O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

I SÉRIE — NÚMERO 148

68

O Sr. Bruno Nunes (CH): — Levem as cadeiras de Almeirim!

A Sr.ª Presidente (Edite Estrela): — Quando houver silêncio, poderemos continuar.

O Sr. Pedro dos Santos Frazão (CH): — Está tudo a ir embora!

O Sr. Filipe Melo (CH): — Sintam-se em casa! Estejam à vontade!

A Sr.ª Presidente (Edite Estrela): — Peço aos serviços para abrirem o procedimento de verificação do

quórum.

Algum Sr. Deputado ou alguma Sr.ª Deputada não conseguiu inscrever-se?

O Sr. Pedro dos Santos Frazão (CH): — Muitos é que já se foram embora!

A Sr.ª Presidente (Edite Estrela): — Dos que estejam presentes na Sala, obviamente.

Pausa.

Assim sendo, peço aos serviços que encerrem a verificação do quórum.

Temos quórum e vamos passar, então, às votações.

O Sr. Pedro dos Santos Frazão (CH): — Não estão cá 210! Aquilo está mal, Sr.ª Presidente!

A Sr.ª Maria Antónia de Almeida Santos (PS): — Queixinhas! O que é que tem a ver com isso?! Cresça e

apareça!

A Sr.ª Presidente (Edite Estrela): — Começamos pela apreciação do Projeto de Voto n.º 385/XV/1.ª

(apresentado pelo PSD) — De pesar pela morte do ator Luís Aleluia.

Peço à Sr.ª Deputada Maria da Luz Rosinha o favor de ler este voto.

A Sr.ª Secretária (Maria da Luz Rosinha): — Sr.ª Presidente e Srs. Deputados, o projeto de voto é do

seguinte teor:

«Luís Filipe Aleluia da Costa, o ator português cuja memória perdurará como o menino Tonecas, faleceu no

passado dia 24, aos 63 anos de idade.

Nascido a 23 de fevereiro de 1960, em Setúbal, Luís Aleluia descobriu o seu gosto pelo palco ainda na

infância, ao participar nas galas da Casa do Gaiato, onde viveu durante sete anos e disse ter aprendido os

“valores que ficam para a vida, como a lealdade, a fraternidade, a cumplicidade, o valor do trabalho e o

respeito pela liberdade do outro”. Seguiram-se atuações em diferentes grupos amadores até à

profissionalização no Teatro de Animação de Setúbal (TAS).

Detentor de uma longa carreira, Luís Aleluia interpretou, ao longo de mais de 40 anos, vários papéis de

comédia, no teatro e na televisão; no entanto, como teve oportunidade de afirmar, via no drama o seu “maior

desafio”.

Integrou os elencos do Teatro Maria Vitória e do Teatro Villaret, entre outros, e participou em diversas

telenovelas, designadamente em Passerelle, Na Paz dos Anjos e Filha do Mar, assim como sketches de

comédia que interpretou em Os Malucos do Riso, Não és Homem, Não és Nada e Os Donos Disto Tudo, ou

em programas de entretenimento, como Praça da Alegria e Portugal no Coração.

Alcançou o seu maior sucesso quando protagonizou As Lições do Tonecas, com o ator José Morais e

Castro, na RTP, e transformou o antigo programa de rádio das décadas de 1930-1940, de José de Oliveira

Cosme. Com o êxito do menino mais traquinas da sala, Luís Aleluia passou a ser reconhecido por este papel

e, mesmo depois de a série terminar, o Tonecas ficou na memória de todos.

Páginas Relacionadas
Página 0070:
I SÉRIE — NÚMERO 148 70 crianças mais velhas, 779/XV/1.ª (BE) — Recom
Pág.Página 70
Página 0071:
1 DE JULHO DE 2023 71 e 549/XV/1.ª (PAN) — Recomenda ao Governo a eliminação das ta
Pág.Página 71