O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

8 DE JULHO DE 2021

33

quadro possa ser efetivamente melhorada, atingindo um elevado patamar técnico e resolvendo problemas

efetivos que todos reconhecem que existem no setor fundacional. Mas o objetivo será sempre o de valorizar o

setor e os fins de interesse público que prosseguem e para os quais foi criada, precisamente, a figura das

fundações.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente (Fernando Negrão): — Terminado este ponto, passamos ao ponto 4 da ordem do dia, do qual consta a discussão, na generalidade, da Proposta de Lei n.º 99/XIV/2.ª (GOV) — Transpõe a Diretiva (UE)

2019/1, que visa atribuir às autoridades da concorrência dos Estados-Membros competência para aplicarem a

lei de forma mais eficaz e garantir o bom funcionamento do mercado interno.

Para o efeito, começo por dar a palavra ao Sr. Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do

Consumidor, João Torres.

O Sr. Secretário de Estado do Comércio, Serviços e Defesa do Consumidor (João Torres): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Hoje, o Governo apresenta à Assembleia da República uma proposta

importante no âmbito da promoção da sã e leal concorrência, no quadro do mercado único, que é o quadro em

que nos encontramos. Tal tem importantes reflexos na nossa vida económica e na nossa atividade económica.

Começo por referir que a Diretiva (UE) 2019/1 visa atribuir às autoridades da concorrência dos Estados-

Membros competência para aplicar a lei de forma mais eficaz e garantir o bom funcionamento do mercado

interno. Deste modo, são criadas as condições para que as autoridades nacionais apliquem as regras de

concorrência, assegurando que dispõem das garantias de independência, dos meios e das competências de

investigação e decisão necessárias, nomeadamente no que diz respeito à aplicação de coimas.

O direito da concorrência é fundamental para garantir a liberdade da iniciativa económica, no âmbito do level

playing field, ou seja, do campo de jogo nivelado, contribuindo para a expansão de negócios, para o

empreendedorismo ou mesmo para a promoção do investimento. A existência de dificuldades, por parte das

reguladoras nacionais competentes, para efeitos da defesa da concorrência na recolha de meios de prova ou

na aplicação célere de decisões ou de sanções dissuasoras pode contribuir para uma errada perceção de

impunidade, com efeitos nefastos e nocivos para os cidadãos e para as empresas. Por isso, a promoção de

instrumentos que visam garantir as regras da concorrência salvaguardam o bom funcionamento do mercado,

como já tive oportunidade de mencionar, mas também a confiança dos consumidores.

A proposta que aqui nos traz reforça as garantias de independência e reforça os poderes de investigação e

eficácia do procedimento contraordenacional da Autoridade da Concorrência. Neste quadro, promove-se a

alteração de dois diplomas essenciais: o regime jurídico da concorrência e os próprios estatutos da Autoridade

da Concorrência. Entre as principais alterações, permitam-me que destaque alguns aspetos preconizados na

proposta de lei em discussão. Em primeiro lugar, em matéria de reforço das garantias de independência, a

presente proposta de lei especifica que os membros do Conselho de Administração, dirigentes e trabalhadores

da Autoridade da Concorrência não solicitam nem aceitam instruções, do Governo ou de qualquer outra

entidade, no desempenho das suas funções, incrementando-se também o elenco das incompatibilidades. A

presente proposta de lei altera as fontes de receita da Autoridade da Concorrência, eliminando-se o produto das

coimas cobradas como forma de financiamento desta entidade. Mais: em matéria de reforço das garantias de

independência, a proposta de lei determina a exclusividade do Tribunal de Contas relativamente à efetivação do

controlo financeiro e da responsabilidade financeira da Autoridade da Concorrência.

Por outro lado, em matéria de reforço dos poderes de investigação e de eficácia do procedimento

contraordenacional, a proposta em discussão amplia o tipo de elementos que podem ser abrangidos pelas

diligências de busca e apreensão da Autoridade da Concorrência, no âmbito das suas atribuições, e exige a

autorização, por parte de uma autoridade judiciária, para o acesso, desde logo, a instalações e para a apreensão

de elementos e selagem de instalações ou de registos.

Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: O diploma que hoje apresentamos à Assembleia da República é,

como referi, um diploma importante para melhor garantir a existência de um quadro legal uniforme, capaz e

articulado com a realidade existente no contexto do mercado único, resultante, sublinho, da transposição de

uma diretiva europeia.

Páginas Relacionadas
Página 0034:
I SÉRIE — NÚMERO 86 34 Esta proposta zela pela independência e pela eficácia
Pág.Página 34
Página 0035:
8 DE JULHO DE 2021 35 Sr. Secretário de Estado, a presente proposta de lei é apenas
Pág.Página 35
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 86 36 nunca serão verdadeiramente independentes e imparciai
Pág.Página 36
Página 0037:
8 DE JULHO DE 2021 37 deveres de garantia de que o juiz de instrução está presente
Pág.Página 37
Página 0038:
I SÉRIE — NÚMERO 86 38 O Sr. Carlos Pereira (PS): — Sr. Presidente, Sr. Secr
Pág.Página 38
Página 0039:
8 DE JULHO DE 2021 39 Finalmente, no que diz respeito aos meios, há aqui um esforço
Pág.Página 39
Página 0040:
I SÉRIE — NÚMERO 86 40 Aplausos do PS. Simultaneamente,
Pág.Página 40