O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

92 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012

cultura de cidadania capaz de fomentar os valores da dignidade da pessoa humana, da democracia, do exercício responsável, da liberdade individual e da identidade nacional, o aluno tem o direito e o dever de conhecer e respeitar ativamente os valores e os princípios fundamentais inscritos na Constituição da República Portuguesa, a Bandeira e o Hino, enquanto símbolos nacionais, a Declaração Universal dos Direitos do Homem, a Convenção Europeia dos Direitos do Homem, a Convenção sobre os Direitos da Criança e a Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia, enquanto matrizes de valores e princípios de afirmação da humanidade.

Artigo 7.º Direitos do aluno

1 - O aluno tem direito a:

a) Ser tratado com respeito e correção por qualquer membro da comunidade educativa, não podendo, em caso algum, ser discriminado em razão da raça, sexo, orientação sexual ou identidade de género, condição económica, cultural ou social ou convicções políticas, ideológicas ou religiosas; b) Usufruir do ensino e de uma educação de qualidade de acordo com o previsto na lei, em condições de efetiva igualdade de oportunidades no acesso; c) Escolher e usufruir, nos termos estabelecidos no quadro legal aplicável, por si ou, quando menor, através dos seus pais ou encarregados de educação, o projeto educativo que lhe proporcione as condições para o seu pleno desenvolvimento físico, intelectual, moral, cultural e cívico e para a formação da sua personalidade; d) Ver reconhecidos e valorizados o mérito, a dedicação, a assiduidade e o esforço no trabalho e no desempenho escolar e ser estimulado nesse sentido; e) Ver reconhecido o empenhamento em ações meritórias, designadamente, o voluntariado em favor da comunidade em que está inserido ou da sociedade em geral, praticadas na escola ou fora dela, e ser estimulado nesse sentido; f) Usufruir de um horário escolar adequado ao ano frequentado, bem como de uma planificação equilibrada das atividades curriculares e extracurriculares, nomeadamente as que contribuem para o desenvolvimento cultural da comunidade; g) Beneficiar, no âmbito dos serviços de ação social escolar, de um sistema de apoios que lhe permitam superar ou compensar as carências do tipo sociofamiliar, económico ou cultural que dificultem o acesso à escola ou o processo de ensino; h) Usufruir de prémios ou apoios e meios complementares que reconheçam e distingam o mérito; i) Beneficiar de outros apoios específicos, necessários às suas necessidades escolares ou à sua aprendizagem, através dos serviços de psicologia e orientação ou de outros serviços especializados de apoio educativo; j) Ver salvaguardada a sua segurança na escola e respeitada a sua integridade física e moral, beneficiando, designadamente, da especial proteção consagrada na lei penal para os membros da comunidade escolar; k) Ser assistido, de forma pronta e adequada, em caso de acidente ou doença súbita, ocorrido ou manifestada no decorrer das atividades escolares; l) Ver garantida a confidencialidade dos elementos e informações constantes do seu processo individual, de natureza pessoal ou familiar; m) Participar, através dos seus representantes, nos termos da lei, nos órgãos de administração e gestão da escola, na criação e execução do respetivo projeto educativo, bem como na elaboração do regulamento interno; n) Eleger os seus representantes para os órgãos, cargos e demais funções de representação no âmbito da escola, bem como ser eleito, nos termos da lei e do regulamento interno da escola; o) Apresentar críticas e sugestões relativas ao funcionamento da escola e ser ouvido pelos professores, diretores de turma e órgãos de administração e gestão da escola em todos os assuntos que justificadamente forem do seu interesse;

Páginas Relacionadas
Página 0088:
88 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 V. Consultas e contributos  Cons
Pág.Página 88
Página 0089:
89 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 social, podendo, sempre que a gravidade
Pág.Página 89
Página 0090:
90 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 de exclusão por excesso de faltas ou po
Pág.Página 90
Página 0091:
91 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 escola, a sua formação cívica, o cumpri
Pág.Página 91
Página 0093:
93 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 p) Organizar e participar em iniciativa
Pág.Página 93
Página 0094:
94 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 desde que, comprovadamente, auxiliem a
Pág.Página 94
Página 0095:
95 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 s) Não captar sons ou imagens, designad
Pág.Página 95
Página 0096:
96 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 elementos relevantes para a comunicação
Pág.Página 96
Página 0097:
97 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 7 - A participação em visitas de estudo
Pág.Página 97
Página 0098:
98 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 o) Outros factos previstos no regulamen
Pág.Página 98
Página 0099:
99 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 3 - Quando for atingido metade dos limi
Pág.Página 99
Página 0100:
100 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 5 - As atividades de recuperação de at
Pág.Página 100
Página 0101:
101 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 até perfazerem os 18 anos de idade, ou
Pág.Página 101
Página 0102:
102 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 Secção II Medidas disciplinares
Pág.Página 102
Página 0103:
103 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 c) A realização de tarefas e atividade
Pág.Página 103
Página 0104:
104 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 Subsecção III Medidas disciplinares sa
Pág.Página 104
Página 0105:
105 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 imediatamente seguintes. 11 - A med
Pág.Página 105
Página 0106:
106 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 d) A proposta de medida disciplinar sa
Pág.Página 106
Página 0107:
107 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 fundamentadas, poder ser prorrogada at
Pág.Página 107
Página 0108:
108 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 Secção III Execução das medidas discip
Pág.Página 108
Página 0109:
109 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 f) Estabelecer ligação com as comissõe
Pág.Página 109
Página 0110:
110 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 Secção V Responsabilidade civil e crim
Pág.Página 110
Página 0111:
111 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 regulamento interno da escola, pelo pa
Pág.Página 111
Página 0112:
112 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 g) Contribuir para o correto apurament
Pág.Página 112
Página 0113:
113 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 comissão de proteção de crianças e jov
Pág.Página 113
Página 0114:
114 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 10 - Sem prejuízo do estabelecido na a
Pág.Página 114
Página 0115:
115 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 a) O desenvolvimento do disposto na pr
Pág.Página 115
Página 0116:
116 | II Série A - Número: 191 | 12 de Junho de 2012 Artigo 54.º Sucessão de regimes
Pág.Página 116