O texto apresentado é obtido de forma automática, não levando em conta elementos gráficos e podendo conter erros. Se encontrar algum erro, por favor informe os serviços através da página de contactos.
Não foi possivel carregar a página pretendida. Reportar Erro

3 DE OUTUBRO DE 2012

15

Por último, a nível de consultas e contributos, é sugerido na nota técnica a audição das seguintes

entidades: Associações de estudantes do ensino básico e secundário; CONFAP – Confederação Nacional das

Associações de Pais; CNIPE – Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação;

FENPROF – Federação Nacional dos Professores; FNE – Federação Nacional dos Sindicatos da Educação;

FENEI – Federação Nacional do Ensino e Investigação; FEPECI – Federação Portuguesa dos Profissionais de

Educação, Ensino, Cultura e Investigação; Associação Nacional de Professores; Associação das Escolas

Superiores de Educação – ARIPESE; Associações de Professores, Escolas do Ensinos Básico e do

Secundário; Conselho Nacional de Educação; Ministro da Educação e Ciência; Plataforma Nacional de

Associações de Estudantes do Ensino Básico e Secundário; Câmaras Municipais; Associação Nacional de

Municípios Portugueses; Associação Nacional de Freguesias; Conselho de Escolas; AEEP – Associação de

Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo; PETI/ PIEF – Programa Integrado Educação Formação;

APED – Associação de Professores e Educadores em Defesa do Ensino; MUP – Movimento para a

Mobilização e Unidade dos Professores; MEP – Movimento Escola Pública; ANDE – Associação Nacional de

Dirigentes Escolares; Pró-Inclusão – Associação Nacional de Docentes de Educação Especial; IPDJ e a APEL

– Associação Portuguesa de Editores e Livreiros.

2. Objeto, conteúdo e motivação da iniciativa

O Projeto de Lei n.º 283/XII (2.ª) visa implementar um “Programa faseado de distribuição gratuita e criação

de bolsas de empréstimo de manuais escolares na escolaridade obrigatória”, procedendo à segunda alteração

à Lei n.º 47/2006, de 28 de agosto, que define o regime de avaliação, certificação e adoção dos manuais

escolares do ensino básico e do ensino secundário, bem como, os princípios e objetivos a que deve obedecer

o apoio socioeducativo relativamente à aquisição e ao empréstimo de manuais escolares.

Nos termos da Exposição de Motivos do Projeto de Lei n.º 283/XII (2.ª), os deputados signatários

consideram que “(…) as famílias em Portugal mantêm o seu lugar como aquelas que mais gastam com a

aquisição de manuais escolares no espaço da União Europeia.”; que “(…) o impacto da compra de manuais

escolares no orçamento das famílias é demasiado custoso; mantêm-se preços exorbitantes e edições

luxuosas; ano após ano, acumula-se o desperdício de manuais quase novos que não voltam a ser utilizados.”;

que, “o apoio fornecido pela ação social escolar é insuficiente para a realidade do país” e que “O manual

escolar é um recurso fundamental do processo educativo e deve, portanto, ser um direito de todos os alunos

da escolaridade obrigatória, como condição de igualdade e equidade no processo educativo”.

O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda considera, ainda, que a Lei n.º 47/2006, de 28 de agosto,

apresenta algumas lacunas quanto à qualidade dos manuais escolares; é quase meramente indicativa quanto

ao regime de preços, aquisição e distribuição e, quanto ao acesso, “limita-se a reafirmar princípios no âmbito

da ação social escolar sugerindo – apenas e só – às escolas a possibilidade de criar modalidades de

empréstimo de manuais escolares e outros recursos didático-pedagógicos.”

É ainda dito que “(…) os anteriores governos negociaram acordos com as editoras que previam a subida de

preços acima da taxa de inflação (…)” o que os autores da iniciativa classificam como incompreensível, tendo

em conta o congelamento de salários e as reduções significativas nos apoios ao nível da ação social escolar,

bem como o facto de, “(…) com custos tão onerosos dos manuais escolares em Portugal, os seus preços

tenham em anos sucessivos subido sempre acima da inflação”.

O Bloco de Esquerda refere também que “os apoios de ação social escolar no acesso aos manuais

escolares restringe-se a escalões de rendimento manifestamente baixos, deixando de fora muitas famílias que

não têm hoje disponibilidade financeira para fazer face aos custos dos livros escolares”, pelo que, no início do

presente ano letivo, têm sido organizados bancos de empréstimo de manuais escolares por cidadãos,

associações de pais, instituições sociais e câmaras municipais, sendo exemplos que devem ser seguidos e

cabendo à política pública universalizar esta prática.

É igualmente referida pelos autores da iniciativa a comparação realizada no Parecer do Conselho Nacional

de Educação (CNE) relativo às iniciativas legislativas do BE, do PEV e do CDS-PP sobre manuais escolares

da anterior legislatura onde se pode ler numa das suas conclusões que “na maioria dos países europeus o

princípio da obrigatoriedade de frequência escolar é entendido como implicando a gratuitidade total dessa

Páginas Relacionadas
Página 0014:
II SÉRIE-A — NÚMERO 10 14 PROJETO DE LEI N.º 283/XII (2.ª)
Pág.Página 14
Página 0016:
II SÉRIE-A — NÚMERO 10 16 frequência, o que inclui todos os recursos
Pág.Página 16
Página 0017:
3 DE OUTUBRO DE 2012 17 A Deputada autora do Parecer, Emília Santos — O Presidente
Pág.Página 17
Página 0018:
II SÉRIE-A — NÚMERO 10 18 de manuais escolares não carece de nova lei
Pág.Página 18
Página 0019:
3 DE OUTUBRO DE 2012 19 posteriormente revogados pelos Decreto-Lei n.º 138-C/2010,
Pág.Página 19
Página 0020:
II SÉRIE-A — NÚMERO 10 20 defendem os proponentes da iniciativa em ap
Pág.Página 20
Página 0021:
3 DE OUTUBRO DE 2012 21 da citada Resolução determina “que o Acordo Ortográfico é a
Pág.Página 21
Página 0022:
II SÉRIE-A — NÚMERO 10 22 – O combate ao desperdício, o respei
Pág.Página 22
Página 0023:
3 DE OUTUBRO DE 2012 23 do artigo 4.º atribui à Direção de Serviços de Educação Esp
Pág.Página 23
Página 0024:
II SÉRIE-A — NÚMERO 10 24 iniciativa foi rejeitada, com o voto contra
Pág.Página 24
Página 0025:
3 DE OUTUBRO DE 2012 25 Enquadramento internacional Países europeus
Pág.Página 25
Página 0026:
II SÉRIE-A — NÚMERO 10 26 Outros países Organizações internaci
Pág.Página 26
Página 0027:
3 DE OUTUBRO DE 2012 27  MEP – Movimento Escola Pública  ANDE – Associação
Pág.Página 27