O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 54

38

É um contorcionismo que, de facto, Sr. Primeiro-Ministro,não pode deixar de merecer a estupefação do Partido Socialista.

Continuam a insistir, depois de um ligeiro interregno, na lógica do rolo compressor. É mais uma «inventona»

da direita, como aquela que foi criada no passado fim de semana, a propósito do corredor verde europeu.

Com a liderança do Dr. Luís Montenegro, no PSD, há três coisas que sabemos: primeira, há uma enorme

tentação de branquear o passado;…

Risos do PSD.

… segunda, há uma enorme tentação de normalizar a extrema-direita; a terceira é a de que o recurso a

manobras de diversão, para afastar a atenção daquilo que é importante, não terá limites com esta liderança do

PPD/PSD em Portugal.

Aplausos do PS.

Protestos do PSD.

Sr. Primeiro-Ministro,terminaria com uma questão, não sem antes utilizar a gíria futebolística para lhe dizer o seguinte: com os acordos que assinou, em conjugação com este Orçamento do Estado, o Sr. Primeiro-Ministro

marcou um hat-trick a favor de Portugal e a favor dos portugueses.

E queria dizer-lhe mais, Sr. Primeiro-Ministro: num momento como aquele que estamos a atravessar, que é

um momento de dificuldades, do ponto de vista económico e social, à escala europeia e à escala mundial, o que

era suposto era que, com as normais diferenças que fazem, saudavelmente, parte da democracia, pudéssemos

todos jogar na mesma equipa, face a um adversário comum, que é a guerra e a inflação. Não é isso que está a

acontecer, e não é isso que, infelizmente, acontece com o PSD, porque, na prática, em relação a soluções

concretas para os portugueses,…

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, tem de terminar.

O Sr. João Torres (PS): — … ficou «fora de jogo» no debate deste Orçamento do Estado. Por isso, pergunto-lhe, Sr. Primeiro-Ministro, muito diretamente e para terminar…

Protestos do PSD.

O Sr. Presidente: — Sr. Deputado, caminha para triplicar o tempo que lhe foi atribuído. Faça favor de concluir.

O Sr. João Torres (PS): — Vou terminar, Sr. Presidente. Pergunto-lhe, Sr. Primeiro-Ministro, qual é a importância dos acordos que o seu Governo assinou e deste

Orçamento para melhorar a vida concreta dos trabalhadores do nosso País?

Aplausos do PS.

Protestos do PSD.

O Sr. Presidente: — Para um pedido de esclarecimento, em nome do Grupo Parlamentar do PSD, tem a palavra o Sr. Deputado Rui Cristina.

O Sr. Rui Cristina (PSD): — Sr. Presidente, Sr.as e Srs. Deputados, Sr. Primeiro-Ministro, trago-lhe várias perguntas, para as quais peço respostas diretas.

Em 2016, o senhor disse que o ano de 2017 seria, de uma vez por todas, o ano em que todos os portugueses

teriam um médico de família atribuído.

Páginas Relacionadas
Página 0036:
I SÉRIE — NÚMERO 54 36 pontos, desde julho, o que representa um claro indíci
Pág.Página 36
Página 0037:
27 DE OUTUBRO DE 2022 37 O Sr. João Torres (PS): — Esse Primeiro-Ministro foi Pedro
Pág.Página 37