O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

17 DE ABRIL DE 1999

1515

Proposta de eliminação

Artigo 4.° [...]

(Elimina-se a alínea g) do n.° l.J

Proposta de eliminação Artigo 4°

[Elimina-se a alínea \) do n.° J.J

Proposta de aditamento

Artigo 4.° (...I

(Novo número.) As competências da comissão instaladora não podem ser delegadas.

Proposta de eliminação

Artigo 5.° [...]

(Elimina-se o n.°2.)

Proposta de eliminação

Artigo 5." [...]

(Elimina-se o n.° 3.)

Proposta de substituição

Artigo 10.° Principio do gradualismo

A transferência do património, direitos e responsabilidades, bem como os meios financeiros a que ò novo município tiver direito, faz-se de forma gradual, segundo um plano a acordar entre o novo .município e o ou os municípios de origem.

Proposta de aditamento

Artigo 12.° I-..]

4 (novo) — A prestação de serviços por cada um dos municípios envolvidos aos restantes é objecto de compensação, de acordo com os valores vigentes na área territorial do prestador.

Proposta de alteração

Artigo 15.°

1 — ....................................................■.............................

2 — Na falta de acordo é aplicável o critério da proporcionalidade do. número de funcionários do município ou dos

municípios de origem relativamente à população residente em cada um dos municípios.

Proposta de aditamento

Artigo 16.° [...]

1 — Sem prejuízo da prioridade definida no artigo anterior, a comissão instaladora pode recrutar, nos termos da lei geral e dentro das dotações fixadas no mapa a que se refere a disposição anterior, os recursos humanos necessários.

Assembleia da República, 8 de Abril de 1999. —Os Deputados do PCP: Pimenta Dias — João Amaral.

PROPOSTA DE LEI N.2 265/VII

APROVA A LEI DE PROTECÇÃO DÁS CRIANÇAS E JOVENS EM PERIGO

Exposição de motivos

1 — A protecção das crianças e jovens com dificuldades nos seus processos de desenvolvimento e de crescimento tem sido, entre nós, ao longo deste século, objecto de particular atenção. Presidiu-lhe um ideário moldado por preocupações de-prevenção e protecção, orientado no sentido de evitar situações de perigo que se acreditava conduzirem, naturalmente, ao desenvolvimento de condutas marginais. A intervenção, mesmo quando justificada por uma conduta delinquente, tinha como fim essencial a protecção da criança ou do jovem e não a punição, intimidação ou reprovação social. Legitimada por situações de perigo moral ou desamparo e de delinquência, a acção tutelar caracterizava-se por procedimentos informais em que os factos eventualmente praticados não assumiam, por regra, relevância autónoma para a escolha e duração da medida aplicada.

Este. sistema baseou-se fundamentalmente na lei de protecção à infância, de 27 de Maio de 1911, que permitiu que Portugal seja considerado como o primeiro país a concretizar uma reforma global das disposições penais relativas a menores, na Organização Tutelar de Menores, aprovada pelo Decreto-Lei n.°44 288, de 20 de Abril de 1962, e modificada pelo Decreto-Lei n.°47 727, de 23 de Maio de 1967, e, por último, na actual Organização Tutelar de Menores, aprovada pelo Decreto-Lei n.° 314/78, de 27 de Outubro, bem como, mais recentemente, no Decreto-Lei n.° 189/91, de 17 de Maio, que, reconhecendo as virtualidades da intervenção da comunidade na protecção de crianças em perigo e das experiências já existentes, regulou a criação,, a competência e o funcionamento das comissões de protecção de menores, que foram sendo gradual e progressivamente criadas nos últimos anos.

De acordo com a legislação em vigor, os tribunais de menores são competentes para decretar medidas relativamente a menores que, tendo completado 12 anos e antes de perfazer 16, se encontrem em situação de paradelinquência ou mesmo já de delinquência e, ainda, para decretar medidas relativamente a menores que se encontrem cm situação de perigo para a sua segurança, saúde, formação moral e educação. A competência dos tribunais de menores abrange

Páginas Relacionadas
Página 1516:
1516 II SÉRIE-A — NÚMERO 54 não só situações em que o menor é vítima de acções ou omi
Pág.Página 1516
Página 1517:
17 DE ABRIL DE 1999 1517 de, a formação, a educação ou o desenvolvimento da criança o
Pág.Página 1517
Página 1518:
1518 II SÉRIE-A — NÚMERO 54 cujos direitos individuais, sociais, económicos e cultura
Pág.Página 1518
Página 1519:
17 DE ABRIL DE 1999 1519 c) Não recebe os cuidados ou a afeição adequados à sua idade
Pág.Página 1519
Página 1520:
1520 II SÉRIE-A — NÚMERO 54 com os pais, representantes legais ou com quem tenha a gu
Pág.Página 1520
Página 1521:
17 DE ABRIL DE 1999 1521 Artigo 16.ºModalidades de funcionamento da comissão de prote
Pág.Página 1521
Página 1522:
1522 II SÉRIE-A — NÚMERO 54 4 — Os membros da comissão restrita devem ser escolhidos
Pág.Página 1522
Página 1523:
17 DE ABRIL DE 1999 1523 SUBSECÇÃO III Acompanhamento, apoio e avaliação - Arti
Pág.Página 1523
Página 1524:
1524 II SÉRIE-A — NÚMERO 54 Secção II .Medidas no meio natural de vida Artigo 3
Pág.Página 1524
Página 1525:
17 DE ABRIL DE 1999 1525 que disponha de instalações e equipamento de acolhimento per
Pág.Página 1525
Página 1526:
1526 II SÉRIE-A — NÚMERO 54 de alcoolismo, toxicodependência ou doença psiquiátrica d
Pág.Página 1526
Página 1527:
17 DE ABRIL DE 1999 1527 e) A comunicação à segurança social da verificação dos requi
Pág.Página 1527
Página 1528:
1528 II SÉRIE-A — NÚMERO 54 nal, a inibição do poder paternal, a instauração da tutel
Pág.Página 1528
Página 1529:
17 DE ABRIL DE 1999 1529 Artigo 78.° Carácter individual e único do processo
Pág.Página 1529
Página 1530:
1530 II SÉRIE-A — NÚMERO 54 2 — Na audição da criança ou do jovem e no decurso de out
Pág.Página 1530
Página 1531:
17 DE ABRIL DE 1999 1531 3 — Proferida a decisão provisória referida no n.° 1, o proc
Pág.Página 1531
Página 1532:
1532 II SÉRIE-A — NÚMERO 54 Artigo 101.° Tribunal competente 1 — Compete ao tri
Pág.Página 1532
Página 1533:
17 DE ABRIL DE 1999 1533 Artigo 112.° Decisão negociada 0 juiz convoca para a c
Pág.Página 1533
Página 1534:
1534 II SÉRIE-A — NÚMERO 54 Artigo. 125.° A execução da medida No process
Pág.Página 1534