O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

27 DE MAIO DE 2021

7

Aprovámos e instituímos mecanismos judiciais e instrumentos jurídicos, como a Lei n.º 28/2016, de combate

ao trabalho forçado, ou a Lei n.º 63/2013, que permite a regularização do trabalho não declarado, tudo isto numa

estratégia de combate ao trabalho forçado e de proteção dos trabalhadores mais fragilizados.

Em 2016, o Partido Socialista apresentou um projeto de lei para combater as formas modernas de trabalho

forçado, que deu origem a um grupo de trabalho, no qual, aliás, eu próprio participei, e testemunho que toda a

esquerda parlamentar se uniu e conseguimos aprovar uma lei que todos reconhecem como um passo da maior

importância no combate ao trabalho forçado.

Uma correção: «todos», não! A direita, tal como na Lei n.º 63/2013, tal como nas propostas de aumento do

salário mínimo, votou contra.

Aplausos do PS.

A esquerda parlamentar fez o que tinha de ser feito e até foi capaz de intensificar muito trabalho conjunto e

entendimentos que melhoraram a vida dos portugueses e que lhes deram mais direitos.

Srs. Deputados, este caminho da agenda do trabalho digno não terminou e temos de continuar a dignificar e

a valorizar o trabalho. Qualquer forma de exploração laboral é absolutamente inaceitável.

Enaltecemos o que disse, a este propósito, o Primeiro-Ministro, António Costa. Quando confrontado com

situações graves, não hesitou em afirmar que estão em causa direitos humanos, deixando bem claro que o PS

repugna e tudo fará para acabar com formas de trabalho indignas e em condições desumanas.

Assim, consideramos muito importantes as matérias em causa. Queremos todos os contributos para a

melhoria das condições de trabalho e dos direitos dos trabalhadores. Muito já fizemos, mas as pessoas ainda

esperam muito de nós para terem uma vida melhor. Estes desafios, este percurso comum e a esperança dos

portugueses merecem todos os nossos esforços.

A questão essencial que queremos deixar ao Bloco de Esquerda é a seguinte: quem está disponível para

colocar sempre os interesses dos portugueses, dos trabalhadores e dos que mais precisam de proteção acima

de tudo?

O Bloco de Esquerda reconhece este percurso de valorização do trabalho que realizámos? Podemos contar

com a responsabilidade do Bloco de Esquerda para dialogar e para encontrar soluções, sem radicalismos ou

intransigências, reunindo apoios? Ou as propostas do Bloco de Esquerda são completamente fechadas e sem

qualquer hipótese de diálogo e de consensualização?

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Tem, agora, a palavra a Sr.ª Deputada Margarida Balseiro Lopes, do PSD, para um pedido de esclarecimento.

A Sr.ª Margarida Balseiro Lopes (PSD): — Sr. Presidente, Srs. Deputados, queria que a minha primeira palavra fosse para saudar o Bloco de Esquerda por trazer a debate este tema tão importante, porque não

podemos esquecer aquilo que se passou e ainda se passa em Odemira.

É muito interessante ouvir o Partido Socialista falar das alterações de 2016, quando, hoje, temos necessidade

de voltar a discutir alterações à lei. Porquê?! Porque as de 2016 não serviram.

Mais: o Partido Socialista vem citar declarações do Sr. Primeiro-Ministro, dizendo que, de facto, em Odemira,

havia violações gritantes dos direitos humanos, mas ele faz parte do mesmo Governo que tem uma secretária

de Estado que, há um ano, dizia que Odemira era um exemplo de integração.

Portanto, em matéria de coerência, acho que, relativamente ao Partido Socialista, estamos conversados.

De facto, saudamos esta intervenção do Bloco de Esquerda, porque este é um tema que precisa, desde logo,

do apuramento de responsabilidades políticas, porque as autoridades públicas sabiam, há anos, desta situação

de desrespeito pelos direitos humanos, desta situação degradante em que muitas pessoas viviam, e a verdade

é que, mais de dois anos depois, nada aconteceu.

Importa voltar a referir que, até ao momento, não houve nenhuma consequência política face à gravidade

dos acontecimentos.

Páginas Relacionadas
Página 0004:
I SÉRIE — NÚMERO 70 4 A Sr.ª Secretária (Maria da Luz Rosinha): — Sr.
Pág.Página 4
Página 0005:
27 DE MAIO DE 2021 5 Odemira e as várias «Odemiras» do País são o retrato de um mod
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 70 6 A estes bloqueios somam-se dificuldades processuais. A
Pág.Página 6
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 70 8 O Bloco de Esquerda apresenta este projeto de lei, em
Pág.Página 8
Página 0009:
27 DE MAIO DE 2021 9 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Havia um inspetor do tr
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 70 10 A realidade da precariedade, da arbitrariedade e da v
Pág.Página 10
Página 0011:
27 DE MAIO DE 2021 11 Se foram, assim, dados passos relevantes na seletividade e fo
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 70 12 O Sr. José Moura Soeiro (BE): — Eles é que exp
Pág.Página 12
Página 0013:
27 DE MAIO DE 2021 13 A Sr.ª Diana Ferreira (PCP): — Mais, Sr.ª Deputada, o PSD e o
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 70 14 substancialmente, nem contratos a prazo, nem contrato
Pág.Página 14
Página 0015:
27 DE MAIO DE 2021 15 Vicentina. E depois da destruição que ali está, o que é que l
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 70 16 permitiriam termos uma outra natureza e uma outra tem
Pág.Página 16
Página 0017:
27 DE MAIO DE 2021 17 Sr. Deputado, a única coisa que soube dizer, relativamente a
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 70 18 é isso mesmo que temos de fazer agora: voltar atrás,
Pág.Página 18
Página 0019:
27 DE MAIO DE 2021 19 Foi por isso que, também em 2017, pela mão do Partido Sociali
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 70 20 superou largamente a média de cerca de 300 pedidos se
Pág.Página 20
Página 0021:
27 DE MAIO DE 2021 21 A Sr.ª Fernanda Velez (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. D
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 70 22 A Sr.ª Constança Urbano de Sousa (PS): — Portanto, en
Pág.Página 22
Página 0023:
27 DE MAIO DE 2021 23 O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma interve
Pág.Página 23
Página 0024:
I SÉRIE — NÚMERO 70 24 Sabemos também que os proprietários não alteraram as
Pág.Página 24
Página 0025:
27 DE MAIO DE 2021 25 … em vez de se preocuparem com a falta de atuação do Governo,
Pág.Página 25
Página 0026:
I SÉRIE — NÚMERO 70 26 O Sr. Jorge Costa (BE): — Nota-se! A S
Pág.Página 26
Página 0027:
27 DE MAIO DE 2021 27 Odemira, para perceber qual é a realidade daquelas estufas. D
Pág.Página 27
Página 0028:
I SÉRIE — NÚMERO 70 28 A Sr.ª Emília Cerqueira (PSD): — Anda distraído!
Pág.Página 28
Página 0029:
27 DE MAIO DE 2021 29 Aplausos do PS. O Sr. Presidente (Fernando Negr
Pág.Página 29
Página 0030:
I SÉRIE — NÚMERO 70 30 Como sabe, estamos ambos na Comissão de Agricu
Pág.Página 30
Página 0031:
27 DE MAIO DE 2021 31 O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Para uma intervenção, t
Pág.Página 31
Página 0032:
I SÉRIE — NÚMERO 70 32 entanto, estas operações revelam-se insuficientes par
Pág.Página 32
Página 0033:
27 DE MAIO DE 2021 33 Mais: combatemos o défice de qualificação dos portugueses com
Pág.Página 33
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 70 34 a falar de matérias laborais, estamos a falar de expl
Pág.Página 34
Página 0035:
27 DE MAIO DE 2021 35 obrigatório, em junho de 2014, em conjunto com 50 Estados-Mem
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 70 36 aqui teve: o problema não é o fazendeiro, o problema
Pág.Página 36
Página 0037:
27 DE MAIO DE 2021 37 Para terminar, o Governo primou pela sua ausência no debate.
Pág.Página 37