O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

37 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012

2 - O recurso tem efeitos meramente devolutivo, exceto quando interposto de decisão de aplicação das medidas disciplinares sancionatórias previstas nas alíneas c) a e) do n.º 2 do artigo 28.º.

3 - O presidente do conselho geral designa, de entre os seus membros, um relator, a quem compete analisar o recurso e apresentar ao conselho geral uma proposta de decisão.
4 - Para os efeitos previstos no número anterior, pode o regulamento interno prever a constituição de uma comissão especializada do conselho geral constituída, entre outros, por professores e pais ou encarregados de educação, cabendo a um dos seus membros o desempenho da função de relator.
5 - A decisão do conselho geral é tomada no prazo máximo de 15 dias úteis e notificada aos interessados pelo diretor, nos termos dos n.os 6 e 7 do artigo 33.º.
6- O despacho que apreciar o recurso referido na alínea b) do n.º 1 é remetido à escola, no prazo de cinco dias úteis, cabendo ao respetivo diretor a adequada notificação, nos termos referidos no número anterior.

Artigo 37.º Salvaguarda da convivência escolar

1 - Qualquer professor ou aluno da turma contra quem outro aluno tenha praticado ato de agressão moral ou física, do qual tenha resultado a aplicação efetiva de medida disciplinar sancionatória de suspensão da escola por período superior a oito dias úteis, pode requerer ao diretor a transferência do aluno em causa para turma à qual não lecione ou não pertença, quando o regresso daquele à turma de origem possa provocar grave constrangimento aos ofendidos e perturbação da convivência escolar.
2 - O diretor decidirá sobre o pedido no prazo máximo de cinco dias úteis, fundamentando a sua decisão.
3 - O indeferimento do diretor só pode ser fundamentado na inexistência na escola ou no agrupamento de outra turma na qual o aluno possa ser integrado, para efeitos da frequência da disciplina ou disciplinas em causa ou na impossibilidade de corresponder ao pedido sem grave prejuízo para o percurso formativo do aluno agressor.

SECÇÃO V Responsabilidade civil e criminal

Artigo 38.º Responsabilidade civil e criminal

1 - A aplicação de medida corretiva ou medida disciplinar sancionatória não isenta o aluno e o respetivo representante legal da responsabilidade civil e criminal a que, nos termos gerais de direito, haja lugar.
2 - Sem prejuízo do recurso, por razões de urgência, às autoridades policiais, quando o comportamento do aluno maior de doze anos e menor de dezasseis anos puder constituir facto qualificado como crime, deve a direção da escola comunicar o facto ao Ministério Público junto do tribunal competente em matéria de menores.
3- Caso o menor tenha menos de doze anos de idade, a comunicação referida no número anterior deve ser dirigida à comissão de proteção de crianças e jovens ou, na falta deste, ao Ministério Público junto do tribunal referido no número anterior.
4- O início do procedimento criminal pelos factos que constituam crime e que sejam suscetíveis de desencadear medida disciplinar sancionatória depende apenas de queixa ou de participação pela direção da escola, devendo o seu exercício fundamentar-se em razões que ponderem, em concreto, o interesse da comunidade educativa no desenvolvimento do procedimento criminal perante os interesses relativos à formação do aluno em questão.
5- O disposto no número anterior não prejudica o exercício do direito de queixa por parte dos membros da comunidade educativa que sejam lesados nos seus direitos e interesses legalmente protegidos.

Páginas Relacionadas
Página 0016:
16 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 4 - Em caso de alienação de um dos cana
Pág.Página 16
Página 0017:
17 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 Artigo 2.o Objetivos O Estatuto p
Pág.Página 17
Página 0018:
18 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 CAPÍTULO III Direitos e deveres do alun
Pág.Página 18
Página 0019:
19 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 manifestada no decorrer das atividades
Pág.Página 19
Página 0020:
20 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 1 - Para efeitos do disposto na alínea
Pág.Página 20
Página 0021:
21 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 ativo quanto ao seu cumprimento integra
Pág.Página 21
Página 0022:
22 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 Artigo 12.º Outros instrumentos de regi
Pág.Página 22
Página 0023:
23 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 1 - A falta é a ausência do aluno a uma
Pág.Página 23
Página 0024:
24 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 g) Comparência a consultas pré-natais,
Pág.Página 24
Página 0025:
25 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012
Pág.Página 25
Página 0026:
26 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 Artigo 18.º Excesso grave de faltas
Pág.Página 26
Página 0027:
27 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 do aluno das atividades em causa.
Pág.Página 27
Página 0028:
28 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 imediato, a possibilidade de encaminham
Pág.Página 28
Página 0029:
29 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 seguintes. 2 - A definição, bem como
Pág.Página 29
Página 0030:
30 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 2 - São circunstâncias atenuantes da re
Pág.Página 30
Página 0031:
31 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 correspondente a um ano escolar. 11
Pág.Página 31
Página 0032:
32 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 seja professor da turma. 7 - O não c
Pág.Página 32
Página 0033:
33 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 realizada, para além das demais diligên
Pág.Página 33
Página 0034:
34 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 artigo anterior. Artigo 32.º Susp
Pág.Página 34
Página 0035:
35 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 5 - Da decisão proferida pelo diretor-g
Pág.Página 35
Página 0036:
36 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 os diretores de turma, os professores-t
Pág.Página 36
Página 0038:
38 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 CAPÍTULO V Responsabilidade e autonomia
Pág.Página 38
Página 0039:
39 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 2 - A autoridade do professor exerce-se
Pág.Página 39
Página 0040:
40 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 a) Pelo exercício das responsabilidades
Pág.Página 40
Página 0041:
41 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 apoios sociais que se relacionem com a
Pág.Página 41
Página 0042:
42 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 Artigo 46.º Papel do pessoal não docent
Pág.Página 42
Página 0043:
43 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 Artigo 49.º Regulamento interno da esco
Pág.Página 43
Página 0044:
44 | II Série A - Número: 218 | 1 de Agosto de 2012 Artigo 53.º Divulgação do Estatuto do A
Pág.Página 44