O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

1342 | II Série A - Número 032 | 08 de Abril de 2000

 

bispo D. Gomado, a freguesia de Lever aparece designada por "Liueri" (Portugaliae Monumenta Historica, Vol. Diplomata et Chartae, n.º V, datado de 922).
Com efeito e antigamente a freguesia era conhecida por "Leuer", "Leueri" e "Liueri" (Arlindo de Sousa, Povoamento Medieval de Entre Douro e Vouga).
Documentos antigos referem o "Castelinho de Lever", usando a designação de "mons" e que seria o local onde se teria instalado o aglomerado primitivo.
As informações sobre esta freguesia são escassas nos primórdios da nacionalidade. Mas já nas Inquisições de D. Dinis ela pertencia ao julgado da Feira e era uma abadia de apresentação da mitra portuense.
Em 10 de Fevereiro de 1514 beneficiou do foral concedido por D. Manuel I à Feira. Em 1608, a freguesia foi demarcada e atombada por ordem de El Rei D. Filipe, Rei de Portugal e Espanha.
Foi nesse ano que se desenharam os contornos da freguesia e que são ainda hoje os mesmos dessa época. Nessa altura, Lever pertencia à Comenda da Vila da Feira, pois só em 11 de Outubro de 1926, pelo Decreto-Lei n.º 12 457, foi anexada ao concelho de Vila Nova de Gaia.
Há nesta freguesia uma Ermida próxima da Igreja, construída no Século XIII a pedido dum Clérigo Pedro Hispano que viria a ser o único Papa português em invocação a São Sebastião.

População

Sobre a população, os dados antigos que conseguimos obter reportam-se ao século XVIII. Durante o Século XIX, o crescimento foi lento. A partir do século XX, há uma nítida progressão:
1758 - 97 fogos - 310 habitantes;
1900 - 216 fogos - 1018 habitantes;
1960 -570 fogos - 2903 habitantes;
1999 - 1000 fogos - 5200 habitantes.

Caracterização sócio-económica

Agricultura
A actividade económica da freguesia dominante durante muitos séculos foi a agricultura.
No século XVIII, segundo o Padre André Pereira de Moura, a vida económica local centrava-se no cultivo de cereais, legumes, vinho e pesca.
Com o aparecimento da indústria, a intensificação do comércio, os movimentos migratórios internos e externos, a agricultura foi relegada para um plano secundário, tendo diminuído a população activa que nela se ocupava a tempo inteiro, passando a uma agricultura complementar e de subsistência.
Há ainda de salientar o enorme parque florestal que cobre mais de metade da freguesia. Não foi por acaso que foram dados a dois lugares o nome de "Mata" e "Pinhal".

Pesca
Antes da construção da barragem de Crestuma/Lever o rio Douro era rico em sáveis, lampreias, bogas, murgens, barbos e taínhas.
Com a barragem, desapareceram os sáveis e as lampreias, mas foram introduzidos na albufeira a perca, o achegan e a carpa. Se a pesca com fins económicos teve um retrocesso grande, o interesse pela pesca desportiva tornou-se enorme, sendo actualmente as margens do rio muito disputadas pelos pescadores.
O rio Úima é famoso pelas suas trutas. Os despejos das fábricas poluiram as águas e a sua abundância ressentiu-se. Com o projecto de saneamento em curso, teremos, de novo, águas límpidas e a possibilidade de usufruir do prazer de bons momentos de pesca e lazer.

Indústria
As unidades industriais existentes nesta freguesia não são de grandes dimensões com a excepção para a Companhia de Fiação, ligada aos têxteis. Chegou a ter mais de 1000 trabalhadores e, neste momento, encontra-se inactiva, sendo as suas instalações alugadas para outros ramos empresariais de pequena e média dimensão.
As actividades industriais de maior relevo são: cartonagem, material eléctrico, confecção, carpintaria, passamanaria, artigos de iluminação, fundição de metais, construção civil, serralharia civil e pichelaria.

Comércio
Tem uma rede comercial diversificada, com restaurantes, cafés, minimercados, mercearias, padarias e pastelarias, sapatarias, lojas de vestuário, de electrodomésticos, de mobiliário, de venda de produtos hortícolas, peixarias, talhos, oficinas de reparação de automóveis, drogarias, discoteca, agências de viagens e de seguros, posto de abastecimento de combustíveis, etc.

Vias de comunicação e transportes
Lever é atravessada pela variante à EN222, com características de via rápida. Esta via liga Lever à sede do concelho de Gaia e a Gondomar pelo coroamento da barragem de Crestuma/Lever. A mesma permite, através do nó de Vilar de Andorinho, o acesso rápido ao IP1, A3 e A4.
Está em construção o IC24 que passa pela freguesia de Lever.
O rio Douro é uma via de penetração invejável e de acesso fácil. A recta de 5300 m que se prolonga de Lever a Pé-de-Moura permite as melhores condições para a prática de todos os desportos náuticos, inclusive de nível olímpico.

Grandes infra-estruturas
Barragem de Crestuma/Lever.
A Central Hidroeléctrica, com uma capacidade de produção elevada e potência instalada de 120 megawatts.
Captação, bombagem e distribuição Água:
- SMAS do Porto e Empresa de Águas de Gaia;
- ETA de Lever;
- Águas Douro Paiva, AS, que fornece água a 20 concelhos dos distritos do Porto e Aveiro.

Equipamentos sociais
Sede da junta de freguesia, equipada com auditório para 350 lugares;
Estação de Correios;
Quartel da GNR com comando destacamento;
Igreja e Ermida de São Sebastião;
Centro Paroquial;
Três escolas pré-primárias e primárias (Painçais, Cruz e Portelinha);
Centro de saúde;
Farmácia;
Laboratório de análises clínicas;
Instituto óptico;
Clínica dentária.

Páginas Relacionadas
Página 1325:
1325 | II Série A - Número 032 | 08 de Abril de 2000   lavras, quer estejam a
Pág.Página 1325
Página 1326:
1326 | II Série A - Número 032 | 08 de Abril de 2000   b) Os grupos parlament
Pág.Página 1326