O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

27 DE MAIO DE 2021

35

obrigatório, em junho de 2014, em conjunto com 50 Estados-Membros da OIT, e este protocolo entrará em vigor

em 31 de dezembro de 2021, ou seja, no final deste ano.

Este Protocolo vem reforçar o quadro jurídico internacional, criando novas obrigações para prevenir o

trabalho forçado, proteger as vítimas e permitir o acesso a compensações por prejuízos materiais e físicos.

Como todos sabemos, e hoje foi aqui assinalado por todos, isto vai ao encontro das palavras de Guy Ryder,

Diretor-Geral da Organização Internacional do Trabalho, que afirmou que «a proibição do trabalho forçado ou

obrigatório é um dos direitos fundamentais e o trabalho forçado ou obrigatório constitui uma violação dos direitos

humanos e um ataque à dignidade de milhões de mulheres e de homens, de raparigas e de rapazes, contribui

para a perpetuação da pobreza e é um obstáculo à concretização do princípio do trabalho digno para todos».

Todos deram nota e salientaram que o contexto do trabalho forçado ou obrigatório mudou e que é crucial

mantermo-nos alerta face ao tráfico de pessoas para estes fins indignos e infames, incluindo a exploração

sexual. E tem de ser uma preocupação não só nacional, mas também internacional, o que requer medidas

urgentes para a sua eliminação efetiva. Logo, ninguém tem dúvidas de que temos de tomar medidas concretas

e imediatas a nível da prevenção, proteção e reabilitação.

Sr.as e Srs. Deputados: Este assunto já foi trazido por diversas vezes a esta Câmara, tendo mesmo resultado

numa alteração ao Código do Trabalho, em 2016.

O que aqui está em causa não é a legislação laboral. O que está em causa, e hoje ficou aqui bem expresso,

é um problema de fiscalização, de atuação focada no problema, por parte das autoridades responsáveis. Alterar

o Código do Trabalho não vai resolver as falhas do Ministério do Trabalho; não vai resolver as falhas de

fiscalização da Autoridade para as Condições do Trabalho, provavelmente sem meios adequados para fazer

esta fiscalização; não vai resolver as falhas do Ministério da Administração Interna, que passa o tempo a desviar

a atenção dos seus erros com aparições bombásticas ou anúncios de desmantelamento de serviços essenciais,

em vez de os melhorar e otimizar; não vai colmatar as falhas do próprio Ministério da Justiça. Se existir tráfico

de seres humanos, como aqui hoje foi afirmado pelo Bloco de Esquerda, uma denúncia grave, pergunta-se: o

que tem sido feito pelas autoridades, em particular pelo Ministério da Justiça?

Obviamente, para o Bloco de Esquerda, na sua aversão coletivista à iniciativa da sociedade, o mais fácil é

culpar as confederações patronais. O Bloco até utiliza uma expressão que consideramos muito infeliz, que cito:

a «raiva» das confederações patronais. Esquece-se o Bloco de Esquerda de que, em 2017, na sua raiva à

regulação da imigração, foi o Bloco de Esquerda que aligeirou a obrigatoriedade de um contrato de trabalho,

transformando este garante legal numa mera manifestação de interesses, o que conduziu à entrada de muitos

imigrantes sem terem um local de trabalho fixo.

Sr.as e Srs. Deputados: Para o Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata, o que está em causa não é

a alteração do Código do Trabalho, mas, sim, a existência de coordenação e de políticas públicas integradas

entre o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, o Ministério da Administração Interna e o

Ministério da Justiça. É isto que falta para se fazer cumprir a lei existente.

Termino, dizendo que o Partido Social Democrata é um partido humanista e personalista, para quem o alfa

e o ómega da política residem na pessoa humana, no respeito pleno pela pessoa humana. É esta a nossa matriz.

Sr.as e Srs. Deputados, as leis existem! Cabe ao Governo criar as condições para que sejam cumpridas.

Aplausos do PSD.

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para proferir a intervenção de encerramento, tem a palavra o Sr. Deputado Jorge Costa, do Bloco de Esquerda, que poderá utilizar o tempo de que ainda dispõe, bem como os

2 minutos que cabem ao seu partido por ter sido o autor do agendamento.

O Sr. Jorge Costa (BE): — Sr. Presidente. Sr.as e Srs. Deputados, o trabalho que, hoje, estamos a fazer é o trabalho normal de um Parlamento: observar o cumprimento da lei, verificar se as iniciativas tomadas no passado

tiveram o resultado pretendido, se os objetivos para que legislámos estão a ser atingidos e, no caso de não

estarem, adaptarmos a legislação. Nada de mais normal no funcionamento de um Parlamento.

Não esperávamos, neste debate, um contributo da direita. A direita já era contra, em 2016, que fossem

responsabilizados os empresários e os donos das explorações e tinha um discurso do tipo daquele que, hoje,

Páginas Relacionadas
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 70 4 A Sr.ª Secretária (Maria da Luz Rosinha): — Sr.
Pág.Página 4
Página 0005:
27 DE MAIO DE 2021 5 Odemira e as várias «Odemiras» do País são o retrato de um mod
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 70 6 A estes bloqueios somam-se dificuldades processuais. A
Pág.Página 6
Página 0007:
27 DE MAIO DE 2021 7 Aprovámos e instituímos mecanismos judiciais e instrumentos ju
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 70 8 O Bloco de Esquerda apresenta este projeto de lei, em
Pág.Página 8
Página 0009:
27 DE MAIO DE 2021 9 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Havia um inspetor do tr
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 70 10 A realidade da precariedade, da arbitrariedade e da v
Pág.Página 10
Página 0011:
27 DE MAIO DE 2021 11 Se foram, assim, dados passos relevantes na seletividade e fo
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 70 12 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Eles é que exp
Pág.Página 12
Página 0013:
27 DE MAIO DE 2021 13 A Sr.ª Diana Ferreira (PCP): — Mais, Sr.ª Deputada, o PSD e o
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 70 14 substancialmente, nem contratos a prazo, nem contrato
Pág.Página 14
Página 0015:
27 DE MAIO DE 2021 15 Vicentina. E depois da destruição que ali está, o que é que l
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 70 16 permitiriam termos uma outra natureza e uma outra tem
Pág.Página 16
Página 0017:
27 DE MAIO DE 2021 17 Sr. Deputado, a única coisa que soube dizer, relativamente a
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 70 18 é isso mesmo que temos de fazer agora: voltar atrás,
Pág.Página 18
Página 0019:
27 DE MAIO DE 2021 19 Foi por isso que, também em 2017, pela mão do Partido Sociali
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 70 20 superou largamente a média de cerca de 300 pedidos se
Pág.Página 20
Página 0021:
27 DE MAIO DE 2021 21 A Sr.ª Fernanda Velez (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. D
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 70 22 A Sr.ª Constança Urbano de Sousa (PS): — Portanto, en
Pág.Página 22
Página 0023:
27 DE MAIO DE 2021 23 O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma interve
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 70 24 Sabemos também que os proprietários não alteraram as
Pág.Página 24
Página 0025:
27 DE MAIO DE 2021 25 … em vez de se preocuparem com a falta de atuação do Governo,
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 70 26 O Sr. Jorge Costa (BE): — Nota-se! A S
Pág.Página 26
Página 0027:
27 DE MAIO DE 2021 27 Odemira, para perceber qual é a realidade daquelas estufas. D
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 70 28 A Sr.ª Emília Cerqueira (PSD): — Anda distraído!
Pág.Página 28
Página 0029:
27 DE MAIO DE 2021 29 Aplausos do PS. O Sr. Presidente (Fernando Negr
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 70 30 Como sabe, estamos ambos na Comissão de Agricu
Pág.Página 30
Página 0031:
27 DE MAIO DE 2021 31 O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma intervenção, t
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 70 32 entanto, estas operações revelam-se insuficientes par
Pág.Página 32
Página 0033:
27 DE MAIO DE 2021 33 Mais: combatemos o défice de qualificação dos portugueses com
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 70 34 a falar de matérias laborais, estamos a falar de expl
Pág.Página 34
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 70 36 aqui teve: o problema não é o fazendeiro, o problema
Pág.Página 36
Página 0037:
27 DE MAIO DE 2021 37 Para terminar, o Governo primou pela sua ausência no debate.
Pág.Página 37