o défice de qualificação dos portugueses com
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 70 34 a falar de matérias laborais, estamos a falar de expl
Pág.Página 34
Página 0035:
27 DE MAIO DE 2021 35 obrigatório, em junho de 2014, em conjunto com 50 Estados-Mem
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 70 36 aqui teve: o problema não é o fazendeiro, o problema
Pág.Página 36
Página 0037:
27 DE MAIO DE 2021 37 Para terminar, o Governo primou pela sua ausência no debate.
Pág.Página 37