O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

0303 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003

 

de reserva, desde que possua o tempo mínimo de serviço previsto no estatuto respectivo.
2 - A reserva compulsiva tem os efeitos previstos no Estatuto dos Militares das Forças Armadas e no Estatuto dos Militares da Guarda Nacional Republicana para a situação de reserva.

Artigo 19.º
Expulsão

1 - A pena acessória de expulsão consiste na irradiação do condenado das fileiras das Forças Armadas ou de outras forças militares, com perda da condição militar, assim como do direito de usar medalhas militares e de haver recompensas, tornando-o inábil para o serviço militar.
2 - A pena acessória de expulsão só é aplicável aos militares dos quadros permanentes ou em regime de contrato ou voluntariado.

Artigo 20.º
Aplicação das penas acessórias

1 - As penas acessórias são aplicadas na sentença condenatória e executam-se com o respectivo trânsito em julgado.
2 - A pena acessória de expulsão pode ser aplicada ao militar condenado em pena de prisão superior a oito anos que:

a) Tiver praticado o crime com flagrante e grave abuso da função que exerce ou com manifesta e grave violação dos deveres que lhe são inerentes; ou
b) Cujo crime revele ser ele incapaz ou indigno de pertencer às Forças Armadas ou a outras forças militares ou implique a perda de confiança necessária ao exercício da função militar.

3 - Verificadas as condições das alíneas a) ou b) do número anterior, pode ser aplicada ao militar a pena acessória de reserva compulsiva, desde que tenha sido condenado em pena de prisão superior a cinco anos.
4 - Sempre que um militar for condenado pela prática de crime estritamente militar, o tribunal comunica a condenação à autoridade militar de que aquele depender.

Artigo 21.º
Suspensão do exercício de funções militares

1 - O militar definitivamente condenado a pena de prisão e ao qual não tenha sido aplicada pena acessória ou que não tenha sido disciplinarmente separado do serviço, incorre na suspensão do exercício de funções militares, ficando na situação de inactividade temporária enquanto durar o cumprimento da pena.
2 - O tempo em cumprimento da pena de prisão não conta como tempo de serviço militar.

Secção III
Medida da pena

Artigo 22.º
Determinação da medida da pena

Na determinação concreta da pena por crime estritamente militar, para além dos critérios previstos no Código Penal, o tribunal atende a todas as circunstâncias que, não fazendo parte do tipo de crime, depuserem a favor do agente ou contra ele, considerando nomeadamente:

a) O comportamento militar anterior;
b) O tempo de serviço efectivo;
c) Ser o crime cometido em tempo de guerra;
d) Ser o crime cometido no exercício de funções e por causa delas;
e) Ser o crime cometido em formatura ou em outro local de serviço onde se encontrem 10 ou mais militares que tenham presenciado o crime, não se compreendendo neste número os agentes do crime;
f) Ser o agente do crime comandante ou chefe, quando o facto se relacione com o exercício das suas funções;
g) Ser o crime cometido em presença de algum superior de graduação não inferior a sargento;
h) A maior graduação ou antiguidade no mesmo posto, em caso de comparticipação;
i) A persistência na prática do crime, depois de o agente haver sido pessoalmente advertido para a ilicitude do seu comportamento ou intimado a mudá-lo por ordem de superior hierárquico;
j) A prestação de serviços relevantes e a prática de actos de valor;
l) O cumprimento de ordem do superior hierárquico do agente, quando não baste para excluir a responsabilidade ou a culpa;
m) Ser o crime de insubordinação provocado por abuso de autoridade, quando não baste para justificar o facto;
n) Ser o crime de abuso de autoridade provocado por insubordinação, quando não baste para justificar o facto.

Artigo 23.º
Serviços relevantes e actos de assinalado valor

Os serviços militares relevantes em tempo de guerra e os actos de assinalado valor a todo o tempo, como tais qualificados em Diário da República ou quaisquer ordens de serviço, com referência individual, podem, se praticados depois do crime, ser considerados pelos tribunais como circunstância atenuante de natureza especial ou, sendo a pena abstractamente aplicável inferior a cinco anos, de dispensa de pena.

Artigo 24.º
Reincidência

1 - É punível como reincidente aquele que, por si ou sob qualquer forma de comparticipação, cometer um crime doloso estritamente militar que deva ser punido com prisão efectiva superior a seis meses, depois de ter sido condenado por sentença transitada em julgado em pena de prisão efectiva superior a seis meses por outro crime de idêntica natureza, se, de acordo com as circunstâncias do caso, o agente for de censurar por a condenação ou as condenações anteriores não lhe terem servido de suficiente advertência contra o crime.

Páginas Relacionadas
Página 0299:
0299 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   DECRETO N.º 135/IX
Pág.Página 299
Página 0300:
0300 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   que lhe são atribuíd
Pág.Página 300
Página 0301:
0301 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   4 - Os navios, veícu
Pág.Página 301
Página 0302:
0302 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   Artigo 9.º Equip
Pág.Página 302
Página 0304:
0304 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   2 - O crime anterior
Pág.Página 304
Página 0305:
0305 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   c) Declarar ou mante
Pág.Página 305
Página 0306:
0306 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   pessoa com o seu con
Pág.Página 306
Página 0307:
0307 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   i) Constrangimento a
Pág.Página 307
Página 0308:
0308 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   pelo Decreto do Pres
Pág.Página 308
Página 0309:
0309 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   para o serviço, ou a
Pág.Página 309
Página 0310:
0310 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   é punido com pena de
Pág.Página 310
Página 0311:
0311 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   dado o alarme, manda
Pág.Página 311
Página 0312:
0312 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   insígnias que o iden
Pág.Página 312
Página 0313:
0313 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   Artigo 74.º Puni
Pág.Página 313
Página 0314:
0314 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   3 - Aquele que, em t
Pág.Página 314
Página 0315:
0315 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   com pena de prisão d
Pág.Página 315
Página 0316:
0316 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   como chefes ou insti
Pág.Página 316
Página 0317:
0317 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   Artigo 99.º Movi
Pág.Página 317
Página 0318:
0318 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   Capítulo II Dos
Pág.Página 318
Página 0319:
0319 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   Artigo 117.º Imp
Pág.Página 319
Página 0320:
0320 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   Artigo 126.º Sus
Pág.Página 320
Página 0321:
0321 | II Série A - Número 008 | 18 de Outubro de 2003   b) Nos tribunais mil
Pág.Página 321