O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 9

4

Para apresentar a proposta de lei, por parte do Governo, dou a palavra ao Sr. Secretário de Estado dos

Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes.

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais (António Mendonça Mendes): — Sr. Presidente, sendo esta a primeira vez que me dirijo à Assembleia da República nesta Legislatura, permita-me que lhe dirija um

cumprimento especial e que o estenda a todas as Sr.as Deputadas e a todos os Srs. Deputados dos diferentes

grupos parlamentares e Deputados únicos, fazendo-o com redobrado contentamento pelo facto de também ter

sido eleito Deputado pelo círculo eleitoral de Setúbal, daí estar aqui com todo o gosto.

Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados: Apresentamos aqui a Proposta de Lei n.º 1/XV/1.ª Não é por acaso

que ela foi a primeira a ser aprovada pelo Governo no primeiro Conselho de Ministros em que pôde aprovar

propostas de lei, não é por acaso que, no primeiro Plenário em que a Assembleia da República pode estar a

discutir uma iniciativa legislativa do Governo, estamos a discutir esta Proposta de Lei n.º 1/XV/1.ª, de resposta

ao aumento generalizado dos preços, em particular dos combustíveis, onde o Governo tem atuado sempre,

desde o início, com grande sentido de urgência.

Fizemo-lo em outubro com o primeiro pacote de medidas, que foi reforçado em março, e estamos hoje,

perante o Parlamento, a criar as condições para podermos ter, do ponto de vista fiscal, uma resposta ainda mais

agressiva para compensar uma parte substancial do aumento do preço dos combustíveis pela via de um

desagravamento fiscal do ISP (imposto sobre os produtos petrolíferos e energéticos), equivalente ao que seria

uma descida da taxa do IVA (imposto sobre o valor acrescentado) de 23% para 13%.

É uma medida da maior importância que se dirige às famílias e às empresas e que, pela sua dimensão,

implica uma grande responsabilidade de todos: das famílias, das empresas, da generalidade dos agentes

económicos.

Por isso, nesta proposta de lei, temos uma obrigação muito específica de divulgação periódica, por parte da

entidade reguladora, da avaliação das margens das petrolíferas em cada um dos combustíveis para que, com

transparência, todos possam acompanhar a evolução dos preços dos combustíveis, associada à diminuição

fiscal muito acentuada que aqui fazemos.

Estamos também, no quadro das medidas de apoio à produção, a colocar a taxa de IVA a zero em

determinados produtos importantes para a produção agrícola, não retirando a capacidade de dedução a esses

mesmos agricultores.

Estas são, pois, Sr.as e Srs. Deputados, medidas da maior importância que reforçam um quadro de medidas

que o Governo tem tomado com grande sentido de urgência e de responsabilidade para que possamos

responder bem aos desafios que se nos colocam.

Fico, naturalmente, à disposição das Sr.as Deputadas e dos Srs. Deputados para qualquer questão que

entendam apresentar.

Aplausos do PS.

O Sr. Presidente: — Sr. Secretário de Estado, a Mesa registou cinco inscrições de Deputados para formularem pedidos de esclarecimento.

Presumo que queira responder em dois blocos.

O Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais: — Sim, Sr. Presidente.

O Sr. Presidente: — Para apresentar o primeiro pedido de esclarecimento, tem a palavra o Sr. Deputado Bruno Dias, do Partido Comunista Português.

O Sr. Bruno Dias (PCP): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Srs. Membros do Governo, Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, esta discussão é da máxima importância e as pessoas que enfrentam

dificuldades gravíssimas nas suas vidas reclamam do poder político medidas concretas para responder a este

problema do aumento do custo de vida.

Se a nível dos impostos sobre estes produtos há aqui uma discussão que, no fundo, em boa verdade, já é

antiga, principalmente a que diz respeito aos combustíveis e à energia — uma discussão que ainda vai ter de

Páginas Relacionadas
Página 0005:
23 DE ABRIL DE 2022 5 continuar a ser feita, porque há medidas que continuam a não
Pág.Página 5
Página 0006:
I SÉRIE — NÚMERO 9 6 O Sr. Nuno Fazenda (PS): — Os impactos desta guerra são
Pág.Página 6
Página 0007:
23 DE ABRIL DE 2022 7 O Sr. Presidente: — Para responder a este primeiro bloco de p
Pág.Página 7
Página 0008:
I SÉRIE — NÚMERO 9 8 O Sr. Pedro Filipe Soares (BE): — Sr. Presidente, Sr.as
Pág.Página 8
Página 0009:
23 DE ABRIL DE 2022 9 Pausa. Não quer usar da palavra.
Pág.Página 9
Página 0010:
I SÉRIE — NÚMERO 9 10 O Sr. Presidente: — Seguem-se, no uso da palavra, os S
Pág.Página 10
Página 0011:
23 DE ABRIL DE 2022 11 O Sr. Jorge Paulo Oliveira (PSD): — Calma, calma! O
Pág.Página 11
Página 0012:
I SÉRIE — NÚMERO 9 12 Governo é insuficiente por não enfrentar os problemas
Pág.Página 12
Página 0013:
23 DE ABRIL DE 2022 13 O Sr. Presidente: — Para responder, tem a palavra o S
Pág.Página 13
Página 0014:
I SÉRIE — NÚMERO 9 14 inequívoca entre receita fiscal e despesa orçamental a
Pág.Página 14
Página 0015:
23 DE ABRIL DE 2022 15 em que os portugueses, as famílias, as empresas enfrentam gr
Pág.Página 15
Página 0016:
I SÉRIE — NÚMERO 9 16 implicaram um aumento de 600 milhões de euros, repito,
Pág.Página 16
Página 0017:
23 DE ABRIL DE 2022 17 Aplausos do PSD. O Sr. Presidente: — Pa
Pág.Página 17
Página 0018:
I SÉRIE — NÚMERO 9 18 O Sr. Pedro dos Santos Frazão (CH): — Sr. Presi
Pág.Página 18
Página 0019:
23 DE ABRIL DE 2022 19 O Sr. Alexandre Simões (PSD): — Bem lembrado!
Pág.Página 19
Página 0020:
I SÉRIE — NÚMERO 9 20 O Sr. Eurico Brilhante Dias (PS): — Eles têm lá
Pág.Página 20
Página 0021:
23 DE ABRIL DE 2022 21 Aplausos do PS. Sr. Presidente, vou mesmo term
Pág.Página 21
Página 0022:
I SÉRIE — NÚMERO 9 22 Sr. Deputado, talvez a vossa irresponsabilidade possa
Pág.Página 22