O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

0051 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005

 

5 - Cumpridos os requisitos dos números anteriores, é emitida uma autorização de transferência, por despacho do director nacional da PSP, de onde constem todos os dados exigidos no n.º 2 do presente artigo.
6 - A autorização de transferência deve acompanhar a arma ou armas até ao ponto de destino e deve ser apresentada, sempre que solicitada, às autoridades dos Estados-membros da União Europeia de trânsito ou de destino.

Artigo 68.º
Transferência dos Estados-membros para Portugal

1 - A admissão ou entrada e a circulação de armas procedentes de outros Estados-membros da União Europeia dependem de autorização prévia, quando exigida, nos termos dos números seguintes.
2 - A autorização é concedida por despacho do director nacional da PSP, observado o disposto na presente lei, mediante requerimento do interessado, instruído com os elementos referidos na alínea f) do n.º 2 do artigo anterior.
3 - As armas que entrem ou circulem em Portugal devem estar acompanhadas da autorização expedida pelas autoridades competentes do país de procedência.
4 - Cumpridos os requisitos dos números anteriores, é emitida uma autorização de transferência, por despacho do director nacional da PSP, de onde constam os elementos referidos no n.º 2 do artigo anterior.
5 - Por razões de segurança interna, o Ministro da Administração Interna pode autorizar a transferência de armas para Portugal com isenção das formalidades previstas nos números anteriores, devendo comunicar a lista das armas objecto de isenção às autoridades dos restantes Estados-membros do União Europeia.

Artigo 69.º
Comunicações

1 - A PSP envia toda a informação pertinente de que disponha sobre transferências definitivas de armas às correspondentes autoridades dos Estados-membros da União Europeia para onde se realize a transferência.
2 - Sempre que o Estado português esteja vinculado por acordo ou tratado internacional à notificação de países terceiros relativa à exportação de armas, a PSP faz as comunicações necessárias à entidade que nos termos das obrigações assumidas for competente para o efeito.

Secção III
Cartão europeu de arma de fogo

Artigo 70.º
Cartão europeu de arma de fogo

1 - O cartão europeu de arma de fogo é o documento que habilita o seu titular a deter uma ou mais armas de fogo em qualquer Estado-membro da União Europeia desde que autorizado pelo Estado-membro de destino.
2 - O cartão europeu de arma de fogo é concedido pelo director nacional da PSP e é válido pelo período de cinco anos, prorrogável por iguais períodos, desde que se verifiquem os requisitos que levaram à sua emissão.
3 - Os pedidos de concessão do cartão europeu de arma de fogo são instruídos com os seguintes documentos:

a) Requerimento a solicitar a concessão de onde conste a identificação completa do requerente, nomeadamente, estado civil, idade, profissão, naturalidade, nacionalidade e domicílio;
b) Duas fotografias do requerente a cores e em tamanho tipo passe;
c) Cópia da licença ou licenças de uso e porte de armas de fogo ou prova da sua isenção;
d) Cópia dos livretes de manifesto de armas que pretende averbar;
e) Cópia do bilhete de identidade ou passaporte.

4 -- O director nacional da PSP pode determinar a todo o tempo a apreensão do cartão europeu de arma de fogo por motivos de segurança e ordem pública de especial relevo.

Artigo 71.º
Vistos

1 - A autorização referida no n.º 1 do artigo anterior reveste a forma de visto prévio e deve ser requerida à PSP quando Portugal for o Estado de destino.

Páginas Relacionadas
Página 0017:
0017 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005   c) Elaborar um rela
Pág.Página 17
Página 0018:
0018 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005   A título de exemplo
Pág.Página 18
Página 0019:
0019 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005   2 - As actividades
Pág.Página 19
Página 0020:
0020 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005   apresentar ao poten
Pág.Página 20
Página 0021:
0021 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005   Director-Geral de S
Pág.Página 21
Página 0022:
0022 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005   o) Criar e manter e
Pág.Página 22
Página 0023:
0023 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005   h) Segurar a sua re
Pág.Página 23
Página 0024:
0024 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005   Capítulo III Fu
Pág.Página 24
Página 0025:
0025 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005   2 - A validade dos
Pág.Página 25
Página 0026:
0026 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005   bom funcionamento d
Pág.Página 26
Página 0027:
0027 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005   de aplicação de san
Pág.Página 27
Página 0028:
0028 | II Série A - Número 071 | 23 de Dezembro de 2005   2 - Após a formaliz
Pág.Página 28