O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

22 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012

Resumo: A partir de diversos acontecimentos recentes, o autor interroga-se até que ponto a violação da vida privada e a constituição e utilização de bases de dados pessoais se tornaram fáceis e vulgares. Preparase um mundo de vigilância generalizada no qual a vida privada pode ser facilmente violada pelos poderes políticos em nome da segurança, ou por poderes económicos com fins comerciais.
A luta contra o crime ou contra o terrorismo justifica as escutas telefónicas e a vigilância da internet em larga escala? Até que ponto se pode abdicar da liberdade e do respeito do Estado de direito em benefício da segurança? Em que medida existe um aparato tecnológico ou legislativo para preservar a vida privada contra as intrusões comerciais ou politicas? O autor aborda todos estes aspetos e recorda que as redes informáticas constituem também um instrumento de poder sem precedentes para os cidadãos, permitindo-lhes juntar-se e promover os valores que lhes parecem essenciais: agir de acordo com os valores democráticos, sem concessões mas conservando a sua vigilância, continua a ser o melhor meio para preservar a segurança e a liberdade. Rodrigues, Joaquim Chito – Os sistemas de informações e a saúde da democracia. Nova cidadania: liberdade e responsabilidade pessoal. Lisboa. ISSN 0874-5307. A. 12, n.º 46 (2011), p. 39-41.
Resumo: O produto dos sistemas de informações, em democracia, tem duas finalidades primárias: a eficiência e proteção do Estado e a proteção do cidadão. Um dos fatores de análise da saúde das democracias passa, sem dúvida, pela análise e conclusões sobre a organização do Serviço de Informações do Estado e sobre a forma como este é posto em prática, externa e internamente.
Quando os serviços de informações – que por lei servem o Estado, através dos governos legitimamente eleitos, para defesa do país e da própria democracia – passam a servir as polícias, ainda que sob o pretexto da ameaça terrorista, estamos no limiar da perda dos direitos e garantias dos cidadãos. Estamos no limiar de doença grave da democracia.

Enquadramento internacional: Países europeus: A legislação comparada é apresentada para os seguintes países da União Europeia: Espanha e Itália.

Espanha: A Lei 9/1968, de 5 de abril, reguladora de los Secretos Oficiales, define as matérias consideradas como segredo de Estado. A definição das matérias classificadas, a que se refere o artigo 3.º deste diploma, corresponde na esfera da sua competência ao Conselho de Ministros e aos Chefes do Estado Maior das Forças Armadas (artigo 4.º). O Decreto n.º 242/1969, de 20 de fevereiro, veio regulamentar os procedimentos e medidas necessárias para a aplicação da Lei n.º 9/1968, de 5 de abril e para a proteção das matérias classificadas como segredo de Estado. Os artigos 4.º a 8.º deste diploma regulam a violação da proteção das matérias classificadas. O artigo 34.º qualifica as faltas disciplinares e administrativas dos funcionários.
A Lei n.º 11/2002, de 6 de maio, criou o Centro Nacional de Inteligencia, entidade responsável por fornecer ao Presidente do Governo e ao Governo as informações, análises, estudos ou propostas que permitam prevenir e evitar qualquer perigo, ameaça ou agressão contra a independência e integridade territorial de Espanha, os interesses nacionais e a estabilidade do Estado de direito e suas instituições. De acordo com o artigo 2.º da Lei n.º 11/2002, o Centro Nacional de Inteligencia (CNI) rege-se pelo princípio da sujeição ao ordenamento jurídico, levando a cabo as suas atividades específicas nos termos definidos neste diploma e na Lei Orgânica n.º 2/2002, de 6 de maio, reguladora del control judicial previo del Centro Nacional de Inteligencia, e será submetido a controlo parlamentar e judicial, constituindo este a essência do seu funcionamento eficaz e transparente.
A alínea f) do n.º 1 do artigo 8.º da Lei n.º 11/2002 prevê que o pessoal que preste serviço no CNI esteja sujeito a um regime que conjugue os direitos e deveres dos funcionários públicos com o do pessoal sujeito a disciplina militar. A Lei Orgânica n.º 10/1995, de 23 de novembro, del Código Penal, assinala no Título XXIII os delitos de traição contra a paz ou a independência do Estado, e no Capítulo III especifica a questão da revelação de segredos e informações relativas à defesa nacional.
O artigo 11.º da Lei n.º 11/2002, de 6 de maio, assinala o controlo parlamentar sobre o funcionamento e atividades do CNI. Nesta sequência, o CNI submeterá ao conhecimento do Congreso de los Diputados,

Páginas Relacionadas
Página 0025:
25 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 PROJETO DE LEI N.º 163/XII (1.ª) (DEFINE
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 A) Sujeição a discussão pública das inic
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 As iniciativas legislativas sobre a cria
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 F) A alteração do artigo 3.º7 da Lei Org
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 Tal significa, portanto, que se os parec
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 iniciativa, prevê-se, por outro lado, qu
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 n.º 17/2003, de 4 de junho, e procede à
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 Parecer da Comissão de Ambiente, Ordenam
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 de 0,1% da despesa inscrita no Orçamento
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 Tal parecer deverá ser remetido ao órgão
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 A alteração do artigo 3.º7 da Lei Orgâni
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 Nos termos do artigo 141.º do Regimento
Pág.Página 36
Página 0037:
37 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 nas Leis n.os 11/82, de 2 de junho, 8/93
Pág.Página 37
Página 0038:
38 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 Nota Técnica Projeto de lei n.º 16
Pág.Página 38
Página 0039:
39 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 II — Apreciação da conformidade dos requ
Pág.Página 39
Página 0040:
40 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 República deve ter em conta «a vontade d
Pág.Página 40
Página 0041:
41 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 — Na Lei n.º 8/93, de 5 de março, foi al
Pág.Página 41
Página 0042:
42 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 Segundo os Professores Drs. Jorge Mirand
Pág.Página 42
Página 0043:
43 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 A freguesia teve origem eclesiástica. A
Pág.Página 43
Página 0044:
44 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 poderes próprios (inclusive poderes norm
Pág.Página 44
Página 0045:
45 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 autárquica, mas não se garante um direit
Pág.Página 45
Página 0046:
46 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 junho, e 142/85, de 1 de novembro, que o
Pág.Página 46
Página 0047:
47 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 Os órgãos representativos da freguesia s
Pág.Página 47
Página 0048:
48 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 conteúdo normativo pelas consequências s
Pág.Página 48
Página 0049:
49 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 Importa também citar a Lei n.º 169/99, d
Pág.Página 49
Página 0050:
50 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 atentas as respetivas tipologias e desde
Pág.Página 50
Página 0051:
51 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 relativamente à criação, extinção, fusão
Pág.Página 51
Página 0052:
52 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 complementaridade de funcionamento entre
Pág.Página 52
Página 0053:
53 | II Série A - Número: 133 | 3 de Março de 2012 Em 13 de fevereiro de 2012 a Presidente
Pág.Página 53